Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2014

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

O primeiro emprego

(tema retirado de uma lista de propostas)


Meu primeiro emprego talvez não seja considerado um emprego de verdade. Pra poder receber meia-bolsa na faculdade, precisei trabalhar lá em troca dela. Eu não recebia dinheiro pelo trabalho, mas um desconto nas mensalidades. O trabalho, entretanto, era tão desgastante quanto qualquer emprego, mas reconheço o quão importante ele foi em vários aspectos da minha vida.
Comecei trabalhando na biblioteca, onde vários outros alunos trabalhavam. As funções eram rotativas, mas, como todos perceberam que eu fazia as tarefas mais chatas sem escândalo, acabei ficando permanentemente nelas, por um ano e meio: organizando as fichas dos alunos por ordem alfabética todos os dias, e cuidando do guarda-volumes.
Não parece muito complicado cuidar de um guarda-volumes - e talvez não seja, mesmo -, mas eu levava minha função muito a sério, então estraguei um pouco minha saúde por conta dele. Meu turno era de 6 horas (das 7h às 13h), e eram seis horas em que eu nã…

Quem aí estava com saudade das Curiosidades Biológicas Inúteis?

Embora seja como eu sempre digo: NENHUM tipo de conhecimento é inútil. Se não serve pra te garantir um emprego, que sirva ao menos pra entreter os colegas naquela reunião da turma de 1999.
▼▼▼▼▼
O estômago pode mesmo arrebentar se comermos muito de uma vez?
Embora raro, sim! E, como seria de se esperar, as pessoas que chegaram a tal ponto não sobreviveram. Quando um estômago sofre uma ruptura, as milhões de bactérias que moram lá dentro (aquelas que ajudam a gente na digestão) ficam soltas pela cavidade abdominal, causando uma grande e incômoda inflamação. Se não houver tratamento com poderosos antibióticos a tempo e se não houver reconstrução estomacal, o sujeito não sobrevive. Bom, a pessoa certamente sentiria algo esquisito antes disso acontecer, então por que não, simplesmente, vomitar antes que o pior aconteça? Segundo um estudo, a pessoa que tem hábitos alimentares tão desestruturados a ponto disso não tem os reflexos funcionando como deveriam, então o corpo não percebe até que …

As últimas 10 músicas favoritas

Vou listar periodicamente minhas últimas 10 (re)descobertas favoritas por aqui - talvez nem tanto na esperança de que outras pessoas curtam alguma coisa, mas pra poder voltar aqui depois de uns meses e comparar as coisas. Meu gosto tem sido o mesmo há alguns anos, só vou variando na bizarrice da vez...
♫♫♫♫♫
Come And Get Your Love, Redbone

'Cause you're fine
And you're mine, and you look so divine

Come and get your love!
Da trilha sonora impecável de Guardiões da Galáxia, essa era uma das únicas que eu ainda não conhecia, e ficou muito tempo na minha cabeça. E, ao procurar no YouTube, descobri que o Redbone é uma banda composta por nativo-americanos, o que tornou tudo muito mais legal!
Virgin, Manchester Orchestra

We built this house with our hands
And our time and our blood.
We built this up in one day
To fall downward and rust.
Essa eu ouvi em uma rádio do Spotify e, apesar de já curtir outras da banda, ainda não conhecia essa. Curti porque é sinistra. E o vídeo consegue ser a…

Faetonte, o primeiro adolescente sem noção

Se não fomos adolescentes irresponsáveis, com certeza tivemos amigos que foram. Ou ainda somos, ou ainda os temos. É impossível não conviver com adolescentes "aborrecentes" ao menos uma vez na vida.
Faetonte, entretanto, deve ter sido o adolescente inspirador das futuras gerações... Porque o tamanho da besteira que ele fez foi impressionante.




Faetonte sofria bullying pesado na escola. Os colegas tiravam sarro dele porque sua mãe dizia que ele era um semideus, filho de ninguém menos do que Hélio, o deus do Sol. Ninguém acreditava, óbvio, então Faetonte decidiu confrontar a mãe e pedir pra que ela provasse que ele era mesmo filho de um deus.
- Bom, - disse ela - eu jamais mentiria sobre isso. Mas você pode ir pessoalmente à Terra do Sol e perguntar ao seu pai se ele o reconhece.
E Faetonte foi. Às Índias, que eram próximas, e lá não teve dificuldade em encontrar o palácio de seu pai. Viu Hélio sentado em seu trono em toda a sua glória, e pediu:
- Não que eu duvide, ó glorioso S…

Sugestões de Leitura de 2014: Setembro - Outubro

Sou veementemente contra colocar classificação de nota em resenhas literárias. 
Claro, minha opinião é diferente quando se trata da resenha de um produto funcional, por exemplo, porque é através das notas que sabemos se aquele produto funciona ou não. Mas, se tratando de livros, a classificação de nota é irrelevante. A não ser que, digamos, o autor ou a editora tenha prometido que o livro te faria chorar, e você não chorou, então uma nota baixa justifica a meta não cumprida. Entretanto, a nota que você dá a um livro - em uma resenha na internet, na organização do Skoob, ou na sua própria cabeça - só é de interesse seu, pois reflete a sua reação a respeito do que leu. E, meus amigos, claro que somos todos seres únicos no Universo (como todo mundo), então achar que a nossa opinião sobre um livro deve ser tomada como consenso geral é presunção demais pro bem-estar da humanidade.
É óbvio que todos temos direito de sair dando nota pra tudo; muita gente lutou pela infame Liberdade de Expr…