Pular para o conteúdo principal

Questionário sobre livros

O tipo de postagem popular há uns 5 anos...



1. Livro favorito da sua infância.

Tive alguns. Tenho impressão de que o meu favorito era um de contos-de-fadas que meu pai achou na rua e levou pra casa. Ainda tenho ele em algum lugar; se o encontrar, farei um post em homenagem.

2. O último livro que você leu.

Depois de uma procrastinação histórica, O Mundo de Sofia. Falarei sobre ele no relatório que vai sair dia 1º, não percam!

3. Livros na sua lista de espera.

O Skoob contou 68 livros na minha lista de espera, mas todos sabemos que são bem mais. Os mais urgentes são os que estão aqui na minha estante, mas tô sempre furando a fila com os livros da sala... *suspiro*

4. Top 5 autores.

Sem ordem.

1. Neil Gaiman está roubando lugares nessa lista, ultimamente, então ele;
2. Julio Verne;
3. Agatha Christie;
4. Rick Riordan;
5. Charles Dickens.

Fernando Pessoa, Stephen King, Lemony Snicket, Victor Hugo... Droga, odeio listar pessoas.

5. Gêneros favoritos.

Fantasia/aventura, ficção-científica, suspense/mistério, terror.

6. Um livro que te deixou extremamente zangado.

Assassin's Creed. Contei por que no relatório do ano passado. Não falem sobre esses livros comigo.

7. Um livro que te fez chorar.

Alguns. Mas o primeiro foi Os Miseráveis, e eu nunca vou me esquecer disso.
8. Um livro que te fez rir alto.

Vários, também, mas vou considerar todo o Guia do Mochileiro das Galáxias, às custas de Arthur Dent.

9. Ficção ou não-ficção?

Normalmente leio ficção, mas também leio muito sobre História, curiosidades, documentários e biografias.

10. Primeiro livro que você leu do seu autor favorito.

Segundo a lista ali dos Top 5:

1. Os Filhos de Anansi (que também me fez rir alto várias vezes);
2. Viagem ao Centro da Terra;
3. O Caso dos Dez Negrinhos;
4. Percy Jackson & O Ladrão de Raios;
5. Oliver Twist (que também me fez chorar).
11. Melhor adaptação para o cinema.

Acredito que O Silêncio dos Inocentes seja a melhor adaptação que eu conheça. Ficou tudo exatamente como é no livro, que é espetacular.

12. Você lê quadrinhos/mangá?

Devoro quadrinhos. Só não consegui me acostumar a ler mangá :(
13. Capa dura ou brochura?

Não tenho preferência, realmente. Tem gente que implica com versão econômica (aquelas sem as abas) ou de bolso, mas eu já comprei até livro sem capa. Não ligo.

14. Você compra livros assim que eles são lançados ou espera um pouco?

Ultimamente, tenho esperado; às vezes até esqueço que a continuação de algum já saiu. Tô com MUITOS livros na espera, então não corro. Pra não falar que logo o preço baixa, então não é vantagem comprar tão rápido.

15. Você compra livros espontaneamente sem saber previamente do que ele trata?

Já comprei alguns livros assim "no escuro" e tive gratas surpresas na maioria das vezes. Mas, como eu disse, ando comprando somente alguns desejados, já que a fila está crescendo exponencialmente.

16. Você já comprou algum livro só por causa da capa?

Tive que parar pra pensar nessa, mas eu acho que não. Pelo menos, não consigo me lembrar de nenhum, agora. 

17. Onde você normalmente compra livros?

Pela internet, vide a página de dicas!

18. Um livro que teve um grande impacto em você.

Nossa Senhora de Paris (O Corcunda de Notre-Dame). Acho que porque, quando o li da primeira vez, eu estava esperando algo mais infantil, e acabei descobrindo uma das tragédias mais tristes da literatura.

19. Ficção-histórica ou científica?

Ambas! Também gosto muito de ficção-histórica, apesar de algumas viajadas sem sentido que inventam com alguns pobres coitados...

20. Distopia ou Utopia?

Acho que sou realista demais pra curtir adequadamente a Utopia. Acabo achando a Distopia mais crível (e bem mais assustadora, e coisas assustadoras são comigo mesmo).

21. Pior adaptação para o cinema.

Não ando mais me incomodando tanto com as diferenças nas adaptações; li bastante sobre o assunto e entendo o porquê de algumas mudanças, então ando curtindo quando fica diferente (apesar de não aprovar 100% as adaptações dos livros do Percy Jackson...).

22. Livro que deveria ganhar uma adaptação para o cinema.

Até consigo pensar em alguns, mas já estão em fase de discussão para adaptação. Vejamos... Os Filhos de Húrin, de Tolkien, daria um filme belíssimo. Mas acho que agora com todos esses Hobbits o povo esteja meio enjoado da Terra-média :(

23. O primeiro livro pelo qual você se apaixonou.

Gostei de muitos livros, com maior ou menos intensidade, no decorrer dos anos. Mas foi provavelmente Os Miseráveis, como eu sempre digo. :P

24. Humor ou agonia?

São coisas bem diferentes pra escolher. Gosto de experimentar ambos nas leituras.

25. Quantos livros você tem?

A tal da pergunta difícil.  Aqui, no meu quarto, tenho cerca de 180 (descontando as HQs). Lá na sala tinha 1500, da última vez que eu contei. Sinceramente, tá meio difícil de saber.

26. Você vai à biblioteca?

Já tem uns anos que não piso em uma. Com a quantidade de livros aqui em casa, é meio estúpido pegar outros emprestado. 
27. Quantos livros você lê por ano?

Entre 50 e 60, em média, o que é bem menos do que eu gostaria. O tempo tem que ser dividido entre trabalho e outras obrigações, então só tenho tempo de sentar pra ler quando já tô deitada pra dormir, ou por uns 40 minutos antes do almoço.

28. "Leitura obrigatória" favorita.

Dom Casmurro. Vocês tão perdendo em não ler Machadão!

29. Citação favorita.

"Ela nunca esteve tão adorável. Desconfiemos!" - D'Artagnan

30. Um livro que você absolutamente odeia.

Não me lembro de ter lido nada que tenha odiado! Por menos que tenha gostado de alguns, não criei um ódio absoluto contra nenhum (e que perda de tempo odiar entretenimento, né?).

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…