03/01/2014

Qual era o problema dos reis da Birmânia com elefantes?


Estava eu aqui lendo "A Miscelânea Original de Schott" (um livro sobre tudo ao mesmo tempo e nada específico - tipo isso aqui), e uma das seções se chama "Mortes Curiosas de Reis da Birmânia" (a Birmânia é conhecida atualmente por Myanmar). Quase todas têm a ver com elefantes. Que diabos?

Primeiro tivemos Uzana de Bagan. Pelo que se sabe, Uzana não era muito chegado nos deveres do reino e preferia beber e caçar elefantes. Morreu em 1256, pisoteado por um (bem feito, aliás).

O próximo foi o príncipe regente Minrekyawswa. Tentei pesquisar sobre ele, mas é muito difícil encontrar informações, sem ser a de sua curiosa morte. Parece que ele estava tentando resolver uma guerra muito importante, quando morreu em 1417 esmagado pelo próprio elefante.

Depois teve Razadarit. O cara era excelente militar e deixou de legado um império que resistiu mais 118 anos depois de sua morte, mas dizem que era terrivelmente paranoico, provocando o suicídio de sua amante e condenando o próprio filho à morte (apesar disso, sua filha Shin Sawbu foi a primeira e única rainha da Birmânia, e dizem que a melhor regente da história do país). Também era chegado em caçar elefantes, e em 1423 acabou morrendo enrolado na corda que usava para laçá-los.

E aí veio Tabinshwehti. Foi um rei notável, que uniu muitos reinos e aumentou consideravelmente a fortuna do país (e é aclamado até hoje como um dos mais amados da história do país, sendo que seu espírito é um dos 37 adorados nos cultos de lá). Infelizmente, conquistou algumas inimizades, e foi enganado ao ser chamado para uma caçada a um elefante branco fora do país. Foi uma armadilha, é claro, e o rei foi decapitado por seus inimigos enquanto dormia, na manhã do seu aniversário de 34 anos, em 1550.


... karma?