Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2015

Minhas 10 citações favoritas

(tema retirado de uma lista de propostas)
Sejam de livros, de músicas, filmes ou entrevistas, algumas citações nos impactam de tal modo que sentimos a necessidade de tê-las acessíveis em todos os lugares, além do mural do Facebook. Eu costumava colocá-las em camisetas.
Vai ser difícil escolher apenas dez porque memorizo muitas, muitas citações, para serem usadas nas mais diversas situações. Acho provável que eu faça outra postagem como esta, futuramente, para aproveitar o que não usei aqui agora.
Seguem as preferidas, sem ordem de preferência:
1. "I was your joke. You were my lesson." - Henry Rollins ("Eu fui sua piada. Você foi minha lição.")
Rollins é uma fonte inesgotável de citações memoráveis, mas as coisas que ele compilou em Solipsist são as que mais me chamam a atenção. Já comentei sobre o livro anteriormente e já reproduzi várias coisas que tirei de lá, aqui no blog ou no Facebook. Esta aqui, entre tantas outras favoritas tiradas do livro, explicita bem mi…

Quando ninguém está olhando, eu...

(tema retirado de uma lista de propostas)

A intenção aqui é escancarar um segredo, então... Vamos lá queimar a cara.

Quando ninguém está olhando, eu...
... me empolgo com música.


Não parece grande coisa, mas é o tipo de coisa que eu só faço quando tô absolutamente sozinha.
Definindo "me empolgar":
- Eu canto. Eu sou muito, muito desafinada, e o tipo de música que eu mais gosto de cantar é justamente aquele cantado por pessoas talentosas. Pior que isso, às vezes imagino estar participando de um programa de talentos, e isso é algo que faço desde que me conheço por gente. Dependendo do meu estado de espírito, se eu estiver ouvindo algo cantado por várias pessoas, faço as partes de apenas uma delas - gosto mais de fazer os backing vocals ou de um vocalista que não seja o principal. Entretanto, nunca participei de um karaokê e nem ao menos canto quando sei que alguém pode ouvir (casos em que apenas dublo apaixonadamente), porque, além de ser horrivelmente introvertida, tenho noção …

Na Noite Terrível

Na noite terrível, substância natural de todas as noites,
Na noite de insônia, substância natural de todas as minhas noites,
Relembro, velando em modorra incômoda,
Relembro o que fiz e o que podia ter feito na vida.
Relembro, e uma angústia
Espalha-se por mim como todo um frio do corpo ou um medo.



O irreparável do meu passado - esse é que é o cadáver! Todos os outros cadáveres pode ser que sejam ilusão. Todos os mortos pode ser que sejam vivos noutra parte. Todos os meus próprios momentos passados pode ser que existam algures, Na ilusão do espaço e do tempo, Na falsidade do decorrer.


Mas o que eu não fui, o que eu não fiz, o que nem sequer sonhei;
O que só agora vejo que deveria ter feito,
O que só agora claramente vejo que deveria ter sido -
Isso é que é morto para além de todos os Deuses,
Isso - e foi afinal o melhor de mim - é que nem os Deuses fazem viver... 



Se em certa altura Tivesse voltado para a esquerda em vez de para a direita; Se em certo momento Tivesse dito sim em vez de não, ou não em vez …

Conhece o teste de personalidade Myers-Briggs?

O MBTI (Myers-Briggs Type Indicator) é um teste psicométrico altamente difundido pelo mundo, embora não seja completamente validado pela psicologia.
Baseadas nas teorias tipológicas propostas originalmente por Carl Jung, Katherine Briggs e sua filha Isabel Myers desenvolveram este indicador na época da Segunda Guerra com a intenção de que, com tal teste, as mulheres descobrissem que trabalhos poderiam desempenhar com mais eficiência e conforto de acordo com os aspectos das suas personalidades. 
O teste considera 16 tipos de personalidades, representados por siglas que são combinações de quatro dicotomias. São elas:


EXTROVERSÃO x INTROVERSÃO SENSORIAL x INTUIÇÃO RAZÃO (Thinking) x SENTIMENTO (Feeling) JULGAMENTO x PERCEPÇÃO

Os 16 tipos são, portanto (clique para ampliar):



Ao realizar o teste, que consiste de várias perguntas a respeito de suas preferências pessoais, o indivíduo é apresentado a um relatório com a sigla das quatro dicotomias que representam seu tipo de personalidade. Um tes…

A história real do cara que achava que era um zumbi

Aliás, ele tinha certeza.
Conhecido pela bibliografia médica apenas como Graham, o homem, que sofria de uma depressão gravíssima, decidiu que tiraria a própria vida. Em meados de 2004, Graham encheu uma banheira e entrou nela segurando algum equipamento elétrico.
Oito meses depois, Graham ligou para o seu médico para dizer que a tentativa de suicídio tinha dado certo e que ele estava morto.


O choque obviamente não matou Graham, mas o deu a certeza absoluta de que seu cérebro não funcionava mais. De fato, ele estava tão convencido de que estava realmente morto, que sua "vida" a partir daquele dia ficou até pior do que estava antes: o som da sua própria voz o irritava (já que mortos supostamente não falariam), cessou qualquer rotina de higiene (porque mortos não precisam dela), parou de fumar (pois afirmava que a nicotina não fazia mais nada por ele) e parou de tomar a medicação para depressão (porque a depressão é uma doença mental e seu cérebro "não funcionava mais&quo…

Sugestões de Leitura de 2015: Janeiro - Fevereiro

Uhu! Começamos novamente as postagens que mais gosto de fazer!
É até simples preparar os relatórios bimestrais de leitura: assim que termino de ler um livro já venho escrever a resenha aqui e salvo o rascunho, então me lembro melhor de tudo o que gostaria de dizer sobre ele.

Separo bimestralmente porque dá pra juntar uma quantidade boa de livros em uma postagem só - se for fazer uma postagem pra cada um, ou mensalmente, aí o blog vira depósito de resenha e mal terei espaço para as outras postagens -, e assim as dicas também não ficam tão atrasadas, como acabavam ficando nas postagens anuais. Acham que funciona assim, ou têm alguma maneira melhor em mente? Estou aberta a sugestões!
Vamos às primeiras leituras do ano:
▼▼▼▼▼
O Mistério de Edwin Drood Charles Dickens - Lachâtre - 2001 (1873) - 536p.
Edwin ganha seu nome na capa, mas a história mesmo gira em torno do maestro John Jasper, tio dele - um homem aparentemente correto e um verdadeiro cavalheiro, mas que esconde alguma perturbaçã…