Pular para o conteúdo principal

HCtZ Top Álbuns de 2014

Manu, como frequentemente, por fora dos lançamentos (até dos artistas favoritos). Ouvi alguns durante o ano, e o restante precisei pesquisar.

Estes são os meus lançamentos favoritos do ano que passou:


Get Hurt
The Gaslight Anthem

Não será possível me apaixonar por qualquer outra coisa, nem que seja deles mesmo, depois do maravilhoso Handwritten... Demorei um pouco a me habituar às músicas desse álbum, e acho que até agora não tenho uma favorita absoluta. Talvez seja um daqueles casos em que o álbum conversará comigo quando for a hora certa. Ainda assim, é mais um trabalho competente de uma das minhas bandas favoritas, e esse vídeo aí não me deixa esquecer disso:



Transgender Dysphoria Blues
Against Me!

Primeiro álbum da banda desde que a vocalista Laura Jane passou pela transição que mudou sua vida. A banda passou por uma reformulação quase completa, depois disso (embora não tenha mudado em nada seu estilo), e a vida da própria Laura teve mais mudanças do que ela esperava; mas o álbum foi um passo importante - tanto para ela, sua família e amigos, quanto para outras pessoas que passam pelas mesmas complicações da transição - porque é conceitual sobre a disforia transgênero (definida como o desconforto por pertencer ao gênero oposto ao que lhe foi determinado biologicamente).



Till Midnight
Chuck Ragan

Tudo que o Chuck faz é lindo; até as fotos do Instagram dele são lindas. O estilo dele longe do Hot Water Music é o folk típico americano - aquela coisa cheia de barbas e camisas xadrez e violões e violinos e vozes roucas e muito coração. Acho que não há nada especial sobre esse álbum pra colocar aqui, apesar de eu sentir cada vez mais vontade de estar onde a Revival Tour estiver...



Home
Kian Egan

Primeiro álbum solo do ex-membro do Westlife. Um álbum bem improvável, aliás, porque o Kian era o membro com menos destaque vocal do grupo e surpreendeu todo mundo, haha. É uma coletânea bem despretensiosa de vários covers e muito gostosa de ouvir (também é muito bom ver essa barba aí, fique com ela. he). Só não entendi muito bem a necessidade de colocar um cover de The Reason (do Hoobastank) no álbum, se o Westlife já tinha lançado um no último álbum deles, mas tudo bem...






You Raise Me Up
John Barrowman 

Alguns talvez não saibam mas, antes de nos agraciar as telinhas no papel do Capitão Jack Harkness em Doctor Who e Torchwood e como Malcolm Merlyn em Arrow, John Barrowman já era artista da Broadway e gravou álbuns com suas interpretações. Este ano, lançou esse álbum de versões de canções pop tanto clássicas quanto mais recentes. Ah, e ele também é autor (junto com a irmã) de uma série de livros infantojuvenis. Não há defeitos nesse homem.



Tim Timebomb and Friends
Tim Timebomb

O Tim ficou soltando as faixas desse álbum uma a uma durante várias semanas, até finalmente sair o álbum todo. Trata-se de um álbum com versões de muitas, muitas músicas - algumas de outras bandas de punk rock, ska e reggae, e algumas de rocks antigos e até country! Algumas versões ficaram até mais legais que as originais. Curti mais esse álbum do que o próprio álbum novo do Rancid :P




The Breeze (An Appreciation of JJ Cale)
Eric Clapton & Friends

Não deve ser fácil ser Eric Clapton, vendo tantos amigos indo embora assim. JJ Cale foi um grande amigo pessoal, e quem compôs vários dos sucessos que ajudaram a dar fama ao Eric, tipo Cocaine - eles inclusive gravaram um álbum juntos, o The Road to Escondido. Este álbum é uma homenagem póstuma de Clapton e vários músicos conhecidos, com suas versões de algumas das composições de Cale. O vídeo abaixo faz parte das homenagens e pega lá no coraçãozinho:



• Outros que ouvi e curti •

Listen, do The Kooks. Surpreendentemente dançante!
50 St. Catherine's Drive, póstumo de Robin Gibb. Não conhecia as músicas só do Robin; são bem diferentes do que ele fazia com os Bee Gees, e adorei!
Aretha Franklin Sings The Great Diva Classics. O nome do álbum é bastante autoexplicativo. A versão dela de Nothing Compares 2 U é, provavelmente, a única feliz do mundo, haha
Last Chance to Dance, de CJ Ramone. O CJ sempre foi meu ramone favorito, mesmo não tendo sido um dos originais (me mordam). As coisas que ele lança são sempre legais.
Everything Changes, de Julian Lennon. Fazia muito tempo que não ouvia nada dele, aí vi que ele lançou álbum esse ano e fui ouvir. Me surpreendi ao ouvir um trechinho de Baby You're A Rich Man em uma das músicas, haha.
I'm Not Bossy, I'm the Boss, de Sinéad O'Connor. Adoro essa mulher, fiquei feliz em saber que ela ainda está gravando. Esse álbum foi bem mais bem recebido que o anterior dela, inclusive.
Mandatory Fun, de "Weird Al" Yankovic. Até cheguei a mencionar ele por aqui, anteriormente. Esse álbum foi um sucesso nas paradas, o que é incomum para o estilo!
The Who Hits 50, do The Who. Coletânea dos maiores sucessos dos 50 anos da banda, o que é sempre... sucesso!

.

Ouviram algo supimpa esse ano?

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

Algumas das bandeiras mais interessantes do mundo

As bandeiras dos países do mundo são mais do que uma demonstração de cores e padrões: cada detalhe - a escolha e predominância das cores, as faixas, os símbolos, as formas - carrega um significado histórico e/ou cultural que ensina muito sobre o país representado. Selecionei para essa postagem algumas das histórias mais interessantes.
(Não vou falar da nossa Auriverde porque todos nós já estamos carequinhas, certo?)



Reino Unido Union Flag ou Union Jack (azul, vermelho e branco)
Essa bandeira não é a da Inglaterra, como muitos pensam, mas representa os quatro países que formam o Reino Unido: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Esse desenho é usado desde 1801, quando a Grã-Bretanha se uniu à Irlanda do Norte, e é uma mistura das bandeiras desses países: a cruz vermelha de São Jorge (patrono da Inglaterra) sobre a cruz branca de São Patrício (padroeiro da Irlanda), por sua vez sobre a cruz de Santo André (padroeiro da Escócia). O País de Gales não está representado na …

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…