20/06/2014

Questionário sobre livros

O tipo de postagem popular há uns 5 anos...



1. Livro favorito da sua infância.

Tive alguns. Tenho impressão de que o meu favorito era um de contos-de-fadas que meu pai achou na rua e levou pra casa. Ainda tenho ele em algum lugar; se o encontrar, farei um post em homenagem.

2. O último livro que você leu.

Depois de uma procrastinação histórica, O Mundo de Sofia. Falarei sobre ele no relatório que vai sair dia 1º, não percam!

3. Livros na sua lista de espera.

O Skoob contou 68 livros na minha lista de espera, mas todos sabemos que são bem mais. Os mais urgentes são os que estão aqui na minha estante, mas tô sempre furando a fila com os livros da sala... *suspiro*

4. Top 5 autores.

Sem ordem.

1. Neil Gaiman está roubando lugares nessa lista, ultimamente, então ele;
2. Julio Verne;
3. Agatha Christie;
4. Rick Riordan;
5. Charles Dickens.

Fernando Pessoa, Stephen King, Lemony Snicket, Victor Hugo... Droga, odeio listar pessoas.

5. Gêneros favoritos.

Fantasia/aventura, ficção-científica, suspense/mistério, terror.

6. Um livro que te deixou extremamente zangado.

Assassin's Creed. Contei por que no relatório do ano passado. Não falem sobre esses livros comigo.

7. Um livro que te fez chorar.

Alguns. Mas o primeiro foi Os Miseráveis, e eu nunca vou me esquecer disso.
8. Um livro que te fez rir alto.

Vários, também, mas vou considerar todo o Guia do Mochileiro das Galáxias, às custas de Arthur Dent.

9. Ficção ou não-ficção?

Normalmente leio ficção, mas também leio muito sobre História, curiosidades, documentários e biografias.

10. Primeiro livro que você leu do seu autor favorito.

Segundo a lista ali dos Top 5:

1. Os Filhos de Anansi (que também me fez rir alto várias vezes);
2. Viagem ao Centro da Terra;
3. O Caso dos Dez Negrinhos;
4. Percy Jackson & O Ladrão de Raios;
5. Oliver Twist (que também me fez chorar).
11. Melhor adaptação para o cinema.

Acredito que O Silêncio dos Inocentes seja a melhor adaptação que eu conheça. Ficou tudo exatamente como é no livro, que é espetacular.

12. Você lê quadrinhos/mangá?

Devoro quadrinhos. Só não consegui me acostumar a ler mangá :(
13. Capa dura ou brochura?

Não tenho preferência, realmente. Tem gente que implica com versão econômica (aquelas sem as abas) ou de bolso, mas eu já comprei até livro sem capa. Não ligo.

14. Você compra livros assim que eles são lançados ou espera um pouco?

Ultimamente, tenho esperado; às vezes até esqueço que a continuação de algum já saiu. Tô com MUITOS livros na espera, então não corro. Pra não falar que logo o preço baixa, então não é vantagem comprar tão rápido.

15. Você compra livros espontaneamente sem saber previamente do que ele trata?

Já comprei alguns livros assim "no escuro" e tive gratas surpresas na maioria das vezes. Mas, como eu disse, ando comprando somente alguns desejados, já que a fila está crescendo exponencialmente.

16. Você já comprou algum livro só por causa da capa?

Tive que parar pra pensar nessa, mas eu acho que não. Pelo menos, não consigo me lembrar de nenhum, agora. 

17. Onde você normalmente compra livros?

Pela internet, vide a página de dicas!

18. Um livro que teve um grande impacto em você.

Nossa Senhora de Paris (O Corcunda de Notre-Dame). Acho que porque, quando o li da primeira vez, eu estava esperando algo mais infantil, e acabei descobrindo uma das tragédias mais tristes da literatura.

19. Ficção-histórica ou científica?

Ambas! Também gosto muito de ficção-histórica, apesar de algumas viajadas sem sentido que inventam com alguns pobres coitados...

20. Distopia ou Utopia?

Acho que sou realista demais pra curtir adequadamente a Utopia. Acabo achando a Distopia mais crível (e bem mais assustadora, e coisas assustadoras são comigo mesmo).

21. Pior adaptação para o cinema.

Não ando mais me incomodando tanto com as diferenças nas adaptações; li bastante sobre o assunto e entendo o porquê de algumas mudanças, então ando curtindo quando fica diferente (apesar de não aprovar 100% as adaptações dos livros do Percy Jackson...).

22. Livro que deveria ganhar uma adaptação para o cinema.

Até consigo pensar em alguns, mas já estão em fase de discussão para adaptação. Vejamos... Os Filhos de Húrin, de Tolkien, daria um filme belíssimo. Mas acho que agora com todos esses Hobbits o povo esteja meio enjoado da Terra-média :(

23. O primeiro livro pelo qual você se apaixonou.

Gostei de muitos livros, com maior ou menos intensidade, no decorrer dos anos. Mas foi provavelmente Os Miseráveis, como eu sempre digo. :P

24. Humor ou agonia?

São coisas bem diferentes pra escolher. Gosto de experimentar ambos nas leituras.

25. Quantos livros você tem?

A tal da pergunta difícil.  Aqui, no meu quarto, tenho cerca de 180 (descontando as HQs). Lá na sala tinha 1500, da última vez que eu contei. Sinceramente, tá meio difícil de saber.

26. Você vai à biblioteca?

Já tem uns anos que não piso em uma. Com a quantidade de livros aqui em casa, é meio estúpido pegar outros emprestado. 
27. Quantos livros você lê por ano?

Entre 50 e 60, em média, o que é bem menos do que eu gostaria. O tempo tem que ser dividido entre trabalho e outras obrigações, então só tenho tempo de sentar pra ler quando já tô deitada pra dormir, ou por uns 40 minutos antes do almoço.

28. "Leitura obrigatória" favorita.

Dom Casmurro. Vocês tão perdendo em não ler Machadão!

29. Citação favorita.

"Ela nunca esteve tão adorável. Desconfiemos!" - D'Artagnan

30. Um livro que você absolutamente odeia.

Não me lembro de ter lido nada que tenha odiado! Por menos que tenha gostado de alguns, não criei um ódio absoluto contra nenhum (e que perda de tempo odiar entretenimento, né?).

13/06/2014

As origens de algumas superstições comuns

Mas só algumas, porque são muitas que eu tô com preguiça.

(Vocês podem sempre pedir por uma Parte 2, porém)


▼▼▼▼▼


"Alguém morrerá se um guarda-chuva for aberto dentro de casa"



Isso provavelmente não chegou a acontecer, mas muita gente se machucou feio, no século 18, quando os guarda-chuvas se tornaram populares. Na época, como eram invenções recentes, o mecanismo de metal não funcionava direito, então era comum que os guarda-chuvas abrissem sozinhos - o que era particularmente perigoso, se isso acontecesse em um lugar fechado, com pessoas por perto, já que as pontas de metal ainda não tinham proteção. Os acessórios melhoraram, mas a recomendação passou pelas gerações.

"Passar por baixo de escadas dá azar"


Talvez a superstição mais antiga, já temida desde o Egito antigo, há 5 mil anos. Uma escada encostada contra uma parede formava um triângulo, forma considerada sagrada pelos egípcios antigos (vide as Pirâmides). Portanto, violar um triângulo ao atravessá-lo seria visto como heresia. Mais tarde, as religiões cristãs adotariam e adaptariam a antiga superstição, sob o argumento de que havia uma escada encostada contra a cruz em que Cristo foi morto, e que tal objeto era considerado um símbolo de traição, má-sorte e morte.

"Quebrar um espelho traz sete anos de azar"


Na Grécia antiga, já se acreditava que o destino das pessoas poderia ser revelado por métodos de adivinhação praticados com espelhos: mergulhava-se um em água e o consultante deveria ver seu reflexo então. Se estivesse distorcido, a pessoa certamente morreria; se estivesse limpo, tudo bem. No primeiro século d.C., era de crença em Roma que as condições de saúde de qualquer pessoa sofria mudanças significativas a cada 7 anos. Aproveitando-se da superstição grega (como foi comum na história e glória de Roma), dizia-se que olhar seu reflexo em um espelho quebrado, e ver sua própria imagem distorcida, indicaria que os próximos 7 anos seriam de saúde ruim. Posteriormente, nobres italianos espalharam a superstição entre seus criados, como forma de evitar que estes danificassem utensílios que eram tão caros, na época. 


"Bater três vezes na madeira afasta a má-sorte"


Outra superstição antiga, de origem celta, em que se acreditava que espíritos protetores habitavam árvores. Bater três vezes nelas atrairia a atenção desses seres e invocaria sua proteção. Com o passar das gerações e a mudança das religiões, a superstição foi adotada e adaptada às suas crenças, e permanece até hoje como costume. É até aceitável bater em objetos que nem são realmente de madeira.

"Cruzar os dedos atrai boa-sorte"



Tanto para atrair sorte para si mesmo ou a desejar para outros, este é outro símbolo antigo que foi adotado amplamente por cristãos, no século 14. Era como simular o formato da cruz com apenas uma mão. Foi usado como uma troca secreta de gestos entre cristãos quando o Cristianismo era proibido, para se reconhecerem. Até hoje, o gesto pode ser feito atrás das costas, para isentar a pessoa de "punição divina" quando esta conta uma mentira. Porém, o gesto é usado universalmente, independentemente de religião. Diz-se inclusive que, se for estritamente necessário passar por baixo de uma escada, cruzar os dedos ao fazer isso isentaria a pessoa da má-sorte.

"É sinal de sorte achar um trevo de quatro folhas"


Mais pela raridade da ocorrência, já que trevos com quatro folhas são anomalias genéticas da planta (que deve ter apenas três folhas). Porém, os celtas já tinham suas superstições com a planta, e diziam que os trevos possuiriam certas propriedades médicas excelentes. Ao redor do mundo, as superstições a respeito do trevo variam (cada folha representaria uma virtude - amor, fé, esperança e sorte; a sorte dobraria se você encontrasse um e o desse a alguém; Eva teria encontrado um ao ser expulsa do Paraíso e o levado consigo para lembrar-se de lá; etc).

▼▼▼▼▼

Quanto aos gatos pretos, a essas alturas acho que todos já ouviram falar que a crença do azar quanto a eles vem da associação que supostamente tinham com bruxas, na época da ignorância suprema da humanidade. Algumas culturas, porém, os consideram como talismãs de boa-sorte. A respeito das ferraduras, já comentei em um post mais antigo. Derrubar sal na mesa é considerado azar devido ao valor que o condimento tem em todo o mundo, e tem a ver apenas com economia.

Se eu chegar a fazer uma segunda parte, vou procurar pesquisar sobre algumas superstições brasileiras. Por que cargas d'água a mãe morre se eu deixar meu chinelo virado com a sola pra cima?!

___

03/06/2014

As últimas 10 músicas favoritas

Agora que finalmente chegou ao Brasil, o Spotify está ganhando a graça tão merecida de tanta gente. Quando o recomendei anteriormente, mencionei que o mais legal era ter a liberdade de escolher o que escutar (diferentemente das rádios convencionais), e, mesmo assim, conhecer tanta coisa nova.

Conheci MUITA coisa legal desde então; adotei novas bandas favoritas, conheci melhor outras, nunca mais perdi lançamentos de álbuns, relembrei de coisas antigas que já havia esquecido. Em qualquer um dos casos, posso facilmente marcar a (re)descoberta feliz com uma estrelinha e ouvi-la novamente quando quiser, sem ter que procurá-la em meio a milhares de músicas.

Bom, essa é uma postagem bem pessoal. Compartilho as minhas últimas (re)descobertas favoritas:

▼▼▼▼▼

The Bear and the Maiden Fair, The Hold Steady


From there to here
From here to there
All black and brown and covered in hair
He smelled that girl in summer air
The bear, the bear, and maiden fair!

Essa foi uma música que eu (e muita gente) fiquei feliz por terem feito. O Urso e a Donzela é uma canção folclórica bastante mencionada n'As Crônicas de Gelo e Fogo, de George R.R. Martin. Esta versão da banda de indie rock The Hold Steady tocou ao fim do episódio de mesmo nome da terceira temporada da série Game of Thrones. Grudentíssima!

On My Own, Samantha Barks




I love him
But every day I'm learning
All my life
I've only been pretending
Without me
His world would go on turning
A world that's full of happiness
That I have never known!

Os Miseráveis é o meu livro favorito de toda a vida. Obviamente, amo o filme mais recente, já decorei a trilha sonora, e não consigo não chorar sempre o que o assisto. Antes de poder adquirir o CD da trilha sonora, ouvi à exaustão pelo Spotify. Esta canção é considerada o tema de Eponine, e uma das mais populares de todo o musical (considerando a versão teatral, que já dura décadas). E, bom, toda garota já foi a Eponine do Marius. Algumas mais do que outras...

Jesus Christ, Brand New


Well Jesus Christ, I'm alone again
So what did You do those three days you were dead?
Cause this problem's gonna last more than the weekend.

Sempre ouvi falar em Brand New como uma banda emo, então não ouvia. Mas já passei da idade e da fase de me importar com isso, então quando a rádio começa a mandar Brand New, eu nem pulo. E às vezes a gente tá em estado de espírito emo, mesmo, então a gente ouve uma música que faz sentido e gosta dela, que foi o que aconteceu com essa. E não tem a ver com religião, é só um desabafo de um cara que tá cansado e esperando a hora dele.

Happy Together, The Turtles


I can't see me loving nobody but you
For all my life
When you're with me, baby, the skies will be blue
For all my life.

Eu sou coxinha, e adoro música coxinha. Provavelmente já a ouvi como trilha sonora de alguma coisa, mas só a descobri mesmo a ouvindo na rádio 60s. Fico dias com ela na cabeça, tem um backing vocal muito viciante.

I've Got Friends, Manchester Orchestra



I've got friends in all the right places
I know what they want, and I know they don't want me to stay;
And you and I will find
That when I need you, I need it quickly.
In case you never know.

Outra que faz companhia na situação de Jesus Christ. A descobri justo nos dias mais difíceis deste ano, até agora (espero que não venham outros), então ela caiu como uma luva na minha frustração. É nessas horas que eu agradeço por existir Música no mundo...

The John Wayne, Little Green Cars


It’s easy to fall in love
It’s easy to be alone
It’s easy to hate yourself
When all your love is inside someone else;
It’s easy to take it all
It’s easy to give it to
When there’s more people out there to love
Than people who love you.

Eu já passei da minha fase indie, mas ainda escuto algumas favoritas, quando bate saudade. Essa aí eu descobri aleatoriamente, e não sei o que me chamou a atenção nela, mas gostei muito, só que esqueci de colocar a estrelinha. Me lembro que levou alguns dias até que essa música tocasse de novo na rádio e eu pudesse saber o nome, aí não esqueci mais.

The Woodpile, Frightened Rabbit


Will you come back to my corner?
Spent too long alone tonight
Would you come and brighten my corner?
A lit torch to the woodpile;
Come find me now, we’ll hide out
We’ll speak in our secret tongues.

Caso parecido com o anterior; também não sei o que me chamou a atenção, mas amei de cara por algum motivo.  E até agora não decidi se o vídeo é ridículo ou genial.

If You Wanna, The Vaccines


But if you wanna come back, it's alright, it's alright
It's alright if you wanna come back.
Do you wanna come back? It's alright, it's alright
It's alright if you wanna come back to me.

Gosto dela por ser fácil. Fica dias na minha cabeça.

Dieser Weg, Xavier Naidoo



Dieser Weg wird kein Leichter sein,
Dieser Weg wird steinig und schwer,
Nicht mit Vielem wirst du dir einig sein,

Doch dieses Leben bietet so viel mehr.

Desapeguem da ideia de que a música alemã moderna é aquele industrial caótico do Rammstein. Há anos ouço o pop rock do Revolverheld, mas não conhecia muita coisa do gênero na língua que amo, mas infelizmente perdi a pouca fluência que tinha. Executei a rádio da banda para descobrir outros artistas, e fui parar nessa música linda, entre tantas outras.

Still, Jupiter Jones



Ich hab soviel gehört und doch kommts niemals bei mir an
das ist der Grund, warum ich nachts nicht schlafen kann;
Wenn ich auch tausend Lieder vom Vermissen schreib,
heißt das noch nicht, dass ich versteh,
warum dieses Gefühl für immer bleibt.

Mesmo caso da anterior. Poderia listar todas as descobertas felizes do gênero, mas essa foi a última, juro. É uma música tristonha sobre uma dor de cotovelo. Daquelas.