Pular para o conteúdo principal

Não se fazem mais bailes como o da Ilha Fiscal

Último Baile, de Aurélio de Figueiredo (1905) - Museu Histórico Nacional, RJ


Seis dias antes da Proclamação da República (façam as contas, seus brasileiros), a nossa monarquia resolveu dar uma grande festa na Ilha Fiscal, no centro histórico do Rio de Janeiro, que era a capital do nosso país, na época. A desculpa da festa era homenagear os oficiais do navio chileno "Almirante Cochrane", que estava aportado por lá já há duas semanas; mas, na verdade, a festa era mais para comemorar as bodas de prata da Princesa Isabel e seu marido, o Conde d'Eu. Entretanto, acima de tudo, a intenção da grande festa era provar à toda alta sociedade e à oposição republicana o quão grande e poderoso ainda era o Império.

Segundo relatos, o tal baile foi a festa mais luxuosa e extravagante que o Brasil já viu. Estima-se que tenha reunido de três a cinco mil pessoas, que foram recepcionadas por belas moças fantasiadas de fadas ou sereias, em um salão decorado com raridades do mundo todo e muita música. Porém, foi o jantar, servido para 500 pessoas, que realmente deu fama à grande festa. Foram consumidos:


  • 300 frangos
  • 500 perus
  • 800 kg de camarão
  • 64 faisões
  • 1200 latas de aspargos
  • 20 mil sanduíches
  • 2900 pratos de doces
  • 14 mil sorvetes
  • 10 mil litros de cerveja
  • 304 caixas de vinhos, champanhes e outras bebidas

Embora não seja historicamente confirmado, diz-se que, assim que chegou à festa, D. Pedro II escorregou e caiu em frente a todos. Ao se recompor, teria dito: "O monarca escorregou, mas a monarquia não caiu!" (mal sabia ele...). No entanto, dizem que ele não se divertiu no baile e foi embora sem jantar.


O grande baile sugou dos nossos cofres a quantia de 250 contos de réis (equivalente a pouco mais de 30 milhões de reais, hoje em dia), que foi retirada de obras públicas e do apoio às vítimas da seca no Ceará.

-

Pensando bem, ainda bem que não se fazem mais bailes como o da Ilha Fiscal...

-

Fonte: Wikipedia

Postagens mais visitadas deste blog

Algumas das bandeiras mais interessantes do mundo

As bandeiras dos países do mundo são mais do que uma demonstração de cores e padrões: cada detalhe - a escolha e predominância das cores, as faixas, os símbolos, as formas - carrega um significado histórico e/ou cultural que ensina muito sobre o país representado. Selecionei para essa postagem algumas das histórias mais interessantes.
(Não vou falar da nossa Auriverde porque todos nós já estamos carequinhas, certo?)



Reino Unido Union Flag ou Union Jack (azul, vermelho e branco)
Essa bandeira não é a da Inglaterra, como muitos pensam, mas representa os quatro países que formam o Reino Unido: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Esse desenho é usado desde 1801, quando a Grã-Bretanha se uniu à Irlanda do Norte, e é uma mistura das bandeiras desses países: a cruz vermelha de São Jorge (patrono da Inglaterra) sobre a cruz branca de São Patrício (padroeiro da Irlanda), por sua vez sobre a cruz de Santo André (padroeiro da Escócia). O País de Gales não está representado na …

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

Conhece o teste de personalidade Myers-Briggs?

O MBTI (Myers-Briggs Type Indicator) é um teste psicométrico altamente difundido pelo mundo, embora não seja completamente validado pela psicologia.
Baseadas nas teorias tipológicas propostas originalmente por Carl Jung, Katherine Briggs e sua filha Isabel Myers desenvolveram este indicador na época da Segunda Guerra com a intenção de que, com tal teste, as mulheres descobrissem que trabalhos poderiam desempenhar com mais eficiência e conforto de acordo com os aspectos das suas personalidades. 
O teste considera 16 tipos de personalidades, representados por siglas que são combinações de quatro dicotomias. São elas:


EXTROVERSÃO x INTROVERSÃO SENSORIAL x INTUIÇÃO RAZÃO (Thinking) x SENTIMENTO (Feeling) JULGAMENTO x PERCEPÇÃO

Os 16 tipos são, portanto (clique para ampliar):



Ao realizar o teste, que consiste de várias perguntas a respeito de suas preferências pessoais, o indivíduo é apresentado a um relatório com a sigla das quatro dicotomias que representam seu tipo de personalidade. Um tes…