01/05/2015

Sugestões de leitura de 2015: Março - Abril

Os dois últimos meses foram bem lentos nas leituras... Me deixei desanimar pra algumas coisa que amo fazer (como ler e assistir às séries), mas é só uma fase boba e espero logo voltar à programação normal.

Ainda estou pensando em uma maneira mais original/interessante de apresentar estas recomendações, sem que pareça plágio de quem faz isso melhor. As visitas também andam caindo a cada relatório, então talvez eu volte a fazer anual - 'cês gostam de me ver sofrer, né?


▼▼▼▼▼


O Mistério da Estrela - Stardust
Neil Gaiman - Rocco - 2008 (1999) - 268p.

O amor pode ser uma coisa meio idiota... Especialmente quando faz a gente prometer coisas idiotas para pessoas um tanto idiotas que não querem realmente que você faça coisas idiotas para elas, mas o forçam mesmo assim. Tristran Thorn era um idiota apaixonado, que prometeu buscar para Victoria Forrester uma estrela que havia acabado de cair. Só que a tal estrela caiu na Terra Encantada - divisa com o lugarejo de Muralha, na Inglaterra, e ninguém simplesmente atravessa o muro para lá. Mas, determinado, o rapaz deu adeus à sua vida comum e partiu atrás de sua estrela, e, pelo caminho, descobriu coisas surpreendentes a respeito do lugar, da própria estrela, e de si mesmo. Infelizmente, o jovem Tristran não era o único que buscava tal tesouro, e teve que enfrentar perigos estranhos e fazer aliados incomuns. A história é bem divertida, cheia de reviravoltas, uma atmosfera típica de contos-de-fadas (com bruxas, criaturas, reis e príncipes, maldições e piratas voadores) e um epílogo que arranca algumas lágrimas. Premiado como o melhor conto-de-fadas para todas as idades (embora eu não necessariamente o recomende para crianças, devido a algumas cenas bem explícitas), O Mistério da Estrela - Stardust virou filme em 2007 com algumas adaptações e um elenco fantástico. 



O Pacto
Joe Hill - Arqueiro - 2010 - 319p.

(Reeditado posteriormente com a capa e o nome do filme baseado nele, Amaldiçoado)
Ig Perrish não está no seu melhor momento. Apesar de ser um cara de bom coração e boas intenções, vir de uma família privilegiada e ter encontrado o amor da sua vida ainda bem cedo, um dia as coisas simplesmente deram errado. A mulher da sua vida foi estuprada e assassinada, todo mundo na cidadezinha de Gideão acha que foi ele, seus amigos e familiares o tratam com frieza; e aí um dia, como se essas desgraças todas ainda não fossem o suficiente, ele simplesmente acorda após uma noite de bebedeira e descobre que está com um protuberante par de chifres na cabeça. Mais estranho que isso, ele logo descobre que os chifres influenciam as pessoas a contarem seus segredos mais obscuros e agirem das maneiras mais improváveis. Após perceber que ninguém que ele achava conhecer era realmente o que ele pensava, Ig se aproveita da bizarra situação para solucionar o assassinato da namorada. Este livro está, facilmente, entre as coisas mais bizarras que já li na vida. É complicado não comparar o estilo de Joe Hill ao do pai, Stephen King (e ele provavelmente odeia isso), mas ao menos o talento pro vocabulário chulo ele tem... Trivialidades a parte, a história é bem original e é narrada de uma maneira difícil de interromper a leitura. Apesar de ser um thriller sobrenatural, a narrativa é divertida e chega a arrancar risadas em diversos pontos. Talvez seja um tanto confuso que os flashbacks sejam inseridos fora de cronologia durante toda a história, mas eles fazem parte das várias surpresas a respeito dos personagens.




Eu, Robô
Isaac Asimov - Aleph - 2014 (1950) - 315p.

Eu sinceramente não esperava que este livro fosse ser tão divertido. Até mesmo eu, que sou tão acostumada a ler ficção científica e que a amo, tendo a esperar pelos termos difíceis e os enredos complexos e respirar fundo antes de começar. Entretanto, o que Asimov faz com seus robôs aqui é tão delicioso de se ler que não hesitei em acrescentar este livro aos meus favoritos. A obra compila nove contos escritos entre as décadas de 1940 e 1950 e lançados em fascículos pelo autor, na época. Todos se interligam pela personagem principal, Susan Calvin, psicóloga roboticista que esteve direta ou indiretamente envolvida em cada um dos casos de evolução dos robôs. Começando com a comovente história de Robbie, o robô-babá da geração que ainda não sabia falar, passando por robôs que foram programados com diferentes funções mais avançadas, desenvolveram personalidades e equipados com um cérebro positrônico capaz de coisas que nenhum humano jamais previu: robôs que leem mentes, robôs com complexo de deus, robôs destituídos da Primeira Lei da Robótica (aquela que os impede de machucar um ser humano ou, por inação, permitir que um ser humano venha a se machucar), até finalmente chegar ao futuro em que Máquinas controlarão com perfeição a economia e todo o funcionamento do planeta. É muito legal ver as previsões que Asimov tinha sobre o nosso presente (uma das histórias, inclusive, se ambienta em 2015) e imaginar como ele estaria surpreso com coisas que ele não previu, e bastante decepcionado por coisas que ainda não conseguimos. Os contos mais divertidos e os momentos mais engraçados ficam por conta de Mike Donovan e Greg Powell, funcionários da US Robots que são encarregados dos testes de protótipos. Garanto que não haverá um momento sequer de tédio nessa leitura - recomendadíssima!



Perdido em Marte
Andy Weir - Arqueiro - 2014 (2011) - 336p.

Já este é um exemplo de ficção científica com bastante ciência. O que não é ruim, em absoluto, especialmente porque ela é apresentada aqui de um jeito bem divertido, graças ao humor sensacional do protagonista, e o mais simples possível para que todos os leigos possam acompanhar. Ambientada em um futuro próximo, essa é a história do astronauta Mark Watney, tripulante de uma missão científica intencionada que durasse apenas alguns dias em Marte. Porém, uma tempestade pega a todos de surpresa, e a tripulação é obrigada a abandonar a missão. Na correria, Mark é atingido por destroços na tempestade e os outros o perdem de vista e todo o contato com ele. Certos de que ele estava morto, os demais voltaram à nave e traçaram o curso de volta para a Terra. Só que Mark estava vivo. E ficou pra trás. Sozinho. Em Marte. Graças às suas formações em Botânica e Engenharia, Watney conseguiu se virar com o que tinha a partir do equipamento que ficou pra trás e suas experiências de plantio em solo marciano. O astronauta precisa dar um jeito de sobreviver até a próxima missão chegar ao planeta, dali a quatro anos. É o tipo de livro que a gente lê e aprende muita coisa: desde tornar um solo árido em algo fértil o suficiente pra plantar batatas, passando por compor uma atmosfera respirável dispondo apenas de hidrogênio, até o processo de conseguir água para consumo e irrigação utilizando apenas os líquidos disponíveis. A história é narrada através do diário de Mark Watney e de breves interlúdios da Nasa. É uma leitura ao mesmo tempo tensa, didática e divertida. Seria interessante ter este livro em mãos na eventualidade de nos perdermos no planeta vermelho.



Os Livros Malditos
Jacques Bergier - Hemus - 1972 (1971) - 137p.

Sempre que bate aquela vontade de ler algo conspiratório e misterioso sobre o mundo, recorro aos livros da minha mãe; ela tem um bom estoque deles. Neste livro, Jacques Bergier (engenheiro químico, escritor, jornalista e espião) faz um ensaio sobre os principais livros que foram apagados da História: que livros eram, que tipo de informação perigosa continham, quem os escreveu ou de onde vieram, quem ordenou sua destruição e por quê, e no que mundo seria diferente se a humanidade tivesse acesso a eles - baseado em pesquisas de evidências e lendas. Alguns dos mais famosos são o Livro de Toth, que supostamente conteria a revelação de todos os segredos da humanidade; as publicações de John Dee, pretenso alquimista e consultor sobrenatural da família real britânica, que tinha um inexplicável conhecimento de línguas há muito mortas; as principais obras que foram perdidas com a destruição da Biblioteca de Alexandria, que foi atacada diversas vezes antes de ser finalmente obliterada do mundo; o misterioso e perigoso Excalibur, suposto livro em que se fundamenta a Cientologia; entre outros. Segundo o autor, há uma organização secular por trás da destruição de todas essas obras. O livro levanta uma certa vontade de ler tais obras e descobrir por que foram consideradas tão perigosas (algumas chegavam a enlouquecer quem as lia), mas é bastante didático e, ao mesmo tempo, bastante conspiratório. Uma leitura interessante.



E-books:

Poesia Completa de Álvaro de Campos
Fernando Pessoa - 247 S.A. - 2013 (1888-1935) - 160p.

"(...)
Temos todos duas vidas:
A verdadeira, que é a que sonhamos na infância,
E que continuamos sonhando, adultos, num substrato de névoa;
A falsa, que é a que vivemos em convivência com outros,
Que é a prática, a útil,
Aquela em que acabam por nos meter num caixão.
Na outra não há caixões, nem mortes,
Há só ilustrações de infância:
Grandes livros coloridos, para ver mas não ler;
Grandes páginas de cores para recordar mais tarde.
Na outra somos nós,
Na outra vivemos;
Nesta morremos, que é o que viver quer dizer.
(...)"  [Dactilografia]

Meu problema com Fernando Pessoa é que, sempre que leio algo dessa cabeça genial e triste, quero ser irritante e postar citações em todos os lugares. Tudo faz sentido. Tudo parece uma situação de "senta aqui, Manu, vamos conversar", enquanto uma mão me consola pela tristeza, com o discurso de "eu sei bem como é", e a outra aponta para o mundo e pragueja contra a humanidade pela sua indiferença e futilidade. Adoro Fernandão! Esta publicação reúne todos os poemas que ele escreveu sob a personalidade Álvaro de Campos, e tem quase todos os meus favoritos: Lisbon revisited (1923)Estou cansado, Na noite terrível, Poema em linha reta, Se te queres (mas esse é perigoso, cuidado com ele). Infelizmente, o texto do arquivo está corrido, e não separado em versos - apesar dos marcadores de quebra de linha; mas está em domínio público e pode ser adquirido gratuitamente em qualquer plataforma!




Poesia Completa de Alberto Caeiro
Fernando Pessoa - Nostrum- 2013 (1888-1935) - 264p.




Considera-se Alberto Caeiro a maior das personalidades de Fernando Pessoa: um homem simples, sem instrução, mas grande admirador da natureza pelo que ela é, sem qualquer associação filosófica à existência das coisas. Esta edição compila tudo o que Pessoa escreveu sob este heterônimo, principalmente O Guardador de Rebanhos, que compôs em uma única noite de insônia. Caeiro não é meu favorito (Álvaro de Campos está no topo, pra mim), mas alguns dos meus poemas favoritos de Fernando Pessoa foi escrito sob o nome dele: Se eu morrer novo; Falas de civilização, e de não dever ser e o capítulo XXIX do próprio O Guardador de Rebanhos.








HQ:


Os heróis mais poderosos da Marvel: Wolverine. Eu achando que a Panini tava me falindo, aí chega a Salvat e me quebra as pernas. Mal consigo pegar meus favoritos da coleção de clássicos, eles vão e lançam outra coleção de luxo! O primeiro fascículo foi dos Vingadores, bacana porque inclui a primeiríssima história deles e depois um arco com Ultron, já para preparar todo mundo para o filme. Este do Wolverine é o terceiro, e também conta com a primeiríssima aparição dele (naquele uniforme de gatinho contra o Hulk), e um arco pós-Complexo de Messias em que ele está à caça de Mística. Comprei o volume por causa desse arco, porque conta como ele conheceu a terrorista, há muitas décadas, e vai mostrando como o relacionamento entre eles foi se desenvolvendo enquanto ele morre algumas vezes no processo. Os volumes desta coleção também acrescentam um anexo com um resumão da história dos heróis em questão, apresenta o processo de criação e evolução dos personagens, e indica as leituras essenciais.

Um comentário:

  1. Oba! Adoro essas listas! Eu, Robô eu li há muito tempo, muito, muito antes de saber que 2015 seria tão diferente do previsto por Asimov. O que mais gostei desse livro foram as três leis da robótica, aparentemente tão lógicas e seguras, mas a cada capítulo ele apresenta um paradoxo gerado por elas. Preciso reler urgente!
    Esse do Andy Weir também é bom mesmo, e é só o primeiro livro do autor. Já estou de olho no próximo.
    Keep reading!

    ResponderExcluir

Bom senso, respeito e educação são esperados e sempre bem-vindos nos comentários. Obrigada pela visita!