Pular para o conteúdo principal

"Assiste a 21 séries (you're a freaking god!)"

CALMA, não é tanto quanto parece. Começo a assistir muita coisa, mas me atraso com todas. Meu método era esperar acabar uma pra poder começar outra, mas meu pouco tempo e muita vontade me impedem. Fazer o quê?

Atualização da última lista.


American Horror Story: Asylum


Não assisti à primeira temporada de American Horror Story, mas minha mãe acompanhou e me contou toda a história. Assisti à segunda porque soube que seria uma história completamente diferente, como se fosse outro filme, e me disseram que era muito legal; e adorei. Tem tudo que um entusiasta do terror pode querer: possessão demoníaca, abdução alienígena, zumbis, serial killer, hospício, médico nazista, cenas fortes e todo tipo de bizarrice, na mesma história. Com um elenco excelente, todos os prêmios pra Jessica Lange, essa linda que a gente começa odiando e depois passa a amar.


Status: terminada, aguardando temporada/história nova

Arrow


Não fiquei com muita vontade de ver, quando estreou, mas muita gente começou a ver e comentar e fiquei curiosa. A princípio não curti tanto assim e acabei parando no segundo episódio. Mas aí, acompanhando as notícias, vi que o elenco tem muitos atores que participaram de outras séries, que eu conheço e gosto muito, e retomei de onde parei - o que foi uma boa ideia, porque o terceiro episódio foi muito legal. O playboy Oliver Queen passa cinco anos isolado em uma ilha, depois de um acidente com o barco onde ele, seu pai e outras pessoas estavam, do qual ele foi o único sobrevivente. Dado como morto pelo restante da família e amigos, eventualmente retorna ao lar e se torna um justiceiro, em uma tentativa de se redimir pela sua má-fama e também pelos negócios desonestos do pai. Manter o segredo de sua identidade "heroica" não tem sido fácil, já que todos ainda o consideram bem fútil e mimado, mas Oliver se esforça para fazer justiça e não receber reconhecimento por isso.


Status: na primeira temporada

Being Human (UK)


Especifiquei com "UK" ali porque tem a versão americana, mais recente, mas que nunca assisti. Pode parecer meio bobo, mas essa série é sobre um lobisomem, um vampiro e uma fantasma que são amigos e dividem uma casa. Não é engraçadinho e clichê como parece: a série é forte, violenta, triste em vários momentos e esses três tão sempre numa choradeira que a gente se deprime junto. Porém, tem os momentos engraçados (quase todos graças à Annie, a fantasma), o que torna a série bem boa de acompanhar; além de questões como sobre até onde eles podem se considerar humanos. Por mais que tentem levar uma vida normal, sua natureza frequentemente fala mais alto, o que os afasta de tudo o que mais prezam. Talvez vocês reconheçam nosso vampiro aqui como Kili, um dos anões de O Hobbit. :)


Status: na terceira temporada

Grimm


Essa série me fez morrer de saudade das minhas aulas de alemão e francês :(. O detetive Nick Burkhardt tem um emprego bem normal na polícia de Portland; quando uma tia vem visitá-lo e muda sua vida para sempre. Nick descobre que as criaturas dos contos-de-fada são muito reais e convivem com a humanidade há muitos séculos. Ao mesmo tempo, descobre que ele próprio é um Grimm, descendente de uma longa linhagem de caçadores dessas criaturas. Tendo que manter isso em segredo, Nick percebe que muito do seu trabalho como detetive tem a ver com os Wesen (as criaturas), e conta com a ajuda de seu parceiro Hank e do blutbad Monroe para conciliar as duas vidas, fazer sua parte na tradição secular e lidar com um mistério atrás do outro.



Status: aguardando a terceira temporada

How I Met Your Mother


Demorei ERAS pra me juntar à humanidade, mas cedi depois de assistir um pouco na TV e me divertir muito - peguei desde o começo na Netflix e foi a melhor coisa que eu fiz nessas férias. Acho que todos vocês já conhecem a história: é 2030, e Ted Mosby reúne seus filhos na sala pra contar como ele conheceu a mãe deles... Só que ele se perde em narrativas sobre todas as suas tentativas e fracassos e nunca chega ao ponto, rendendo histórias engraçadíssimas ao lado de seus amigos Marshall, Lilly, Robin e Barney. Sério, tô rindo do episódio do "ratorata" até agora.



Status: na primeira temporada

In The Flesh


Há quem diga que essa série da BBC é melhor que a super famosa The Walking Dead. Eu ainda não formei opinião, pois só assisti ao primeiro episódio, até agora (me atrasei lindamente), mas constatei que se tratam de histórias absolutamente diferentes, apesar da temática zumbi. Em In The Flesh, a tal epidemia zumbi atingiu grande parte da população - não como uma doença, mas realmente como um retorno da morte -, mas já existe uma cura: a droga bloqueia o processo de decomposição do corpo, e muitas sessões de terapia (além de muita maquiagem para esconder as marcas já adquiridas da morte) devolvem ao indivíduo condições de se reintegrarem na sociedade como pessoas normais. E o drama da série é justamente esse: essas pessoas têm lugar de volta na sociedade?



Status: na primeira temporada

The Following


Série excelente, que trouxe Edgar Allan Poe de volta à curiosidade da galera (e também trouxe aquela horda inevitável de "eu-já-curtia-Poe-desde-antes-da-série"...). O serial killer Joe Carroll, um renomado professor universitário, está preso há anos por causa do assassinato de 14 mulheres. Estes assassinatos representavam uma espécie de culto doentio a obras de Poe, do qual ele era estudioso. Como já não estava ruim o suficiente, descobriu-se que Carroll tem toda uma seita de seguidores, que ia visitá-lo na prisão pra ouvir seus conselhos e "sabedoria", e em seguida continuar o trabalho que ele deixou inacabado. E o trabalho de tentar parar essa gente toda cabe ao detetive Ryan Hardy, que foi o responsável pelo caso de Joe, anos atrás. O desenrolar da história é bastante imprevisível e é tudo muito tenso e nos prende de forma inevitável.



Status: aguardando a segunda temporada

Vicious


Sitcom com todo o humor britânico que pode caber em 20 minutos. Com um elenco de peso, com os melhores atores do cinema, teatro e TV britânicos, a série é sobre um casal de senhores: um ator, Freddie, que já teve seus melhores momentos (representado por Ian McKellen) e seu companheiro há 48 anos, Stuart. Acompanhados por seus amigos, Violet, Penelope e Mason (todos pessoas terríveis), passam o tempo atormentando o pobre Ash, o jovem vizinho novo do casal. Alguns dos momentos mais engraçados são quando Stuart está ao telefone com sua mãe, que ainda não sabe que o filho é gay e vive com outro homem. Pra quem gosta de um monte de tiradas sarcásticas, tá aqui a recomendação!



Status: aguardando segunda temporada

.

E vocês, acompanham alguma(s) destas?

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…