Pular para o conteúdo principal

Cover: " The House of the Rising Sun"

There is a house in New Orleans
They call The Rising Sun
And it's been the ruin of many a poor boy
And God, I know I'm one.

Essa é daquele tipo de música que ainda é tão regravada que todo mundo conhece, seja que versão de que artista for!

The House of the Rising Sun é uma canção folk muito antiga (dizem que a melodia original data do século XVII), e, às vezes, é chamada de Rising Sun Blues. Dependendo da versão que recebe, a letra sofre algumas alterações, mas, de modo geral, trata-se da história de alguém que passa maus bocados em Nova Orleans e implora a quem ouve que não vá para lá e sofra o mesmo destino.

A canção recebeu mais de 200 versões, de praticamente todos os principais artistas de folk e vários outros estilos. Vou listar as mais famosas ou diferentes.




Não se sabe quem compôs a letra original, mas a gravação mais antiga foi feita por Ashley e Foster em 1933. Ashley disse ter aprendido a música com o avô.



Em 1941, um dos mais importantes cantores americanos de folk, Woody Guthrie, gravou uma versão, que já é mais próxima da que conhecemos hoje (mas ela só foi aparecer em um álbum já na década de 1960).



A primeira mulher a gravar uma versão foi Ronnie Gilbert, vocalista do The Weavers, em 1959.



No ano seguinte, Joan Baez gravou uma versão para o seu primeiro álbum e a apresenta em seus shows até hoje.



Seguindo o exemplo de Joan Baez, Bob Dylan também gravou uma versão para o seu primeiro álbum, lançado em 1962.



No mesmo ano, Nina Simone lançou sua versão mais acelerada da música, trocando os gêneros na letra.



Em 1964, o The Animals gravou o que é até hoje considerada a versão de maior sucesso da música, que ficou no topo das paradas britânicas e americanas por bastante tempo. Essa versão, que soa um tanto sombria se comparada às anteriores, foi inspirada na versão de Bob Dylan, que, desde então, parou de tocá-la pois estava sendo injustamente acusado de plágio. Dylan, porém, diz que a versão do Animals é a sua favorita.



Outra versão que fez muito sucesso (em nível internacional, ainda mais sucesso que a versão do The Animals) foi no rock psicodélico que a banda Frijid Pink lançou nos anos 1970, que ficou nas paradas do mundo todo.



Partindo pra outros estilos, Dolly Parton, cantora country, lançou sua versão dançante em 1981. Essa versão retoma um pouco da letra original e também ficou um tempo nas paradas do gênero.



Sinéad O'Connor também gravou uma versão, em 1994. Não há muita informação sobre ela, mas coloquei na lista porque é Sinéad



A banda de rock nacional Ira! também lançou uma versão, em 1996, em acelerado punk rock!



Em 2011 foi a vez do The Gaslight Anthem, que é uma das minhas bandas favoritas no mundo todo , gravar uma versão para um álbum de covers.



Pra fechar, a banda de metal Five Finger Death Punch também lançou uma versão, em 2013 (nesse vídeo, a partir de 1:48), trocando a cidade de Nova Orleans para Sin City, em alusão à jogatina em Las Vegas. Essa versão fez bastante sucesso nas rádios de rock.


.


O que seria exatamente a tal casa Rising Sun ainda é motivo de especulação, e nem se sabe se a música era sobre um lugar real ou fictício. Há quem diga que tenha sido uma casa de jogos de azar, há quem diga que tenha sido um bordel. Algumas teorias defendem que a letra pode ser interpretada como uma moça que assassinou seu pai, jogador bêbado, e que, portanto, a tal casa fosse a prisão. Outra teoria clama que o lugar era onde as prostitutas ficavam reclusas enquanto se curavam de sífilis (!). Encontraram em Nova Orleans muitos lugares com esse nome ou com o símbolo do sol nascente, então, poderia ter sido qualquer um desses. Ou nenhum. Vai saber.


Qual a sua versão favorita de The House of the Rising Sun?

.


Para ver a lista completa de todos os artistas que gravaram The House of the Rising Sun, clique aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…