Pular para o conteúdo principal

As Misteriosas Luzes de Silver Cliff



Em 2011, quando eu estava fazendo inglês (já estava ensinando também), tive o primeiro contato com um texto no livro didático sobre o cemitério da cidadezinha norte-americana de Silver Cliff, no estado do Colorado. Desde aquela época fiquei impressionada com a história e, não sei por que, nunca vim falar sobre ela aqui. De lá pra cá, já passei por esse texto TANTAS vezes, e ele nunca deixou de me intrigar.

Vamos lá, post atrasadinho de Halloween:

▼▼▼▼▼

Silver Cliff atualmente não pode nem ser chamada de cidade. Fica a algumas horas de Denver, e conta com não mais do que 500 e poucos habitantes. Em meados do século 19, porém, Silver Cliff chegou a ter 16 mil habitantes - mineradores de passagem em busca de prata, abundante na região e época. 

Reza a lenda que, em 1920, um grupo de mineradores estava voltando tarde da noite para a cidade, e resolveram cortar caminho pelo cemitério, que fica meio afastado. Foi quando eles perceberam algo estranho: em cima de cada túmulo, viram pequenos pontos de luz: arredondados, azulados, "dançantes" como se fossem chamas. Ao chegar mais perto para estudá-las, as luzes simplesmente desapareceram. Na falta de explicação melhor, logo correram boatos de que o cemitério era mal assombrado pelos fantasmas dos mineradores que haviam morrido nas minas, e que as luzes seriam as lanternas de seus capacetes.



Em 1969, um artigo sobre o estado do Colorado na revista National Geographic fez uma breve menção ao fenômeno, o que chamou a atenção sobre o cemitério da cidadezinha. No decorrer dos anos, cientistas têm tentado descobrir a origem de tais luzes, que são avistadas até hoje - e, até hoje, nenhuma explicação plausível foi confirmada. Dentre elas:

  • Reflexos da cidade. Teoria desde então descartada, por causa da distância a que o cemitério se encontra de Silver Cliff. (diz uma lenda urbana que, um dia, todos os habitantes da cidade apagaram suas luzes, para fazer um teste, e ainda assim as luzes foram avistadas no cemitério!)
  • Gases de matéria decomposta (ou fogo-fátuo); seja de cadáveres, seja da madeira das cruzes. O fenômeno é comum em alguns cemitérios, mas só acontece em áreas pantanosas. O terreno de Silver Cliff é árido.
  • Resíduos radioativos. Análises do solo, porém, não indicaram nenhum vestígio de substâncias radioativas no local.
  • Vaga-lumes. Inconvenientemente, inexistentes no ecossistema do Colorado.

Até hoje, centenas de pessoas vão ao local para avistar as luzes e tentar registrá-las. Fato curioso é que ninguém jamais as conseguiu filmar ou fotografar, ou sequer chegar perto para observá-las melhor (há alguns vídeos no YouTube, mas não se vê nada neles além das lápides). Várias pessoas que conseguiram enxergar as tais luzes confirmam seu tamanho pequeno, seu movimento ondulante (às vezes "passeando" pelo cemitério, às vezes "pulando" sobre os túmulos), e seu misterioso desaparecimento sempre que se tenta uma aproximação ou um registro. Dizem que são mais fáceis de ver quando a noite está bem escura, sem estrelas ou o brilho da lua (o que também elimina a teoria de que poderiam ser reflexos naturais nas lápides polidas).



Enquanto algumas mentes zen defendem a teoria das fadas, outros céticos explicam o fenômeno com os recém-descobertos fosfenos: sabem quando esfregamos os olhos com muita força e depois ficamos vendo pontos de luz por tudo? Essas luzinhas são fosfenos. Elas são uma reação natural das nossas retinas quando os olhos estão no escuro por muito tempo. E isso pode acontecer em qualquer lugar escuro, embora em cemitérios seja muito mais interessante. Bom, essa teoria prova porque as luzes "somem" e não podem ser registradas, e também tira toda a graça da coisa.

O cemitério é muito antigo, e grande parte das lápides é muito, muito velha. Mas ainda está sendo usado, e apenas 40% dele está ocupado. Segundo o site oficial da cidade, pode-se adquirir um espaço lá por apenas $100.

E aí?

.

Fontes:
Mais informações sobre o cemitério e as teorias: Randi.org
Relatos dos avistamentos: Examiner.com e Legends of America
Site oficial: SilverCliffCO.com

.

agora preciso voltar ao TCC, me senti culpada por gastar todo esse tempo nesse post com TANTA coisa ainda pra fazer D:

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…