Pular para o conteúdo principal

As últimas 10 músicas favoritas

Vou listar periodicamente minhas últimas 10 (re)descobertas favoritas por aqui - talvez nem tanto na esperança de que outras pessoas curtam alguma coisa, mas pra poder voltar aqui depois de uns meses e comparar as coisas. Meu gosto tem sido o mesmo há alguns anos, só vou variando na bizarrice da vez...


Come And Get Your Love, Redbone


'Cause you're fine
And you're mine, and you look so divine

Come and get your love!

Da trilha sonora impecável de Guardiões da Galáxia, essa era uma das únicas que eu ainda não conhecia, e ficou muito tempo na minha cabeça. E, ao procurar no YouTube, descobri que o Redbone é uma banda composta por nativo-americanos, o que tornou tudo muito mais legal!

Virgin, Manchester Orchestra


We built this house with our hands
And our time and our blood.
We built this up in one day
To fall downward and rust.

Essa eu ouvi em uma rádio do Spotify e, apesar de já curtir outras da banda, ainda não conhecia essa. Curti porque é sinistra. E o vídeo consegue ser ainda MAIS sinistro.

Everything to Me, Shane Filan



'Cause I don't need the sunlight shining on my face
And I don't need perfection to have the perfect day
I just want to see you happy, a smile on your face
Nothing else matters, 'cause you're everything to me.

Só recentemente fui me inteirar dos projetos solo dos ex-membros do Westlife. Shane, que era o vocalista principal, lançou álbum no ano passado, e finalmente teve liberdade para gravar suas próprias composições. O álbum é basicamente acústico e varia entre o pop e o folk, e essa música é uma coisa muito fofa.

Down By The Water, The Decemberists


So knock me down, tear me up
But I would bear it all broken just to fill my cup
Down by the water and down by the old main drag

Nunca paro pra ouvir The Decemberists, mas essa é uma das duas músicas deles que gosto muito (junto a Don't Carry It All). Tem todo um jeitão R.E.M. que é muito gostoso de se ouvir.

Don't Bring Me Down, Electric Light Orchestra


You got me running, going out of my mind
You got me thinking that I'm wasting my time
Don't bring me down, no, no, no, no, no
I'll tell you once more before I get off the floor:
Don't bring me down.

Também nunca paro pra ouvir ELO, mas toda vez que toca é uma experiência gostosa. Acredito que todas as músicas fiquem na cabeça por um tempo. Tipo essa.

Too Cold To Hold, Fake Problems


See I've got this problem with talking to myself
And hardly ever to anyone else
It's not that I have nothing to share
I'm just not quite ready to reveal the faults I bare...
But I'm pretty sure that I'd prefer some company.

Ouço esse álbum desde que foi lançado (It's Great to Be Alive, de 2009), mas essa faixa nunca tinha sido uma favorita. Mas sempre chega aquele dia em que certas músicas repentinamente começam a fazer sentido... Sei lá, acho que a gente tem uma época pra tudo.

Tired of Being Alone, Al Green


I'm so tired of being alone
I'm so tired of on-my-own
Won't you help me girl
Just as soon as you can

Vou deixar que as tias na plateia falem por mim.

What About Now, Westlife


What about now?
Now that we're here
Now that we've come this far, just hold on.
There is nothing to fear
For I am right beside you
For all my life, I am yours.

Na verdade, um cover de Daughtry. Lindíssima ao vivo, mas vou colocar o vídeo oficial porque eles estão todos claramente morrendo de frio, haha. Lógico que todo mundo fala que a versão é ruim, porque o Daughtry é roquenrou e o Westlife foi uma boyband. Ímpios.

Carl Poppa, Bad Lip-Reading


They keep walking, walking my way
If they're talking, can't tell what they say
They keep falling over stuff in their way
Dead dudes walking can ruin your day.

Vou colocar essa aqui só pra dar risada (e ficar mais um mês na cabeça). Apresentei o Bad Lip-Reading entre as sugestões de canais do YouTube. Eles recentemente lançaram outros vídeos de The Walking Dead, e um deles conta com trecho de rap de Carl. Fez tanto sucesso que acabaram lançando a música completa, com direito a vídeo oficial e tudo. Ri tanto dessa letra que coloquei a música como despertador (embora acordar com LA JIGGY JAR JAR DOO! DUR DUR DUR DEE DUR! não seja exatamente ideal).

Song #3, Reel Big Fish


O caso dessa é como o da Too Cold to Hold. Esse álbum, Why Do They Rock So Hard?, foi o primeiro que ouvi do Reel Big Fish, há uns 6 anos, mas eu quase nunca ouvia essa faixa. Aí fui ouvir o álbum na íntegra esses dias e deixei essa tocar, e me vi curtindo muito! Não ando mais ouvindo tanto ska quanto antes, então sempre que ouço me animo instantaneamente.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…