Pular para o conteúdo principal

Só pra reclamar um pouquinho

Não me lembro se já tinha ficado mais de um mês sem atualizar isso aqui, antes. Detesto abandonar as coisas :(

MAS

O HCtZ não tá abandonado (ê!). Só levemente deixado de lado contra a minha vontade. Vamos colocá-los a par dos fatos:



Todo mundo aqui já deve saber, acho que todos me acompanham em outras redes sociais, mas este ano comecei uma Pós-graduação (uhu me animei, incrível). Não tem a ver com Biologia - se chama Formação de Tradutores em Língua Inglesa. Tem a ver com o meu trabalho, é a parte que eu mais curto nele, e é um baita diferencial na minha (pelo jeito) carreira. O curso é interessantíssimo e tô aprendendo e praticando muita coisa nova.

Porém...

O fato do curso ser à distância me complica um pouco a vida. Não faz sentido, não é? Vou explicar: quando não se tem uma rotina específica de estudo, e como eu não tenho nada parecido com uma rotina, devido aos meus horários loucos de trabalho, não consigo organizar direito uma programação pros estudos. O primeiro semestre foi mais tranquilo, consegui conciliar bem o trabalho e o estudo e fechei as três primeiras disciplinas com um 10,0 redondão em cada (:D). Este semestre, entretanto, está sendo bem complicado.

Além das matérias novas, que exigem entrega de trabalhos toda semana, também é época de escrever o temido TCC. O tema que eu escolhi não é difícil e não exige muita pesquisa, mas, por ser meu primeiro artigo científico, tô apanhando bastante da metodologia e tenho sempre muitas dúvidas sobre o que e como fazer. Precisei abrir mão de algumas aulas pra poder ter mais tempo de me dedicar à tudo (então também tô ganhando menos), mas ainda assim não está sendo o suficiente. Estudo todas as manhãs, trabalho quase todos os dias das 14h às 20h, e estudo novamente toda noite das 22h até onde eu aguentar (o que raramente tem sido antes das 2h). Não tenho mais fins de semana e feriados, já que são os dias que me restam pra arrumar as coisas da escola. Essa falta de descanso tá me prejudicando em várias áreas: meu trabalho não tá satisfatório, não consigo mais preparar aulas legais, ando impaciente com os alunos que precisam de mais atenção. Vou pra escola com cara de quem morreu na semana anterior e não foi avisada, não há truque de maquiagem que esconda as olheiras permanentes e o evidente cansaço. A pele tá horrível, quase nunca consigo fazer as unhas. Perdi um pouco de peso (minhas alimentações diárias são o almoço e um lanche quando chego do trabalho) mas não pude mais fazer exercícios (além da caminhada de 40 minutos até o trabalho todo dia) e a anemia bateu de novo. Ainda bem que cortei o cabelo e ele fica legal despenteado (:P).

Então ando bastante desanimada, no geral. É inevitável aquela sensação de que, no fim das contas, esse esforço todo vai dar na mesma que a minha faculdade: em nada. Que vou terminar esse curso (se tudo der certo), pegar meu diploma, atualizar meu Lattes e continuar fazendo o de sempre.

Bom, ninguém tem nada a ver com nada disso que eu escrevi aqui; foi uma decisão minha voltar a estudar e eu de certa forma sabia que isso ia acabar acontecendo. Quis escrever tudo porque ando sendo meio incapaz como filha, irmã, amiga e profissional e achei que devia uma explicação, a quem possa interessar, e assim também poupar pessoas queridas de mimimis irritantes no dia-a-dia.

Se eu fui tosca com alguém sem motivo, me perdoem, de coração. Espero que entendam a pressão aqui. No fim de novembro, acaba.

.

Vou tentar voltar, daqui a algum tempo, pra postar sobre a Morgan, minha filha vegetal. Vocês vão adorá-la! :D

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…