Pular para o conteúdo principal

Brasil (não esse, o outro)

É isso mesmo, brasileiros da minha pátria: o mundo já era agraciado com um Brasil antes de Pedro Álvares Cabral tropeçar em nossas terras tupiniquins.

Há ainda uma discussão a respeito da veracidade do outro Brasil, porém. Porque, vejam bem, o outro Brasil é uma ilha... fantasma.

Tão vendo, ali à esquerda? | Extraído do mapa de Abraham Ortelius, 1572 | Wikipedia

Essa ilha minúscula do Oceano Atlântico, a oeste da Irlanda, também é conhecida por Hy-Brasil, Hy-Breasal, O'Brasil e outras variações. Acredita-se que o nome tenha origem irlandesa: Uí Breasail, que significa "terra do clã de Breasal". Breasal, segundo o folclore da história Celta, foi o Rei do Mundo. Dizia-se que a ilha era "o Paraíso", habitada por belas mulheres e onde tudo era perfeito. Entretanto, apesar da incrível semelhança, a origem desse nome não é compartilhada com a do nosso país: todos aprendemos que o nosso Brasil veio do pau-brasil, que vem de "brasa", etc etc.

A primeira documentação da ilha Brasil é em uma carta náutica de 1325, com o nome Bracile (o cartógrafo era italiano). A partir de então, outras tantas cartas (vejam na página da Wikipedia, ao fim da postagem) localizam a ilha com pequenas variações do nome e da localização - ela aparentemente "viajava" pela costa da Irlanda. O curioso, porém, é que, apesar de estar presente em várias cartas náuticas dos séculos XIV e XV, quase ninguém conseguiu encontrá-la pessoalmente! Muitas expedições foram enviadas para lá, mas a maior parte voltou sem sucesso.

Houve um homem, entretanto, Capitão John Nisbet, que disse ter visto a ilha em 1674, enquanto viajava da França para a Irlanda. Os relatos dizem que o barco foi envolto por uma névoa e, quando esta passou, se viram presos nas rochas da ilha. Ele e sua tripulação desceram e descobriram que a ilha era habitada por coelhos pretos enormes e "um feiticeiro que vivia sozinho em um castelo". Eles teriam voltado com prata e ouro que foram dados pelo tal feiticeiro. Não sabemos até onde consideram esse relato digno de confiança, mas foi a primeira descrição que conseguiram do lugar.

O último avistamento da ilha foi supostamente em 1872, quando Roderick O’Flaherty diz ter conversado com o feiticeiro da ilha, Morogh O’Ley. De qualquer forma, a última documentação sobre a ilha é do mesmo ano, quando o escritor T.J. Westropp e vários companheiros (inclusive sua mãe) relataram que viram a ilha "aparecer e desaparecer". E, depois disso, nunca mais.

Acredita-se que Brasil esteja sempre envolta em névoa, exceto por um dia a cada sete anos, quando pode ser vista, mas não alcançada. Alguns a relacionam a outras terras perdidas das lendas, como o continente de Atlântida. Não obstante, com a evolução da exploração marítima no Oceano Atlântico, os relatos de avistamentos de Brasil foram escasseando até finalmente cessarem.

Mas, e vocês? Que Brasil parece mais interessante? :D

.

FONTES: Wikipedia | Irish Central | Dicionário do Mundo Misterioso, de Gilberto Schroereder (Record: Nova Era, 2002)

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…