Pular para o conteúdo principal

Cover: " The House of the Rising Sun"

There is a house in New Orleans
They call The Rising Sun
And it's been the ruin of many a poor boy
And God, I know I'm one.

Essa é daquele tipo de música que ainda é tão regravada que todo mundo conhece, seja que versão de que artista for!

The House of the Rising Sun é uma canção folk muito antiga (dizem que a melodia original data do século XVII), e, às vezes, é chamada de Rising Sun Blues. Dependendo da versão que recebe, a letra sofre algumas alterações, mas, de modo geral, trata-se da história de alguém que passa maus bocados em Nova Orleans e implora a quem ouve que não vá para lá e sofra o mesmo destino.

A canção recebeu mais de 200 versões, de praticamente todos os principais artistas de folk e vários outros estilos. Vou listar as mais famosas ou diferentes.




Não se sabe quem compôs a letra original, mas a gravação mais antiga foi feita por Ashley e Foster em 1933. Ashley disse ter aprendido a música com o avô.



Em 1941, um dos mais importantes cantores americanos de folk, Woody Guthrie, gravou uma versão, que já é mais próxima da que conhecemos hoje (mas ela só foi aparecer em um álbum já na década de 1960).



A primeira mulher a gravar uma versão foi Ronnie Gilbert, vocalista do The Weavers, em 1959.



No ano seguinte, Joan Baez gravou uma versão para o seu primeiro álbum e a apresenta em seus shows até hoje.



Seguindo o exemplo de Joan Baez, Bob Dylan também gravou uma versão para o seu primeiro álbum, lançado em 1962.



No mesmo ano, Nina Simone lançou sua versão mais acelerada da música, trocando os gêneros na letra.



Em 1964, o The Animals gravou o que é até hoje considerada a versão de maior sucesso da música, que ficou no topo das paradas britânicas e americanas por bastante tempo. Essa versão, que soa um tanto sombria se comparada às anteriores, foi inspirada na versão de Bob Dylan, que, desde então, parou de tocá-la pois estava sendo injustamente acusado de plágio. Dylan, porém, diz que a versão do Animals é a sua favorita.



Outra versão que fez muito sucesso (em nível internacional, ainda mais sucesso que a versão do The Animals) foi no rock psicodélico que a banda Frijid Pink lançou nos anos 1970, que ficou nas paradas do mundo todo.



Partindo pra outros estilos, Dolly Parton, cantora country, lançou sua versão dançante em 1981. Essa versão retoma um pouco da letra original e também ficou um tempo nas paradas do gênero.



Sinéad O'Connor também gravou uma versão, em 1994. Não há muita informação sobre ela, mas coloquei na lista porque é Sinéad



A banda de rock nacional Ira! também lançou uma versão, em 1996, em acelerado punk rock!



Em 2011 foi a vez do The Gaslight Anthem, que é uma das minhas bandas favoritas no mundo todo , gravar uma versão para um álbum de covers.



Pra fechar, a banda de metal Five Finger Death Punch também lançou uma versão, em 2013 (nesse vídeo, a partir de 1:48), trocando a cidade de Nova Orleans para Sin City, em alusão à jogatina em Las Vegas. Essa versão fez bastante sucesso nas rádios de rock.


.


O que seria exatamente a tal casa Rising Sun ainda é motivo de especulação, e nem se sabe se a música era sobre um lugar real ou fictício. Há quem diga que tenha sido uma casa de jogos de azar, há quem diga que tenha sido um bordel. Algumas teorias defendem que a letra pode ser interpretada como uma moça que assassinou seu pai, jogador bêbado, e que, portanto, a tal casa fosse a prisão. Outra teoria clama que o lugar era onde as prostitutas ficavam reclusas enquanto se curavam de sífilis (!). Encontraram em Nova Orleans muitos lugares com esse nome ou com o símbolo do sol nascente, então, poderia ter sido qualquer um desses. Ou nenhum. Vai saber.


Qual a sua versão favorita de The House of the Rising Sun?

.


Para ver a lista completa de todos os artistas que gravaram The House of the Rising Sun, clique aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Algumas das bandeiras mais interessantes do mundo

As bandeiras dos países do mundo são mais do que uma demonstração de cores e padrões: cada detalhe - a escolha e predominância das cores, as faixas, os símbolos, as formas - carrega um significado histórico e/ou cultural que ensina muito sobre o país representado. Selecionei para essa postagem algumas das histórias mais interessantes.
(Não vou falar da nossa Auriverde porque todos nós já estamos carequinhas, certo?)



Reino Unido Union Flag ou Union Jack (azul, vermelho e branco)
Essa bandeira não é a da Inglaterra, como muitos pensam, mas representa os quatro países que formam o Reino Unido: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Esse desenho é usado desde 1801, quando a Grã-Bretanha se uniu à Irlanda do Norte, e é uma mistura das bandeiras desses países: a cruz vermelha de São Jorge (patrono da Inglaterra) sobre a cruz branca de São Patrício (padroeiro da Irlanda), por sua vez sobre a cruz de Santo André (padroeiro da Escócia). O País de Gales não está representado na …

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

Conhece o teste de personalidade Myers-Briggs?

O MBTI (Myers-Briggs Type Indicator) é um teste psicométrico altamente difundido pelo mundo, embora não seja completamente validado pela psicologia.
Baseadas nas teorias tipológicas propostas originalmente por Carl Jung, Katherine Briggs e sua filha Isabel Myers desenvolveram este indicador na época da Segunda Guerra com a intenção de que, com tal teste, as mulheres descobrissem que trabalhos poderiam desempenhar com mais eficiência e conforto de acordo com os aspectos das suas personalidades. 
O teste considera 16 tipos de personalidades, representados por siglas que são combinações de quatro dicotomias. São elas:


EXTROVERSÃO x INTROVERSÃO SENSORIAL x INTUIÇÃO RAZÃO (Thinking) x SENTIMENTO (Feeling) JULGAMENTO x PERCEPÇÃO

Os 16 tipos são, portanto (clique para ampliar):



Ao realizar o teste, que consiste de várias perguntas a respeito de suas preferências pessoais, o indivíduo é apresentado a um relatório com a sigla das quatro dicotomias que representam seu tipo de personalidade. Um tes…