Pular para o conteúdo principal

As Regras de Civilidade de George Washington

George Washington, como acredito que todos saibam, foi o primeiro presidente dos Estados Unidos (entre 1789 e 1797) e um dos Fundadores do país. Vocês reconhecerão seu rosto como um dos quatro esculpidos no Monte Rushmore e estampando as notas de um dólar. Não vou entrar em pormenores do seu papel político - apesar de ter sido reconhecidamente um grande homem e feito grandes coisas pelo seu país -, mas destacar algo curioso a seu respeito.

Washington mantinha, desde a adolescência, um caderno em que passou a limpo 110 itens de um livro chamado Regras de Civilidade e Comportamento Decente na Companhia dos Outros e Durante a Conversação. Não se sabe exatamente a origem dessas regras, mas presume-se que baseiem-se em premissas dos padres jesuítas franceses do século XVI. Tais regras ditam boas maneiras ao lidar com outras pessoas e, embora possam parecer bobas e fora de moda hoje em dia, bem poderiam ainda ser usadas por representantes mundiais e... honestamente, todo mundo. Afinal, tudo aqui se resume apenas a boa educação.

Entre a maneira apropriada de se vestir, cumprimentar, se portar à mesa e falar, são algumas delas:

6. Não durma quando os outros falam, não se sente quando os outros estão de pé, não fale quando deveria se manter em silêncio, não ande quando os outros pararem.

22. Não demonstre alegria com a desgraça alheia, mesmo que se trate de um inimigo.

38. Ao visitar os doentes, não assuma o papel de médico se não tem conhecimento para tanto.

44. Quando alguém fez tudo o que pôde mas não foi bem sucedido, não o critique por ter tentado.

47. Não ridicularize nada que seja de importância para os outros e, se não tiver nada de agradável ou inteligente para dizer, guarde para si mesmo.

48. Antes de recriminar os outros, certifique-se de não ter cometido o mesmo erro; porque o exemplo vale mais do que o preceito.

68. Não vá aonde não conhece sem saber se é bem-vindo. Não dê conselhos a não ser que seja solicitado e, se for, faça-o brevemente.

89. Não fale mal de quem não estiver presente, porque é injusto.

100. Não limpe seus dentes com o guardanapo, toalha de mesa, garfo ou faca; mas, se os outros fizerem isso, deixe que façam e não fique olhando.



As demais tratam de não se meter no assunto dos outros, não falar ou rir alto demais, não interromper, não espalhar notícias sem checar se a fonte é confiável, não prometer o que não pode cumprir... Enfim, o básico da boa educação.

A lista completa (em inglês) vocês conferem aqui.


(tal lista é mencionada no livro A Miscelânea Original de Schott, que já indiquei)

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…