30/12/2014

O ano que (finalmente!) acabou

Ufa, que ano maluco, esse! Achei que o ótimo começo fosse um presságio de um ano tão bom quanto o passado, mas fiquei bastante decepcionada comigo mesma por não ter me permitido que 2014 tivesse sido melhor. 

Já estava com essa postagem prontinha, mas resolvi apagá-la toda a transformar a conversa em uma lista. Fica menos cansativo, menos desnecessariamente pessoal demais e, se alguém quiser conversar sobre qualquer coisa que vir aqui, é só me chamar onde vocês já sabem que estou. :D



Ajudinha do John novamente, esse ano.

→ Coisinhas legais ←


► Viajei rapidinho pra encontrar alguns amigos (alguns deles, pela primeira vez). Não sei por que é tão complicado conseguir fazer uma viagem dar certo, mas pelo menos essa foi.

► Reencontrei antigas amigas e colegas da faculdade (algumas, pela primeira vez desde a nossa formatura, há quase 6 anos). Teria sido ainda mais legal se todos pudessem ter ido à reunião, mas valeu o encontro.

► Finalmente recebi a visita da minha amiga mais querida lá de Campo Mourão. Dez anos de fofoca pra colocar em dia!

► Adotamos mais um gatinho e estou cultivando mais duas plantas carnívoras. Todos são bem gulosos.

► Passei a me dedicar mais às traduções e tive a oportunidade de ser avaliada por um tradutor bem experiente e reconhecido que, apesar de alguns puxões de orelha, elogiou muito o meu "português de primeiríssima linha" e me chamou de "talentosa".

► Aprendi MUITO sobre o mercado de trabalho dessa área, depois de apanhar bastante; aprendi a operar algumas ferramentas importantes pra produção render mais; e tentei de tudo um pouco até ver o que funciona e no que não vale a pena investir.

► Comecei a ajudar a minha irmã com as fotografias - não fotografando, mas diagramando os álbuns dos clientes. Têm ficado bons (todos estão amando, modéstia à parte :P), e isso tem aliviado o volume de trabalho da coitada.

► Fui convidada a colaborar de vez em quando com resenhas de livros e HQs para a revista Mundo Nerd, e já fui publicada em duas edições (a 5 e 6, pra quem quiser conferir).

► Ganhei um sorteio da página Sandman Brasil, yay! O dono da página, inclusive, foi a pessoa mais legal do mundo ao me dar a chance de receber o prêmio mesmo após o prazo de resposta (porque meus amigos que também curtem a página não se deram ao trabalho de me avisar que eu tinha ganhado, mas tudo bem, deu tudo certo).

► Ganhei festa de despedida de uma turma de alunos superqueridos que me dão muita saudade

► Na categoria revelação bombástica: dei um chute bem gostoso na bunda da depressão ao entender e aceitar que eu, afinal, não tenho mais que me forçar a/fingir ser uma heterossexual normal, porque não sou! Depois de muita leitura, estudo e conversa descobri que sou assexual, que é uma orientação normal para 1% da população mundial (somos 70 milhões assumidos); e que existe uma grande comunidade de apoio e conscientização para a menos estudada e mais mal interpretada das orientações sexuais. É complicado para as pessoas das demais orientações entender a assexualidade sem ser um pouco preconceituoso (sim, ouvi todo o tipo de coisa até de homossexuais) e fazer uns comentários meio ofensivos, às vezes; por isso peço que os curiosos deem uma olhada nesse "guia" resumidinho.

não é nada pessoal, MESMO.


► Na categoria milagre: minha primeira planta carnívora quase passou dessa pra melhor e deixou só as raízes pra trás - mas, depois de meses de insistência minha, voltou a brotar. Uma das nossas gatas se machucou bem feio e sumiu por três semanas, mas acabou voltando pra casa depois de toda a esperança ter sido perdida.


→ Coisinhas chatas e bobonas ←



► O gatinho que adotamos no ano passado (meu companheirinho mais querido) foi embora e nunca mais voltou. Todo tipo de coisa horrível passou pelas nossas cabeças e, enfim, foi uma perda difícil de aceitar.

► Perdemos nosso avô pra um câncer idiota que o fez sofrer muito. O descanso dele depois de tantos anos foi um alívio pra todos, mas me despedir dele em seu último dia de vida foi horrível :(

► Deixei meu emprego como professora de inglês, justo quando achava que finalmente havia encontrado algo que me dava prazer em trabalhar, porque deixei a depressão e a ansiedade tocarem o Terceiro Reich no meu emocional. Precisei me afastar e colocar as ideias em ordem.

► Ainda não as coloquei.

► O único plano que eu tinha pra esse ano, o de voltar a estudar alemão ou o francês, não deu certo. As únicas duas escolas da cidade que oferecem os cursos são caríssimas e eu não tenho como arcar com nenhum deles. Lamento não ter disciplina para estudar por conta própria :(

.

Não tô pensando em planos pra 2015; tô frustrada com essa coisa toda de trabalho fixo e não consigo pensar em nada que não pareça desperdício de dinheiro. Estou com algumas esperanças ínfimas, porém, e... vai que dá?

Um melhor ano a todos, e obrigada mais uma vez pela companhia!

- Manu

27/12/2014

HCtZ Top Álbuns de 2014

Manu, como frequentemente, por fora dos lançamentos (até dos artistas favoritos). Ouvi alguns durante o ano, e o restante precisei pesquisar.

Estes são os meus lançamentos favoritos do ano que passou:


Get Hurt
The Gaslight Anthem

Não será possível me apaixonar por qualquer outra coisa, nem que seja deles mesmo, depois do maravilhoso Handwritten... Demorei um pouco a me habituar às músicas desse álbum, e acho que até agora não tenho uma favorita absoluta. Talvez seja um daqueles casos em que o álbum conversará comigo quando for a hora certa. Ainda assim, é mais um trabalho competente de uma das minhas bandas favoritas, e esse vídeo aí não me deixa esquecer disso:



Transgender Dysphoria Blues
Against Me!

Primeiro álbum da banda desde que a vocalista Laura Jane passou pela transição que mudou sua vida. A banda passou por uma reformulação quase completa, depois disso (embora não tenha mudado em nada seu estilo), e a vida da própria Laura teve mais mudanças do que ela esperava; mas o álbum foi um passo importante - tanto para ela, sua família e amigos, quanto para outras pessoas que passam pelas mesmas complicações da transição - porque é conceitual sobre a disforia transgênero (definida como o desconforto por pertencer ao gênero oposto ao que lhe foi determinado biologicamente).



Till Midnight
Chuck Ragan

Tudo que o Chuck faz é lindo; até as fotos do Instagram dele são lindas. O estilo dele longe do Hot Water Music é o folk típico americano - aquela coisa cheia de barbas e camisas xadrez e violões e violinos e vozes roucas e muito coração. Acho que não há nada especial sobre esse álbum pra colocar aqui, apesar de eu sentir cada vez mais vontade de estar onde a Revival Tour estiver...



Home
Kian Egan

Primeiro álbum solo do ex-membro do Westlife. Um álbum bem improvável, aliás, porque o Kian era o membro com menos destaque vocal do grupo e surpreendeu todo mundo, haha. É uma coletânea bem despretensiosa de vários covers e muito gostosa de ouvir (também é muito bom ver essa barba aí, fique com ela. he). Só não entendi muito bem a necessidade de colocar um cover de The Reason (do Hoobastank) no álbum, se o Westlife já tinha lançado um no último álbum deles, mas tudo bem...






You Raise Me Up
John Barrowman 

Alguns talvez não saibam mas, antes de nos agraciar as telinhas no papel do Capitão Jack Harkness em Doctor Who e Torchwood e como Malcolm Merlyn em Arrow, John Barrowman já era artista da Broadway e gravou álbuns com suas interpretações. Este ano, lançou esse álbum de versões de canções pop tanto clássicas quanto mais recentes. Ah, e ele também é autor (junto com a irmã) de uma série de livros infantojuvenis. Não há defeitos nesse homem.



Tim Timebomb and Friends
Tim Timebomb

O Tim ficou soltando as faixas desse álbum uma a uma durante várias semanas, até finalmente sair o álbum todo. Trata-se de um álbum com versões de muitas, muitas músicas - algumas de outras bandas de punk rock, ska e reggae, e algumas de rocks antigos e até country! Algumas versões ficaram até mais legais que as originais. Curti mais esse álbum do que o próprio álbum novo do Rancid :P




The Breeze (An Appreciation of JJ Cale)
Eric Clapton & Friends

Não deve ser fácil ser Eric Clapton, vendo tantos amigos indo embora assim. JJ Cale foi um grande amigo pessoal, e quem compôs vários dos sucessos que ajudaram a dar fama ao Eric, tipo Cocaine - eles inclusive gravaram um álbum juntos, o The Road to Escondido. Este álbum é uma homenagem póstuma de Clapton e vários músicos conhecidos, com suas versões de algumas das composições de Cale. O vídeo abaixo faz parte das homenagens e pega lá no coraçãozinho:



• Outros que ouvi e curti •

Listen, do The Kooks. Surpreendentemente dançante!
50 St. Catherine's Drive, póstumo de Robin Gibb. Não conhecia as músicas só do Robin; são bem diferentes do que ele fazia com os Bee Gees, e adorei!
Aretha Franklin Sings The Great Diva Classics. O nome do álbum é bastante autoexplicativo. A versão dela de Nothing Compares 2 U é, provavelmente, a única feliz do mundo, haha
Last Chance to Dance, de CJ Ramone. O CJ sempre foi meu ramone favorito, mesmo não tendo sido um dos originais (me mordam). As coisas que ele lança são sempre legais.
Everything Changes, de Julian Lennon. Fazia muito tempo que não ouvia nada dele, aí vi que ele lançou álbum esse ano e fui ouvir. Me surpreendi ao ouvir um trechinho de Baby You're A Rich Man em uma das músicas, haha.
I'm Not Bossy, I'm the Boss, de Sinéad O'Connor. Adoro essa mulher, fiquei feliz em saber que ela ainda está gravando. Esse álbum foi bem mais bem recebido que o anterior dela, inclusive.
Mandatory Fun, de "Weird Al" Yankovic. Até cheguei a mencionar ele por aqui, anteriormente. Esse álbum foi um sucesso nas paradas, o que é incomum para o estilo!
The Who Hits 50, do The Who. Coletânea dos maiores sucessos dos 50 anos da banda, o que é sempre... sucesso!

.

Ouviram algo supimpa esse ano?

24/12/2014

Assiste a 25 séries (you're a freaking god!)

Tanta série que eu ainda queria começar a ver... Parem de lançar tanta série, por favor. :(

Aqui vão mais cinco das que tenho acompanhado:


Constantine


A DC tá tirando o atraso em relação à Marvel lançando uma série atrás da outra com seus personagens. Este ano veio Constantine, uma das séries mais esperadas pelos fãs do sarcástico mago inglês. Esperava-se que a série redimisse o filme que fizeram há uns anos com o Keanu Reeves, mas parece que o povo ainda tá descontente, muito porque não consegue evitar as comparações com Supernatural. Talvez nem todos saibam que Supernatural foi amplamente baseado em Hellblazer (a HQ em que se baseia Constantine, agora), só que chegou antes e, bem, fez muito sucesso. Comparações serão redundantes. De qualquer forma, as séries só compartilham a temática sobrenatural; os enredos são outros. Vale a conferida de todos que gostam do gênero, mesmo que não conheça o personagem.

Trailer:


Modern Family


A curiosidade finalmente me venceu e resolvi dar uma olhada nessa família que ganha todos os Emmy todos os anos. E, caras, eles merecem todos os Emmy de todos os anos, por mim! A série acompanha a vida de três famílias relacionadas: Jay, em seu segundo casamento, com a esposa estrangeira que trouxe o filho do casamento anterior; sua filha Claire, casada e com três filhos (há quem diga que o marido seja a quarta criança da casa); e seu outro filho, Mitchell, que vive com um companheiro e, juntos, adotaram uma bebê. Todos lidam com suas diferenças e semelhanças à sua maneira, e não há como não se identificar com algum deles. Não existe um tema delimitado: cada episódio trata de um assunto absolutamente normal na vida de qualquer família (o namorado da filha, a idade chegando, o bebê aprendendo as primeiras coisas, o dia a dia no trabalho ou na escola...), só que são todos meio malucos, então até as coisas mais simples fazem a gente rir alto.

Trailer:




The Strain


Baseada na Trilogia da Escuridão, de Guillermo del Toro e Chuck Hogan, que já recomendei anteriormente e que gosto muito! Estava aguardando com muita ansiedade pela série e ela está atendendo às expectativas. O enredo está na resenha que fiz dos livros, ali no link, mas pra resumir: as criaturas não são bem vampiros, embora sejam chamados assim, e também não são zumbis, embora tenham morrido e voltado. São humanos infectados por algo biológico que veio de uma criatura sobrenatural - faz sentido? - e que estão se alimentando de outras pessoas e ocasionalmente transformando-as nisso também. A transformação altera quase toda a anatomia da pessoa, e a velocidade com que isso ocorre é assustadora e toma proporções catastróficas com bastante rapidez. Se não mudarem o enredo da série e se mantiverem fiéis aos livros, prometo lágrimas.

Trailer:



Warehouse 13


Os agentes do Serviço Secreto Pete Lattimer e Myka Bering são chamados a integrar uma equipe misteriosíssima de agentes misteriosíssimos do Governo que trabalham em um armazém misteriosíssimo cheio de coisas... misteriosíssimas. O motivo pra tanto mistério é que a intenção dos agentes do Armazém 13 é recolher do mundo certos artefatos poderosos que estão sendo utilizados como armas ou de maneira que cause estragos ou infelicidade. Tais artefatos são objetos ordinários, mas que pertenceram a alguém que fez a diferença na História e, por isso, ficaram marcados com a significância dos eventos em que estiveram envolvidos (por exemplo, a cartola de Abraham Lincoln, pedras da Torre de Babel, o microfone de Hitler e um zilhão de outras coisas). O que mais gosto na série é que os importantes agentes do Governo não têm aquela pose que a gente vê nos agentes de outras séries - pelo contrário, Pete e Myka são especialmente atrapalhados, escandalosos, infantis, mas muito competentes e inteligentes; até porque eles mesmos têm certas habilidades: Myka tem memória fotográfica e Pete tem um sexto sentido imbatível. Os outros agentes também têm suas habilidades especiais, além de serem divertidos e tornar a série - toda steampunk e cheia de nerdices deliciosas - tão legal de ver.

Trailer:


- TERMINADA - 
Firefly


"Terminada" em todos os sentidos, já que ela só teve uma temporada, há muito tempo! Sempre via muita gente comentando que era "órfã" de Firefly e fui lá dar uma espiada. Como frequentemente acontece, não me arrependi e adorei! A série é ambientada em um futuro indefinido, onde o mundo estava sendo governado pela China e a humanidade já estava dividida em várias colônias espaciais. A tripulação do capitão Malcolm Reynolds está a bordo da nave Serenity trabalhando com o transporte de carga. Se a carga é legal ou ilegal não importa muito, e é essa despreocupação que os traz as maiores encrencas. Ao mesmo tempo, a nave abriga dois fugitivos procurados pela Aliança (o que governa a Terra e é a principal inimiga dos rebeldes que formam a tripulação da Serenity), um jovem médico e sua irmã especial. É uma mistura de ficção científica (sem Física ou aliens) com western, bastante diferente e bem divertida. Após o fim da breve série lançaram o filme Serenity, que deu continuidade e foi muito cheio de emoções (emoções DEMAIS, até).

Trailer:

.

E vocês, o que começaram a ver e estão curtindo?

20/12/2014

Os 7 pecados capitais da leitura

Não é lista de regras, é só um questionário.



GANÂNCIA: Qual foi o livro mais caro que você já comprou? E o mais barato?

Acho que eu gasto mais com HQs (que são bem mais caras) do que com livros. A coleção Sandman foi meu investimento mais alto, embora na promoção. Mas o livro mais caro que comprei foi Harry Potter: Das páginas para as telas (também na promoção), que é lindíssimo e valeu cada centavo! Fiz a resenha dele aqui.

O mais barato, excetuando os que ganhei de presente, foi uma edição de 1957 de Nossa Senhora de Paris (O Corcunda de Notre Dame), integral e com capítulos extras, que comprei em um sebo por R$1,00! Ele estava sem as capas, mas resolvi isso razoavelmente bem com o que tinha em casa, haha.

IRA: Com que autor você tem uma relação de amor e ódio?

É meio óbvio, mas acho que com George R.R. Martin. Não tem a ver com esse costume sádico de fazer a gente amar certos personagens só pra matá-los impiedosamente, depois, mas com certos elementos dispensáveis que ele insere nas histórias. Ler os livros dele, pra mim, é uma experiência balanceada entre admiração pela baita criatividade e fluidez da narrativa, e irritação pela quantidade excessiva de sexo e massacres animais. Reconheço que esses elementos são necessários em certos pontos das histórias, mas (especialmente na série) ambos são multiplicados para o apelo do público que gosta de violência e voyeurismo. E eu não gosto de nenhum dos dois - amo As Crônicas de Gelo e Fogo pelo universo vastíssimo que ele criou e pelas intrigas políticas e os mistérios sobrenaturais e como tudo isso se mistura criativamente. Mas os elementos se repetem em outras coisas que o autor escreveu, e entendo que isso seja a marca registrada dele, mas... Vai ver é por isso que prefiro infantojuvenis, clássicos vitorianos e ficção científica, de qualquer forma.

GULA: Que livro você devorou várias vezes sem nenhuma vergonha?

Tem coisas que releio só pra consultar alguma parte; mas, de cabo a rabo, com certeza, vários livrinhos durante a minha infância. E, além desses, li pelo menos três vezes todos os livros da série Harry Potter (e tô aqui coçando pra ler tudo de novo, mas e o tempo?). E vários outros só pude ler duas vezes, até agora, mas muitos eu gostaria de poder ler de novo.

PREGUIÇA: Que livro você sempre deixa pra depois porque está com preguiça de ler?

Ai, trilogias, trilogias... O problema das trilogias (ou quantos quer que sejam os livros da coleção) é que, assim que você as começa, tem que ler as continuações em seguida pra não perder o fio da meada. E aí você acaba deixando de ler outros livros bacanas nesse meio tempo, mas não quer interromper a trilogia porque ela é tão complexa... Enfim, é um dilema. Eu estou deixando as trilogias de lado, por enquanto - todas elas, e dando prioridade aos livros de um volume só (que são tão raros, hoje em dia). Aí deixo os volumes das coleções se acumularem e deixo pra ler tudo de uma vez, depois. Como exemplo, tô protelando A Torre Negra há muito tempo...

ORGULHO: Sobre quais livros você mais gosta de falar para parecer um leitor bastante intelectual?

Vish, eu sou péssima nisso! Eu faço propaganda de tudo o que li regularmente aqui no blog, e, até mesmo quando me pedem indicações de leitura, direciono as pessoas a ler minhas resenhas e escolher algo que as agrade, já que tem de tudo um pouquinho. Eu nem ao menos li todos ou os maiores clássicos dos meus gêneros ou autores favoritos (não consegui nem passar da introdução de A Origem das Espécies, e eu sou bióloga!!). Só posso me achar "intelectual" por ter lido uma penca de livros sobre os Beatles (inclusive a biografia oficial e gigantesca de Bob Spitz), então podem me considerar especialista no assunto. Haha.

LUXÚRIA: Que atributos você acha mais atraente em personagens masculinos ou femininos?

Atributos físicos? Nah. Meus personagens favoritos têm seu comportamento em comum. Me apego a gente ruim que descobriu o quão boa pode ser, e eventualmente é. Me apego a gente injustiçada que samba na cara da sociedade, seja com coragem ou com simples gentileza. E gosto sempre das pessoas justas e que usam de sua inteligência em prol de alguém, não de alguma coisa.


INVEJA: Que livros você mais gostaria de ganhar como presente?

Eu tenho wishlists em várias lojas e no Skoob, mas, quando vou comprar, quase nunca escolho o que está lá, haha. É difícil eu ganhar livro (sem ser da minha mãe, mas é porque ela já sabe exatamente os que eu já tenho e os que ainda não), mas é sempre válido ganhar um cartão-presente, assim posso escolher o que quiser e ser eternamente grata! :D

17/12/2014

Um garoto chamado Sue


Meu pai foi embora quando eu tinha três anos
E não deixou muito pra mamãe e pra mim
Só esse velho violão e uma garrafa vazia de cerveja.
Agora, eu não o culpo por ter fugido e se escondido
Mas a coisa mais cruel que ele fez na vida
Foi, antes de ir embora, me dar o nome "Sue".

Bem, ele deve ter achado uma baita piada
E fez muita gente rir bastante
Parece que eu passei a vida toda brigando.
As garotas davam risadinhas e eu ficava vermelho
Os caras gargalhavam e eu lhes dava uma pancada na cabeça
Vou te contar, a vida não é fácil pra um garoto chamado "Sue".

Eu cresci rápido e fiquei malvado
Meu punho endurecia e eu ficava mais esperto
Eu ia de cidade em cidade pra esconder minha vergonha.
Mas fiz uma promessa à lua e às estrelas
Que eu procuraria nos bares e botecos
E mataria o homem que me deu esse nome horrível.

Foi em Gatlinburg, em meados de julho
Eu tinha acabado de chegar na cidade e minha garganta estava seca
Pensei em dar uma parada pra tomar um trago.
Num saloon antigo numa rua de terra
Lá numa mesa, apostando botões
Sentava o cão sujo e sarnento que me chamou de "Sue".

Eu sabia que aquela cobra era o meu querido papai
Por causa de uma velha foto que a minha mãe tinha
E eu conhecia aquela cicatriz na bochecha e o olhar cruel.
Ele era grande e curvado e grisalho e velho
Olhei pra ele e meu sangue gelou
E eu disse: "Meu nome é Sue! Como vai?
Agora você vai morrer!"

Bati nele com força bem entre os olhos
E ele caiu mas, pra minha surpresa,
Levantou com uma faca e cortou um pedaço da minha orelha.
Mas eu quebrei uma cadeira bem nos seus dentes
E nós atravessamos a parede e caímos na rua
Chutando e apertando os olhos do outro em meio à lama, sangue e cerveja.

Vou te contar, já lutei com homens mais durões
Só não me lembro quando
Ele chutava como uma mula e mordia como um crocodilo.
Ouvi ele rir e xingar
Ele sacou a arma e eu saquei a minha antes
E ele ficou lá parado olhando pra mim e eu vi ele sorrir.

Ele disse: "Filho, esse mundo é difícil
E se um homem quer sobreviver, ele tem que ser durão
E eu sabia que eu não estaria por perto pra te ajudar com isso.
Então eu te dei esse nome e fui embora
Eu sabia que você tinha que ficar durão ou morrer
E foi o nome que te ajudou a ficar forte".

Ele disse: "Você acabou de lutar pra diabo
E eu sei que você me odeia e tem todo o direito de me matar agora
E eu não te culpo se você me matar, mesmo.
Mas você tem que me agradecer, antes de eu morrer
Pela raiva nas entranhas e o desprezo nos olhos
Porque eu sou o filho-da-mãe que te chamou de 'Sue'."

Fiquei todo engasgado e joguei fora a minha arma
E chamei ele de papai e ele me chamou de filho
E eu fui embora com outro ponto de vista.
Fico pensando nele, de vez em quando
Sempre que tento e sempre que venço
E se um dia eu tiver um filho, acho que vou chamá-lo de...
... Bill ou George, qualquer coisa menos Sue! Ainda odeio esse nome!


A Boy Named Sue
Johnny Cash
At San Quentin (1969)




Essa hilária composição é de Shel Silverstein e ganhou sucesso na gravação ao vivo de Johnny Cash em sua famosa apresentação no presídio San Quentin, na Califórnia, em 1969.  É ainda considerado o maior sucesso do cantor, pois foi sua única canção a alcançar o top 10 das paradas da Billboard. Acredita-se que Shel tirou a inspiração para a letra de um amigo seu que era constantemente ridicularizado por seu nome um tanto feminino (Jean, no caso), mas não se sabe se a história é realmente essa.

13/12/2014

Questionário sobre música (fazia tempo!)

Ah, Música, aquela que está lá por você quando ninguém mais está... 

(especialmente aquela que fica grudada no seu cérebro por uma semana)



Peguei este questionário de um blog qualquer abandonado há muito. Achei as perguntas interessantes e fiquei com saudade de refletir a respeito da importância da música nessa vidinha sem sal. Vamos lá, sigam-me os com tempo sobrando:


1) Que tipo de música você se pega sempre ouvindo? Que seja algo que ainda faça sentido na sua vida, e pareça que tem ainda mais impacto conforme você vai amadurecendo? Com que frequência você se vê procurando por isso?

Oh, uau, profundo. Os gêneros foram mudando (e voltando!) conforme os anos foram passando, mas acredito que eu sempre procure as músicas que "conversem" comigo - por isso tendo a gostar mais das letras do que dos ritmos, até. Dito isso, os gêneros variam, e eu procuro o que se aplica ao meu estado de espírito no momento. Por exemplo: quando estou melancólica (o que é mais frequente), gosto de ouvir músicas tristes ou igualmente melancólicas - nada de alegria nessa hora porque me irrita, haha. Se estou leve e despreocupada, procuro ouvir músicas bobinhas ou cômicas. Enfim, em qualquer caso, coisas que eu possa me colocar no lugar da pessoa que está cantando e realmente viver a letra.

2) Há algum tipo de música, mesmo que você tenha enjoado dele agora, que em alguma ocasião mudou a sua vida? E que tal um tipo de música que você acha que nunca vai enjoar? 

Bom, não digo mudar a minha vida, mas o que me ajudou bastante em uma época específica foi o infame "rock pesado". Eu estava saindo de uma época "pop" que me servia muito bem quando era adolescente apaixonadinha por membros de boy bands, mas aí enfrentei uma mudança difícil e nada mais daquilo fazia sentido na minha cabeça. Então descobri as músicas que falam de coisas diferentes - justamente sobre dificuldades de adaptação e tudo o mais - e me prendi àquilo. O Linkin Park (e, consequentemente, outras bandas do gênero) foi o que me acompanhou naquela época, e também me trouxe novos amigos. Hoje, raramente ouço a banda (nada do que eles lançaram nos últimos anos "conversou" comigo como costumava) ou o estilo, embora às vezes me dê saudade e eu escute as coisas da época e me lembre da importância com carinho. 

Quanto a nunca enjoar, acho que não tenho como saber, haha. Minhas preferências são flutuantes, como eu disse, então...

3) É possível que um tipo de música que você compartilhe com um estranho os conecte pelo resto da vida? Há uma história por trás disso?

Acredito que sim! Como eu disse, fiz amizades que têm durado até hoje e que começaram somente pelo gosto musical compartilhado. Com o tempo, descobrimos que compartilhamos mais do que apenas os mesmos artistas prediletos, então, mesmo que já não ouçamos mais as mesmas coisas, continuamos conectados por tantas outras coisas.

4) Há algum artista que você tinha desistido de ouvir mas acabou voltando a gostar?

Tudo o que voltei a ouvir foi por ter ficado com saudade do material antigo, não por ter dado uma chance a algum material novo. Então, acho que não.

5) Alguma música já te ajudou a passar por um momento difícil? Como?

Sempre, né? Mencionei um caso mais acima, mas houve vários outros. Música distrai a gente dos problemas; esvazia um espaço com preocupações irritantes e o preenche com um ritmo legal e, com sorte, uma mensagem melhor. E é muito importante não deixar a cabeça sozinha, nessas horas...

6) Você acha que a Música pode mudar o mundo ou isso é utopia ingênua?

Depende da forma de mudança que estamos discutindo. Tipo acabar com as guerras e preconceitos e trazer a paz e o entendimento mundial? Não. Até porque existe gente no mundo que nem gosta de música, então o que se pode fazer? O que ela pode fazer é unir pessoas que pensam igualmente e elas juntas, talvez, possam fazer algo de bom por outras pessoas (dependendo do que ouvem, né!). Mas, vai ver, essa é toda a mudança que o mundo precisa...

7) Que música você gostaria que tocasse em seu casamento? E em seu funeral?

O casamento não vai acontecer mas, se acontecesse, poderia ser qualquer uma do Westlife, haha (acho que mencionei Lighthouse em uma postagem anterior. Eles têm muitas músicas voltadas especialmente para casamentos :P). Outra escolha fofa seria If Not For You (tanto faz se na versão de George Harrison ou de Bob Dylan).

Para o funeral, sinceramente, não faço ideia (e esse, sim, vai acontecer). Queria que fosse algo engraçadão ou irônico e que arrancasse risadinhas das pessoas. Algo que fizesse minha irmã rolar os olhos e dizer mais uma vez: "nossa, Manu, você é doente". Tipo, Stayin' Alive, dos Bee Gees!

Life goin' nowhere, somebody help me! I'M STAYIN' ALIVE!

 mas o vídeo PRECISA passar, por favor, providenciem! 

8) Qual foi o melhor show a que você já foi? Em que ano? Por quê? Você foi com amigos? Quantos anos você tinha? Você estava cético a respeito dele ou já era fã?

Já falei sobre os shows mais memoráveis em detalhes por aqui (Paul McCartney e Oasis), e comentei sobre tantos outros, mas nunca tive a oportunidade de falar sobre o primeiro grande show a que fui: Scorpions em Goiânia, em 2008!

Eu tinha 21 e estava no último ano da faculdade. Na época eu ainda ouvia muito hard rock e heavy metal, e minha chefe também era muito fã de Scorpions, então quando soubemos que eles iriam pra Goiânia (imagine, fato inédito para a época!) nos empolgamos demais. Ela acabou não podendo ir, mas eu fui com a minha irmã (meus pais nos levaram até lá e, embora não tenham ido ao show, ficaram do lado de fora esperando até acabar. É amor demais!). Foi tudo novidade pra gente: viajar pra show, banda internacional ao vivo, então lembro de tudo com muito carinho e aquela sensação gostosa de evento importante e feliz. Lembro que atrasou bastante e ficamos horas na fila. Alguém tinha colocado o álbum acústico da banda pra tocar lá fora e deu tempo do troço tocar 3 vezes completas! Lembro que era aniversário do guitarrista e todos cantamos parabéns pra ele, no meio do show. Lembro que pela primeira vez na História o Klaus não errou a letra de Still Loving You e a bateria da nossa câmera já tinha acabado e não pudemos registrar! E me lembro de que tudo foi perfeito além de explicação e voltamos pra casa felicíssimas.

e todo mundo invejou minha bandana ;*
 

9) Sua opinião sobre gravações ao vivo mudou com os anos? 

Completamente! Eu detestava ouvir gravações ao vivo porque achava inútil ouvir o povo cantando o que eu queria ouvir o artista cantar, detestava alterações nas letras e improvisos dispensáveis. Mas pode ser que tenha a ver com o que eu ouvia, na época. Porém, desde não muito tempo atrás, comecei a gostar de ouvir o coro de fãs, as inserções de improvisos instrumentais, os mash-ups, e até a me divertir com os erros e escorregadas. Percebi que alguns artistas, inclusive, soam ainda melhores ao vivo (e outros, infelizmente, não mesmo!).

10) Você ouve rádio? Como você prefere ouvir música?

Eu ouvia muito rádio quando era criança e adolescente, depois me mudei pro interior e perdi completamente o gosto :P. Não tivemos CD player em casa até que eu já fosse adolescente mas, depois disso, passei a ouvir mais CDs e fitas K7 do que o rádio, mesmo. E aí, quando me mudei da capital, passei a ouvir só isso. De uns anos pra cá comecei a usar serviços de streaming, que funcionam como uma rádio onde posso escolher o que tocar, o que é bem prático; mas ainda ouço bastante os meus CDs.

11) A quantidade de música que você ouve hoje em dia mudou muito comparado a antigamente?

Talvez tenha aumentado um pouco, mas eu sempre ouvi muita música, então acho que não mudou drasticamente. Hoje é mais prático, dá pra ouvir na rua e tudo o mais, mas não costumo ouvir fora de casa desde que meu iPod morreu (e haja bateria de celular, né). Minha casa sempre teve música tocando e, mesmo que hoje não tenhamos mais esse costume, eu ainda ouço bastante aqui no meu quarto.

12) Você está preso em uma ilha deserta com uma playlist de apenas 10 músicas que você tem que ouvir até alguém te resgatar. Quais são as 10 músicas e por quê?

Ê, pergunta difícil! Mas só vai ter música animada, pra eu não cair em depressão. Vamos lá:


  1. Tragedy, Bee Gees. Não é pela ironia da tragédia, mas é que, sozinha em uma ilha, eu finalmente poderia cantar essa música nos agudos certos e até dançar!
  2. I'm Gonna Be (500 Miles), The Proclaimers. Porque é a típica música irritante que fica na cabeça por meses mas a gente ama mesmo assim.
  3. Curse Me Good, The Heavy. Não sei por que, só acho ela legalzona. Boa de cantar em voz alta.
  4. Forever Man, Eric Clapton. Quem sabe o tempo na ilha me fará entender o motivo da mulher TER que ser a "forever woman" dele, enquanto ele vai TENTAR ser o "forever man" dela.
  5. It's Gonna Be Me, 'N Sync. Ainda lembro a coreografia, então seria um bom exercício físico (aham).
  6. Do the Dog, The Specials. Tem tanto ska pra escolher, mas esse aí é dos mais legais.
  7. Hey Homies!, The Aquabats. A essas alturas eu já estaria louca, então cantaria essa música com e para todos os bichinhos da ilha.
  8. Try It Again, The Hives. Preciso terminar de inventar a coreografia pra ela; na ilha eu teria tempo e oportunidade.
  9. La-Bibbida-Bibba-Dum (On Broadway), Bad Lip Reading. Até me vejo piradinha lá na ilha segurando uma pedra e cantando "This is a violet", o Rick imaginário respondendo "Not, it isn't" e eu "Yeah, but it could be a flower".
  10. Survivor, na versão do Zebrahead. Mas essa eu vou deixar pra tocar quando me resgatarem, porque a ocasião exige trilha sonora!
Aqui está a playlist, se alguém quiser ir à ilha com ela já prontinha:




Ok! Sua vez!

09/12/2014

Desafio dos 100 filmes

(Peguei emprestado lá do blog da Tha'li)

Não me considero cinéfila, apesar de amar ir ao cinema e assistir filmes sempre que dá e comprar os DVDs dos meus favoritos - mas não ENTENDO de cinema e nem finjo entender, pra não passar vergonha. Só assisto e curto. Então essa lista vai ficar estranha pros cinéfilos de verdade, mas paciência...

(Era pra fazer em 100 postagens separadas, mas haja saco, hein?)



01. Um filme que lembre a sua infância ► Entre tantos outros, Willow - Na Terra da Magia. Minha irmã até hoje faz uma personificação muito boa da cabra chamando "Wi-i-i-i-llo-o-o-ow!".


lembram quando o Val Kilmer era bonitão?


02. Um filme que marcou a sua adolescênciaHarry Potter e a Pedra Filosofal. Minha mãe sequestrou a gente da escola pra ir ao cinema, quando lançou. E minhas amigas da escola e eu chegamos a decorar as falas, éramos os 4 marotos (eu era o Almofadinhas, aliás) e tudo o mais.

03. Um filme que passe na Sessão da Tarde e que você adora ► ainda passa A Família Addams na Sessão da Tarde? Eu nunca perdia, quando passava, haha.

04. Um filme que você considera um clássicoMonty Python em Busca do Cálice Sagrado.

"Help! Help! I'm being repressed!"


05. O melhor filme de seu diretor favorito ► não sei se tenho um diretor favorito, mas gosto muito do Guillermo del Toro, então, O Labirinto do Fauno.

06. Um filme de vampiro ► ok, Blade, O Caçador de Vampiros :D

07. Um filme que você gostaria de ter assistido no cinema e não viuHarry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, o único que não pude ir ver porque foi bem na época da mudança pra cá :(

08. Um filme ruim de um diretor bom ► Não soube responder essa, então pesquisei pra saber o que os entendidos dizem. Embora discorde de alguns, vi que falam sobre o Hulk de Ang Lee - que é tosco, mesmo.

09. Um filme de baixo orçamento que você tenha gostadoUHF, com o "Weird Al" Yankovic, hahahaha

10. Um filme com uma ótima música-temaIndiana Jones! (panpararaaan panpanpannn, panpararaaaan pararanpanpan ♪)



11. Algum filme que te traga boas lembrançasOs Espíritos (The Frighteners), com Michael J. Fox. Cresci assistindo isso com a minha irmã e é sempre hilário lembrar dela pequenininha levantando a blusa e gritando pela casa: "Meu corpo é um mapa rodoviário de dor!" (era saudável, juro!).

12. Um filme que você dormiu antes de terminar ► Não é comum, mas lembro de ter dormido no meio de Matrix Reloaded, quando o assisti pela primeira vez.

13. Algum filme que você nunca conseguiu assistir inteiro O Espião Que Sabia Demais, apesar do elenco excelente. Assisti metade empurrando com a barriga, mas sem chance de eu conseguir entender a história :(

14. Um filme que tenha sido baseado em um livro ► Só basicamente todos? Ok... A Menina que Roubava Livros.

15. Um filme que tenha participação de algum famoso que não seja atorÉ o Fim, com a participação brilhante dos Backstreet Boys no final, hahahaha

16. Um filme que utilizou de cenas reais ► Não o assisti, mas conheço a fama de Holocausto Canibal, que utilizou cenas reais de morte ou tortura de humanos e animais (dizem que não foram feitas para o filme, mas retiradas de um documentário). AFE.

17. Um que ganhou o Oscar merecidamenteO Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei. Mereceu todos os prêmios, todinhos

18. Um filme que você nunca assistiria de novo Atividade Paranormal 5. E mais nenhum deles que lançarem, nunca mais gasto meu dinheiro com isso!

19. O melhor documentário ► Amo A Marcha dos Pinguins.

20. Um filme que possui uma excelente trilha sonoraGuardiões da Galáxia, haha

21. Algum filme que te faça rirAsterix e Obelix: Missão Cleópatra nunca perde a graça pra mim.

22. Um filme bom com um final péssimo ► O último Godzilla. Não fiquei revoltada com o Godzilla bonzinho e toda a preocupação ambiental, que foi a bronca dos haters, mas é que o final realmente não fez muito sentido.

23. Um filme que você gostou mas tem vergonha de falar ► Eu não tenho muita vergonha de dizer que gostei dos filmes que todo mundo achou ruim. Mas vou colocar X-Men: O Confronto Final aqui, só pra provocar os outros fãs de X-Men :D

24. Um filme que te dá medo. ► Contatos de 4º Grau (aquele com a Milla Jovovich dizendo que é baseado em fatos reais. Mesmo sabendo que não é... :( )

25. Um curta-metragemIlha das Flores foi a resposta da Tha'li e eu concordo com ela. Aquele troço me faz chorar.

26. Um filme que lembra a sua família ► Acho que O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel, porque o assisti pela primeira vez na casa dos meus tios, depois de passarmos o dia todo ajudando com a mudança deles.

27. Um péssimo filme ► Péssimo mesmo é um chamado Anúbis que pegamos na locadora há alguns anos. O troço é tão ruim que nem a pessoa que fez a sinopse quis assistir (a sinopse não tinha nada a ver com o filme, hahahahaha). Não faço ideia de qual seja o nome original dele, não consigo encontrá-lo no Google.

28. Um excelente musicalOs Miseráveis, e haters que hateiem à vontade

29. Filme baseado em um jogoOs 7 Suspeitos, baseado no jogo Detetive. Hilário, assistam quando tiverem oportunidade!



30. Um filme que você não entendeu ou teve dificuldade de entender ► Fora o que mencionei mais acima, S. Darko - Um conto de Donnie Darko. É continuação de Donnie Darko, e talvez seja por não ter assistido ao primeiro antes que eu não o tenha entendido. Ou o troço é sem pé nem cabeça, mesmo, nem tentei assistir de novo.

31. Um bom filme infantil  ► As Crônicas de Nárnia: O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa, porque tem todos os bons exemplos

32. Algum filme de época 10.000 a.C. HAHAHAHAH

33. Um filme que você não indicaria ► Além do último Atividade Paranormal, que já mencionei, O Garoto de Liverpool, sobre o qual até já postei.

34. Um filme de epidemiaQuarentena que, apesar de ser com as odiosas câmeras manuais, tem um desenrolar bem legal (se não me engano, é o remake americano de [REC]).

35. Um filme que fica na cabeça ► Qualquer um dos Premonição. Eu, ao menos, fico superparanoica depois de assistir a qualquer um deles.

36. Um filme de humor negro ► Poxa, já mencionei A Família Addams... Então, Todo Mundo em Pânico 3 (que é o único deles que eu curto :P).

37. Um filme de atores desconhecidosPresos no Gelo (Cold Prey) é um filme norueguês, então é bem capaz que o elenco seja conhecido por lá, mas não é pra nós. E é ótimo!

38. Um bom filme de máfia ► Não é o tipo de filme que eu costumo ver, então vou ter que ser óbvia e dizer O Poderoso Chefão...

39. Um filme que possui uma frase de efeito (cite a frase) ► Vou zoar porque tô sempre com isso na cabeça: Natal Sangrento 2 - Retorno Macabro (Silent Night, Deadly Night Part 2) (na real eu nunca vi esse filme, mas vi esse clipe uma vez e nunca mais saiu da minha cabeça, especialmente quando ouço o caminhão do lixo passando, hahahaha)

"Garbage day!"

40. Um filme que lançou algum ator famoso ► Ahn, Edward Mãos de Tesoura, que lançou Johnny Depp.

41. Um faroeste ► Outro gênero que não costumo assistir, embora conheça um monte dos atores famosos por ele. Então vou colocar Cowboys & Aliens, só pra brincar :D

42. Algum filme que te fez chorar ► Sacanagem, vários. Acho que À Procura da Felicidade (quem nunca).

43. Um ótimo filme de guerra ► Bom, eu gosto muito de O Pianista.

44. Um filme de um diretor não muito conhecido ► Um dos filmes que mais abomino nessa vida, A Bruxa de Blair, de Daniel Myrick e Eduardo Sanchez, que talvez até sejam mais famosos hoje.

45. Um filme que te deprima7 Vidas, com Will Smith. Vi uma vez e não tive coragem de ver de novo.

46. Um filme em que você gostaria de atuar ► Não que eu tenha talento pra isso, né. Talvez em Star Trek, porque aí eu ficaria nerdeando no estúdio e stalkeando o Chris Pine :P

47. Um filme ridículoCara, Cadê o Meu Carro? Assisti a essa porcaria tantas vezes, haha

48. Algum filme que tenham te contado o final antes de você assistirOs Outros. Mas curti mesmo assim.

49. Um filme que seja biográfico127 Horas, tenso e inspirador.

50. Um filme paródia ► Já mencionei Todo Mundo em Pânico, vejamos outro... Johnny English?

51. Um filme para assistir a dois ► Prefiro assistir a qualquer filme com companhia, normalmente não tenho paciência pra assistir sozinha (mas eu entendi a pergunta; o último filme que assisti "a dois" foi O Exterminador do Futuro 4, e a gente ficou conversando sobre o filme a sessão inteira, hahaha)

52. Um filme cultBlade Runner é considerado cult.

53. Algum filme com mérito pouco reconhecidoPrometheus. Eu realmente acho que as críticas vêm de quem nunca assistiu Alien e/ou achou bacana dizer exatamente o que os outros disseram a respeito de "não ter enredo" e etc.

54. Um filme cujo personagem principal é um animalKing Kong :P

55. Um filme de enredo simples ► Hm... O Diabo Veste Prada, acho.

56. Um filme com muito sangueJogos Mortais, todos.

57. Um filme preto e brancoPsicose, esse lindo.

58. O último filme que você assistiu ► No cinema, Interestelar. Em casa, Tales of Terror, com Vincent Price (Vincent Price no filme, não em casa comigo!)

59. Uma comédia sem graça ► Também não costumo procurar comédias pra assistir porque normalmente acho tosco, mas me lembro de O Filho do Máscara.

60. Um filme complexoA Origem (Inception), que amo!

61. Um filme que não faça sentidoO Guia do Mochileiro das Galáxias. Os livros já não fazem sentido, o filme conseguiu fazer um pouco menos, hahah

62. Um filme de zumbiGuerra Mundial Z, que gostei muito.

63. Um filme mudoViagem à Lua (viagem no tempo com essa escolha)



64. Um filme muito meloso ► Outro tipo de filme que não costumo ver e não sei bem o que responder... Vou arriscar ser odiada pelas minhas amigas e minha prima e dizer Ritmo Quente (Dirty Dancing), mas só porque não tenho saco pra história de amor que dá certo :P haha

65. O próximo filme que você quer assistirO Hobbit: A Batalha dos 5 Exércitos!!! (contando os dias desde o ano passado!)

66. Um filme com seu ator favorito ► Não tenho um ator favorito absoluto, gosto muito de tantos... Mas vou colocar Macbeth (de 2010) com Patrick Stewart, porque essa versão ambientada na Segunda Guerra mas com as falas originais é sensacional!

67. Um filme em que o trailer tenha sido melhor que o filme ► Argh, detesto esse tipo de pergunta que faz as pessoas odiarem o filme antes de assisti-lo. Se for pra considerar que EU tenha ficado desapontada com um filme após ver o trailer dele... acho que Lanterna Verde. Talvez porque eu também nem conhecesse direito o personagem quando vi o filme, de qualquer forma.

68. Um filme nacionalOlga. Não costumo assistir nacionais (vergonha, eu sei), mas gostei muito desse.

69. Um filme gravado em um lugar exótico ► Ahn, A Lagoa Azul?

70. Um filme em que o título seja um nome próprio... Thor

71. Algum filme que você considere pesadoBastardos Inglórios!

72. Um filme que tenha um personagem que lembre alguém de sua família ou algum conhecidoJohn Carter. O Woola me lembra muitíssimo a Akira, haha



73. Um filme que o protagonista seja uma criançaA Invenção de Hugo Cabret (aquele guri foi o Mordred em Merlin, não confiem nele).

74. Um filme com grande bilheteria  ► Os Vingadores (foi DIFÍCIL conseguir ingresso pra esse).

75. Um filme de catástrofe2012

76. Um filme "trash" ► Vish, tantos... Esses dias assisti A Górgona, com Peter Cushing e Christopher Lee. Mas todos os filmes da Hammer eram trash, haha.

77. A melhor saga de filmesHarry Potter, claro (CLARO)

78. Um filme com numeral no título2001: Uma Odisseia no Espaço

79. Um filme para reflexãoEspelhos do Medo (Mirrors) (HAHAHAHA dsclp)

80. Um filme com mensagem subliminar ► Eu tinha ouvido falar e faz sentido que o fato de tudo ir eventualmente parar na boca na protagonista de Arraste-me Para o Inferno tenha a ver com o distúrbio alimentar que ela provavelmente tinha...

81. Um filme que o segundo tenha sido melhor que o primeiro ► Acho que Além da Escuridão - Star Trek. Não sou muito fã do remake por algumas liberdades que tomaram, mas o segundo filme foi muito legal!

82. Um filme que não obedece uma ordem cronológicaA Viagem (Cloud Atlas), que é complicado de acompanhar, mas que gosto muito.

83. Um filme com cena de sexo explícitoNinfomaníaca, embora não o tenha assistido :P

84. Um filme de animaçãoMadagascar é o meu favorito, qualquer um deles.

85. Algum filme cujo final é surpreendenteA Ilha do Medo (Shutter Island), que continua sendo legal mesmo depois de saber o fim.

86. Um filme que não deveria ter tido continuação ► Tem tantas sequências desnecessárias (inclusive de alguns que já citei), mas... Acho que o mais desapontador pra mim foi O Grito 3.

87. Um bom filme de comédiaA Vida de Brian

"He has a wife, you know. You know what she's called? She's called... 'Incontinentia'... Incontinentia Buttocks"


88. Um filme em que o diretor também atue ► Que eu me lembre assim de imediato e sem ser em aparições rápidas, o Frankenstein de Mary Shelley, em que Kenneth Branagh foi o próprio Doutor Frankenstein (talvez o único filme que mostre realmente a tristeza de Frankenstein).

89. Um filme com um vilão inesquecível ► saga Star Wars, porque até quem nunca viu sabe quem é Darth Vader (pai do Luke :D).

90. Um bom filme de ficção científica ► pra ser mais recente, Interestelar. Levou a sério a carga científica do gênero.

91. Um filme que você já assistiu várias vezesTommy. Ainda tô tentando entender a cena da Sally Simpson.

quer dizer, tava entendendo bem, até ela se casar com o monstro de Frankenstein...

92. Um filme que o protagonista morre ► Sem correr o risco de dar spoilers, vou de A Paixão de Cristo :P

93. Algum filme da década de 80De Volta Para o Futuro (um filme de várias décadas... *ba dum tss*)

94. Um filme muito longoBen-Hur

95. Um lançamentoJogos Vorazes: A Esperança - Parte 1, que não assisti e não vou assistir tão cedo, já que ainda não vi nenhum dos outros anteriores...

96. Um filme que foi fracasso de bilheteria47 Ronins, o que foi uma pena :(

97. Um filme com título esquisitoEu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado (e todas as continuações) sempre vai ser ridículo, hahah

98. O primeiro filme que vier na sua cabeça ► Agora eu tô com um monte de filmes na cabeça, haha! Vou colocar Círculo de Fogo (Pacific Rim), porque tava esperando colocá-lo em algum item e não deu, até agora. É um dos meus favoritos e não me canso nunca de assisti-lo!



99. Um filme de serial killer ► o genial O Silêncio dos Inocentes.

100. Um filme que você queira recomendar ► recomendei alguns no decorrer do desafio, mas vou fechar com Psicose 2. Muita gente condena a continuação porque "não se mexe com clássicos", mas o segundo filme é muito interessante por mostrar Norman Bates (aquele fofo querido) (eu não tenho problema) depois de vários anos, "recuperado" e tentando se reintegrar, e como tudo o que há de errado com ele é culpa das outras pessoas. De morrer de pena.

▼▼▼▼▼

Seria tão legal se vocês fizessem, também! Quem não tem blog pode postar no Facebook, que tal? :D

05/12/2014

3 bandas que me fazem rir (e que, talvez, te façam rir também)

O mundo tá cheio de bandas engraçadinhas. Às vezes, até artistas sérios soltam músicas engraçadinhas. E não tem nada de errado nisso - afinal, rir é bom demais, e rir ouvindo música é melhor ainda.

Aqui, quero mostrar minhas três principais escolhas musicais pra quando não quero chorar ouvindo música de tia encalhada. Acredito que todas já sejam conhecidas de vocês mas, se não forem, considerem dar uma ouvida.




Vou começar pelo mais conhecido, que é 


"Weird Al" Yankovic



Já falei sobre o "Weird Al" anteriormente, no post sobre palíndromos. Ele já está nos fazendo rir há muitas décadas, mas voltou com tudo esse ano, ao lançar o Mandatory Fun e ficar no topo das paradas. Yankovic fez fama parodiando os hits do momento - se não as músicas, os vídeos -, fazendo pot-pourris em ritmo de polca, ou criando histórias tão loucas que chegam a ter 10 minutos de duração. Em 1989, ele lançou e estrelou um filme chamado UHF (TV Pirada, aqui no Brasil), que é muito engraçado e completamente sem noção.

É difícil escolher qual música dele me diverte mais, então vou colocar algumas favoritas:

Your Horoscope For Today
(paródia ao estilo da terceira onda do Ska - inclusive com participação do trombonista do Reel Big Fish, Dan Regan!)

"As estrelas preveem que amanhã você vai acordar, fazer um monte de coisas, e depois voltar a dormir"

I'll Sue Ya
(paródia ao estilo do Rage Against The Machine)

"Eu processei o Colorado, sabe, porque eu acho que ele se parece demais com o Wyoming!"

You Don't Love Me Anymore
(paródia do vídeo de More Than Words, do Extreme)

"Se você não se importa que eu pergunte, o que essa cobra venenosa está fazendo na minha gaveta de cuecas? Às vezes eu acho que você não me ama mais..."

E, a favorita de todas:

Trapped In The Drive-Thru
(paródia de Trapped In The Closet, the R. Kelly - três vezes, num total de 11 longos minutos descrevendo passo a passo a viagem até o drive-thru...)

"E então eu tive uma ideia. Eu disse: 'Já sei o que vamos fazer!'. Ela disse: 'O quê?'. Eu disse: 'Adivinhe!'. Ela disse: 'O QUÊ?!'. Eu disse: 'Vamos para o drive-thru!'"



Toy Dolls


Essa banda, na verdade, sempre foi só o vocalista e guitarrista, Olga, e uma infinidade de baixistas e bateristas que vieram e foram desde 1979 até hoje. É uma banda de punk rock, mas o compromisso deles sempre foi lançar músicas engraçadas, contando a história de alguém numa situação bizarra. Eles também fazem alguns covers (tipo Livin' La Vida Loca e The Final Countdown), e até são mais conhecidos pela versão da música infantil Nellie The Elephant.

A temática deles é realmente variada - vai de crises de asma a bebês de proveta, hérnia e aulas de direção. Seguem as que grudam mais na cabeça:

The Death of Barry The Roofer With Vertigo


(a história do pobre Barry, que consertava telhados, e morreu em serviço ;~)

She Goes to Finos


(sobre a namorada que vai ao restaurante chique com o "outro")

E a favorita, e até hoje não sei porque rio tanto dela:

Florence is Deaf (But There's No Need to Shout)


(instrumental, onde só ouvimos os toques da campainha, batidas na porta, e o coitado chamando pela Florence até perder a paciência :P)
(juro que, toda vez que escuto uma campainha tocar, chamo "FLOREEEEEENCE" em seguida)



Reel Big Fish



ÓBVIO :D
Venho falando do RBF desde os primórdios desse blog, e eles ainda são uma das minhas bandas favoritas, e nunca, nunca falham em me divertir. A maioria das músicas são manifestações de desprezo: por uma garota, por um rival, pela indústria da música, pelo mundo e o universo, por eles mesmos. Ao vivo, além das músicas, as próprias apresentações são divertidas. É uma alegria só.

E é muito complicado escolher favoritas do RBF, mas vou tentar:

Don't Start A Band
(sábios conselhos para não se formar uma banda, com vídeo autoexplicativo)

"Nenhuma garota vai gritar pra você, e ninguém vai cantar com você."

Everything Sucks
(falei dela em um post anterior - o vídeo é a história de como eles gastaram a grana do orçamento pra ele e aí saiu essa coisa maravilhosa)
"Eu sei, é tudo uma droga, e essa é a última vez que vocês vão me ouvir reclamar"
(não é)

She Has A Girlfriend Now
(sobre a namorada que o trocou por outrA)
"Bem, eu nunca pensei que acabaria desse jeito, só porque eu não tenho peitos."


S.R.
(a música tocada em vários estilos diferentes)
"Por favor, não se vá, Suburban Rhythm; todas as outras bandas são uma merda."





Tenho que parar de postar tanto vídeo.