30/12/2014

O ano que (finalmente!) acabou

Ufa, que ano maluco, esse! Achei que o ótimo começo fosse um presságio de um ano tão bom quanto o passado, mas fiquei bastante decepcionada comigo mesma por não ter me permitido que 2014 tivesse sido melhor. 

Já estava com essa postagem prontinha, mas resolvi apagá-la toda a transformar a conversa em uma lista. Fica menos cansativo, menos desnecessariamente pessoal demais e, se alguém quiser conversar sobre qualquer coisa que vir aqui, é só me chamar onde vocês já sabem que estou. :D



Ajudinha do John novamente, esse ano.

→ Coisinhas legais ←


► Viajei rapidinho pra encontrar alguns amigos (alguns deles, pela primeira vez). Não sei por que é tão complicado conseguir fazer uma viagem dar certo, mas pelo menos essa foi.

► Reencontrei antigas amigas e colegas da faculdade (algumas, pela primeira vez desde a nossa formatura, há quase 6 anos). Teria sido ainda mais legal se todos pudessem ter ido à reunião, mas valeu o encontro.

► Finalmente recebi a visita da minha amiga mais querida lá de Campo Mourão. Dez anos de fofoca pra colocar em dia!

► Adotamos mais um gatinho e estou cultivando mais duas plantas carnívoras. Todos são bem gulosos.

► Passei a me dedicar mais às traduções e tive a oportunidade de ser avaliada por um tradutor bem experiente e reconhecido que, apesar de alguns puxões de orelha, elogiou muito o meu "português de primeiríssima linha" e me chamou de "talentosa".

► Aprendi MUITO sobre o mercado de trabalho dessa área, depois de apanhar bastante; aprendi a operar algumas ferramentas importantes pra produção render mais; e tentei de tudo um pouco até ver o que funciona e no que não vale a pena investir.

► Comecei a ajudar a minha irmã com as fotografias - não fotografando, mas diagramando os álbuns dos clientes. Têm ficado bons (todos estão amando, modéstia à parte :P), e isso tem aliviado o volume de trabalho da coitada.

► Fui convidada a colaborar de vez em quando com resenhas de livros e HQs para a revista Mundo Nerd, e já fui publicada em duas edições (a 5 e 6, pra quem quiser conferir).

► Ganhei um sorteio da página Sandman Brasil, yay! O dono da página, inclusive, foi a pessoa mais legal do mundo ao me dar a chance de receber o prêmio mesmo após o prazo de resposta (porque meus amigos que também curtem a página não se deram ao trabalho de me avisar que eu tinha ganhado, mas tudo bem, deu tudo certo).

► Ganhei festa de despedida de uma turma de alunos superqueridos que me dão muita saudade

► Na categoria revelação bombástica: dei um chute bem gostoso na bunda da depressão ao entender e aceitar que eu, afinal, não tenho mais que me forçar a/fingir ser uma heterossexual normal, porque não sou! Depois de muita leitura, estudo e conversa descobri que sou assexual, que é uma orientação normal para 1% da população mundial (somos 70 milhões assumidos); e que existe uma grande comunidade de apoio e conscientização para a menos estudada e mais mal interpretada das orientações sexuais. É complicado para as pessoas das demais orientações entender a assexualidade sem ser um pouco preconceituoso (sim, ouvi todo o tipo de coisa até de homossexuais) e fazer uns comentários meio ofensivos, às vezes; por isso peço que os curiosos deem uma olhada nesse "guia" resumidinho.

não é nada pessoal, MESMO.


► Na categoria milagre: minha primeira planta carnívora quase passou dessa pra melhor e deixou só as raízes pra trás - mas, depois de meses de insistência minha, voltou a brotar. Uma das nossas gatas se machucou bem feio e sumiu por três semanas, mas acabou voltando pra casa depois de toda a esperança ter sido perdida.


→ Coisinhas chatas e bobonas ←



► O gatinho que adotamos no ano passado (meu companheirinho mais querido) foi embora e nunca mais voltou. Todo tipo de coisa horrível passou pelas nossas cabeças e, enfim, foi uma perda difícil de aceitar.

► Perdemos nosso avô pra um câncer idiota que o fez sofrer muito. O descanso dele depois de tantos anos foi um alívio pra todos, mas me despedir dele em seu último dia de vida foi horrível :(

► Deixei meu emprego como professora de inglês, justo quando achava que finalmente havia encontrado algo que me dava prazer em trabalhar, porque deixei a depressão e a ansiedade tocarem o Terceiro Reich no meu emocional. Precisei me afastar e colocar as ideias em ordem.

► Ainda não as coloquei.

► O único plano que eu tinha pra esse ano, o de voltar a estudar alemão ou o francês, não deu certo. As únicas duas escolas da cidade que oferecem os cursos são caríssimas e eu não tenho como arcar com nenhum deles. Lamento não ter disciplina para estudar por conta própria :(

.

Não tô pensando em planos pra 2015; tô frustrada com essa coisa toda de trabalho fixo e não consigo pensar em nada que não pareça desperdício de dinheiro. Estou com algumas esperanças ínfimas, porém, e... vai que dá?

Um melhor ano a todos, e obrigada mais uma vez pela companhia!

- Manu