Pular para o conteúdo principal

Esta postagem vai ser uma m... só

Quem somos nós para julgar os cãezinhos que comem cocô, nós, que comemos vômito de abelha?

▼▼▼▼▼

Por que alguns animais comem cocô?

threewordphrase.com
Para nós não faz sentido, já que as fezes são o "lixo" que o nosso organismo bota pra fora, mas não funciona do mesmo jeito para alguns animais. Cães, coelhos, roedores e gorilas costumam comer as próprias fezes para complementar a nutrição. Coelhos, por exemplo, comem muitas plantas, e as fibras não são apropriadamente digeridas por seu organismo. Portanto, para eles, comer as próprias fezes seria uma maneira de aproveitar melhor os nutrientes da alimentação (é mais ou menos como os ruminantes, que "vomitam" o que comem para poder comer de novo). No caso dos cães, é por causa das vitaminas: as bactérias do intestino deles produzem vitaminas essenciais que eles não conseguem de nenhuma outra maneira a não ser depois que o que eles comeram já foi processado e evacuado. Cães têm o olfato muito diferente do nosso, e não sentem o cheiro de cocô como nós, mas sim de um alimento gostosinho e bastante nutritivo. E é bastante normal eles preferirem cocô de gato, se tiverem acesso: as fezes do gato são ainda mais nutritivas, com muito mais proteínas. No caso de fêmeas que comem as fezes dos filhotes, é devido ao instinto de apagar os rastros para despistar predadores.

Que fique o exemplo para todos nós, quando a nutricionista diz para mastigarmos bem antes de engolir. Se vocês não querem comer cocô, melhor mastigar direito da primeira vez e aproveitar ao máximo todos os nutrientes do alimento!

☺ Bônus nojentinho para a alegria de todos ☺

Todo mundo aqui já comeu cocô! Porque é impossível não comer um pouquinho. Deixa eu explicar isso direito: É que os nossos banheiros estão tomados por coliformes fecais, que são como pedacinhos microscópicos das fezes. Ficam pelas torneiras, pelas toalhas, pelas escovas de dentes, debaixo das unhas. E se a gente encosta nessas coisas e leva a mão à boca... já entenderam. Lugares sem saneamento básico têm o suprimento de água contaminado por coliformes, então os habitantes deste lugar que não filtram ou fervem sua água eventualmente ingerem o cocô dos outros. E tem gente que REALMENTE come cocô - sofrem de um distúrbio chamado coprofagia, e muito provavelmente devem ser tratadas.


Por que o cocô é marrom?

Por causa da química nervosa que garante o bom funcionamento do nosso corpinho: a cor marrom é devida à estercobilina, pigmento proveniente da bile da vesícula metabolizada pelas bactérias do intestino. Sem ela, nossos cocozinhos seriam cinza ou mais claros. Bom, não parece muito importante que as coisas tenham cores, mas, na verdade, observar a coloração das fezes pode ser fundamental para descobrir determinados problemas de saúde: se o cocô não tá marrom, a bile não tá mandando o pigmento; se a bile não tá mandando o pigmento, é porque tem algo errado com a sua vesícula - desde pedrinhas até um câncer.

Então, cocô marrom = corpinho 100%. Não tá marrom? Vamos entender:

- Tá vermelho? Ou é porque você comeu beterraba (o que é bom, continue), ou é sinal de sangramento do intestino. Se for algum sangramento em outro órgão, como o estômago, aí ele sai mais escuro, quase preto, e vai ter um cheiro bem pior do que o normal.

- Tá amarelo? É sinal de que você está eliminando gordura junto com as fezes; o que, embora pareça uma maneira muito conveniente e simples de emagrecer, é completamente errado e bastante ruim.

- Tá verde? É sinal de infecção bacteriana, e infecções bacterianas não são legais.

Mas, claro, nem sempre o diagnóstico é esse. Existem alguns problemas crônicos de saúde que provocam essas colorações rotineiramente, ou, na maior parte dos casos, depende realmente do que a pessoa comeu. Em caso de dúvida, procure um médico.

☺ Bônus nojentinhos para a alegria de todos ☺

- Sabem quando a gente acha que saiu um grão inteiro de milho ali? É só o revestimento. Ele é feito quase 100% de celulose, uma fibra muito dura que o nosso organismo não consegue digerir, então a gente processa o que tem dentro mas a capinha sai inteira.

- Cocôs são fedidos porque contêm um composto rico em enxofre, presente das gracinhas das bactérias que moram no nosso intestino e processam tudo para nós - entre outros compostos de nomes complicados e odores peculiares.

- O cocô dos vegetarianos fede menos que o de quem come carne.

- O cocô dos passarinhos é branco porque não é exatamente "cocô" como nós conhecemos: aves não tem o sistema digestivo igual ao dos mamíferos, então fazem cocô e xixi tudo por um lugar só (a cloaca), mistureba que resulta em ácido úrico, que não se mistura bem com água e, enfim, todos sabemos como é difícil de tirar das roupas.


Por que papel-higiênico é branco?

O principal motivo é comercial: É porque a cor branca sugere limpeza (pelo mesmo motivo que a maioria dos objetos do banheiro também são dessa cor) e, portanto, vende mais do que os coloridos. Outra vantagem é que a cor natural de qualquer papel é bege ou amarronzada, e, convenhamos, como é que a gente vai saber se tá realmente limpinho se limpando com um papel praticamente da cor da "sujeira"? E o segundo motivo é que o processo que deixa o papel branquinho remove completamente a lignina, molécula que é responsável pelo amarelamento dos papéis em geral, o que aumenta o tempo útil do produto. A remoção da lignina deixa o papel bem macio, e a maciez aqui é um fator importante, já que esfregamos papel numa das áreas mais sensíveis do corpo várias vezes por dia. Antigamente até existiam papéis-higiênicos coloridos (lembram daquele cor-de-rosa, TERRIVELMENTE áspero?), mas a pigmentação realmente deixava o uso do papel bem desconfortável, causando irritação. Além dos impactos ambientais causados pela pigmentação do papel-higiênico (apesar de o processo de descoloração não ser muito melhor, nesse sentido), a versão colorida provavelmente seria mais cara que a branca, então não seria exatamente uma campeã de vendas, pelo preço ou pela comodidade.

☺ Curiosidades (ok, essas não são tão nojentas) ☺

- O papel-higiênico só começou a ser usado do lado de cá do mundo a partir do começo do século 20 (na China, já era usado desde o século 6). O que o povo usava antes disso depende muito da situação financeira do povo em questão, mas variava entre pedaços de tecidos, folhas, conchas, esponjas, sabugos de milho (!!) ou só água, mesmo.

- Aproximadamente 10 milhões de árvores são usadas por ano na fabricação de papel-higiênico. Nos Estados Unidos, o consumo do produto é 50% maior do que nos demais países ocidentais, pelo simples fato de que os norte-americanos são extremamente relutantes em adotar o uso de bidês.

.
Fontes:
- http://www.todayifoundout.com/index.php/2013/07/toilet-paper-wasnt-commonly-used-in-the-united-states-until-the-early-20th-century/

▼▼▼▼▼

Eu tinha umas músicas nojentas pra colocar aqui também, mas deixa pra lá...

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…