26/11/2014

O primeiro emprego

(tema retirado de uma lista de propostas)



Meu primeiro emprego talvez não seja considerado um emprego de verdade. Pra poder receber meia-bolsa na faculdade, precisei trabalhar lá em troca dela. Eu não recebia dinheiro pelo trabalho, mas um desconto nas mensalidades. O trabalho, entretanto, era tão desgastante quanto qualquer emprego, mas reconheço o quão importante ele foi em vários aspectos da minha vida.

Comecei trabalhando na biblioteca, onde vários outros alunos trabalhavam. As funções eram rotativas, mas, como todos perceberam que eu fazia as tarefas mais chatas sem escândalo, acabei ficando permanentemente nelas, por um ano e meio: organizando as fichas dos alunos por ordem alfabética todos os dias, e cuidando do guarda-volumes.

Não parece muito complicado cuidar de um guarda-volumes - e talvez não seja, mesmo -, mas eu levava minha função muito a sério, então estraguei um pouco minha saúde por conta dele. Meu turno era de 6 horas (das 7h às 13h), e eram seis horas em que eu não deixava meu posto nem para beber água ou ir ao banheiro, muito menos comer (não podia comer fora da cozinha). A responsabilidade era grande demais, e, embora outros monitores deixassem o posto o tempo todo, era meu primeiro "emprego" e eu não queria começar desobedecendo regras claras.

O espaço era grandinho, por causa da quantidade de alunos da Universidade toda que frequentava a biblioteca, especialmente em época de provas, então havia dias em que eu não podia nem sentar - enquanto 10 chegavam, 10 iam embora, e eu tinha que entregar e recolher tudo rapidinho. Se eu demorasse um pouco pra atender alguém, ele próprio guardava o material, e eu não teria como saber onde - ou pior, entrava com o material, o que era terminantemente proibido. Se alguém entrasse com bolsa, mochila ou capacete, eu tinha que ir atrás e pedir delicadamente que a pessoa deixasse as coisas lá, e é claro que eu ouvia muitos protestos com todo tipo de palavras coloridas. E, enquanto eu estava lá dentro pedindo pras pessoas deixarem as coisas no guarda-volumes, outras tantas chegavam e... enfim, dá pra imaginar a correria.

Seria legal que os outros monitores me ajudassem, nessas horas, mas não acontecia. Todo mundo odiava o guarda-volumes, e eles próprios estavam bastante ocupados no balcão cuidando dos empréstimos e devoluções. Trabalhei um pouco nessa parte, também, mas acabei ficando no outro balcão. Também queria ter tido oportunidade de catalogar os livros e arrumá-los nas estantes, mas não podia sair do guarda-volumes...

De qualquer forma, apesar de toda a tensão do posto, a bibliotecária me comunicou pessoalmente, quando saí, que a época em que fiquei lá foi a que registrou menos roubos de livros. Também perdi boa parte do medo que eu tinha de conversar com estranhos, e fiz vários amigos entre os alunos de outros cursos. Depois, fui transferida para outro setor da Universidade. O trabalho era beeeem diferente, mas também cheio de responsabilidades.

Esse foi o meu primeiro e emocionante emprego. Foi onde consegui esse pulso aberto (de tanto carregar peso dos outros), mas também foi onde aprendi a ser menos fechada, e o que ajudou muito a pagar pela minha formação acadêmica.

Querem me contar sobre o primeiro emprego de vocês?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bom senso, respeito e educação são esperados e sempre bem-vindos nos comentários. Obrigada pela visita!