09/01/2014

Agora, se queremos falar de filhos de lares desestruturados, falemos do Minotauro



Acho importante lembrar a todos que os monstros das mitologias, em sua maioria, são na verdade as grandes vítimas. Falei anteriormente sobre a Medusa, e agora venho falar sobre o Minotauro.

Pra variar, Creta não estava sob os domínios de um rei muito legal. O rei da vez era Minos, um semideus filho de Zeus e da humana Europa, que foi criado pelo rei Astério. Minos não era o herdeiro do trono, mas enganou os irmãos a fim de conseguir o que queria: dizia ele que era favorecido pelos deuses, e que tudo o que ele pedia em suas preces era concedido. 

Para provar, um dia, enquanto fazia sacrifícios a Poseidon, pediu ao deus que o enviasse um belo touro das profundezas do mar, que seria sacrificado em sua homenagem logo em seguida. E Poseidon realmente lhe deu um magnífico touro, mas Minos foi espertão e logo enviou o touro aos seus estábulos particulares, sacrificando ao deus um touro qualquer. Não sei o que tinha na cabeça desse povo achando que podia enganar os deuses assim, então obviamente Poseidon ficou bastante furioso, e jogou a melhor maldição que conseguiu pensar na hora: ele determinou que a esposa de Minos, Pasifae, se apaixonaria perdidamente pelo touro!

Ah, Pasifae queria muito fazer coisas com aquele touro, mas como poderia? Para tanto, suplicou ajuda ao arquiteto Dédalo, que esquematizou a coisa toda: construiu uma vaca de madeira e cobriu-a com pele de vaca de verdade; Pasifae entrou lá, e aí Dédalo largou o trambolhão no pasto onde o touro costumava pastar. O plano deu certo, eles... acasalaram (por favor, não tentem imaginar isso).

Algum tempo depois... Parabéns, é um menino! Ou... um touro. Ou um menino com cabeça de touro. Outros até diziam que era um touro com cabeça de menino. Enfim, vem ao mundo nosso saudável Minotauro (que foi batizado de Astério, mas acho que Minos não curtiu muito a ideia do guri bizarro ter o nome do pai adotivo dele) (aliás, ele não deve ter curtido muita coisa nessa história).

Bom, só que ninguém sabia o que fazer com ele. O Oráculo de Delfos foi consultado, e então foi determinado que a criatura deveria ser mantida para sempre dentro de um labirinto do qual ela jamais encontraria a saída. Dédalo foi novamente chamado para construir tal lugar.

Mosaico datado do século I, do período do Império Romano
O rei Minos já tinha tido outros filhos com Pasifae, antes desse... evento. O mais velho, Androgeu,  estava em Atenas participando dos jogos. Como se saiu esplendidamente bem em várias modalidades, despertou a ira de alguém e foi assassinado. Não sabendo quem era o assassino de seu filho, Minos ordenou por justiça que, todo ano (curiosidade: um ano para eles seriam sete ou nove anos nossos, dependendo da versão), sete homens e mulheres de Atenas fossem enviados ao labirinto, desarmados, para serem devorados pelo Minotauro. A escolha era por sorteio. Essas pessoas também não teriam como fugir do labirinto, uma vez lá dentro, por causa das paradas loucas que Dédalo inventou pro próprio Minotauro não sair de lá. 

Por infelicidade da criatura e felicidade geral da nação, um dos escolhidos (alguns dizem que foi voluntário) da terceira leva de sacrifícios foi o herói de Atenas, Teseu. Chegando em Creta, Teseu conheceu Ariadne, uma das (MUITAS) filhas do rei, e a moça se apaixonou por ele. Ela não queria que ele fosse devorado, então conseguiu convencer Dédalo a contar a ela qual era a saída do labirinto. Conseguindo a informação, Ariadne deu a Teseu uma linha, que ele amarrou à entrada do labirinto, e pela qual encontraria o caminho de volta, se a seguisse. Quando chegou ao centro do labirinto, Teseu encontrou o Minotauro, e o matou com suas próprias mãos (algumas versões da lenda dizem que ele levou uma espada escondida, o que acho meio difícil, mas enfim). (um minuto de silêncio pelo Minotauro)

ilustração por Marco Baldi - http://marcobaldi.blogspot.com.br/

E o que foi do rei Minos, depois desse disparate? Dizem que saiu em perseguição de Dédalo (porque o esperto fugiu depois do deslize de ter contado que o labirinto tinha uma saída) na Sicília, e lá foi morto pela filha de um rei (ela lhe jogou água fervente na cabeça enquanto ele tomava banho - ai). Ele foi enterrado em Creta, em um sarcófago, com a simples inscrição: "O túmulo de Minos, filho de Zeus".

▼▼▼▼▼

Bom, a história continua, mas é outra história. A maioria dos monstros e bestas da Mitologia Grega foram, na verdade, frutos de alguma maldição - ou contra eles mesmos, merecendo ou não; ou contra alguém que deu origem a eles, como no caso do Minotauro. Minotauro nasceu híbrido, e não pertencia a lugar nenhum. Foi punido a viver sozinho em um lugar de onde jamais poderia sair, e forçado a comer pessoas inocentes (já que ele não dispunha de mais nada), e morto em um ato de heroísmo que foi dado como a única solução para o problema.

(sempre me intrigou o fato do Minotauro comer gente, já que touros são herbívoros...)

Fonte: Theoi.com