Pular para o conteúdo principal

5 coisas que quero aprender




Eu amo, amo, AMO estudar. No que dependesse de mim, passaria minha vida estudando e aprendendo tudo o que pudesse. Não gosto da sensação de não entender como algo funciona ou por que as coisas são como são. Sempre fui autodidata quando me faltava a oportunidade de aprender o que eu tinha vontade, e foi mantendo essa mentalidade a minha vida inteira que aprendi de tudo um pouco, então me orgulho de poder contribuir com o que sei quando precisam.

Bom, deve ter gente rindo e pensando que sou uma coitada de uma "nerd/CDF" que não sabe curtir os prazeres da vida mas, ei!, estudar É um dos maiores prazeres da minha vida. E não existe problema nenhum nisso. É saudável, faz bem, me deixa feliz e não machuca ninguém. ;)

Dito isso, aqui vai uma lista das coisas que ainda pretendo aprender:





Russo, Latim e Gaélico

Aprendi inglês sozinha (começando com letras de música e um dicionário) e comecei a aprender alemão da mesma forma. Embora nunca tenha chegado a fazer um curso de inglês (exceto por um semestre simbólico para que eu pudesse ter um certificado), tive oportunidade de estudar formalmente alguns anos de alemão e francês. Mas esses cursos precisaram ser interrompidos e desde então venho estudando sozinha pra, pelo menos, não perder o que aprendi.

Só que estudar sozinha não me garante fluência em nenhuma dessas línguas e isso me entristece bastante. O jeito é me conformar em ter uma noção básica para que eu ao menos possa ler e entender textos nessas línguas, e é com essa intenção que quero aprender ainda outras. Russo, latim e gaélico estão na minha lista de prioridades, por enquanto, e são as que eu venho tentando aprender agora. 

Latim é muito mais simples do que parece (e isso pode tornar o aprendizado incrivelmente confuso!), mas o russo tá se mostrando um verdadeiro desafio. Enquanto eu não decorar o alfabeto e sua pronúncia correta, vou demorar pra conseguir aprender todo o resto, mas com mais treino eu sei que eventualmente consigo. E o gaélico é uma coisa bizarra pra qual não tenho muitos recursos para aprender, mas já consegui ao menos um dicionário e vou ver o que consigo fazer a respeito. Se eu tiver que ir pra Irlanda aprender, é uma boa desculpa pra viajar, não é?


Discipula sedula sum :)




Caligrafia

Desde criança eu tive vontade de aprender caligrafia profissional. Não sei pra que, especialmente porque é uma arte cada vez menos utilizada, mas sempre me fascinei por escrita e achava que seria legal aprender a fazer algo bonito com isso. Meu pai chegou a me dar uma apostila que ensina a fazer vários tipos de letras estilizadas e brinquei bastante com ela pra matar um pouco da vontade, mas ainda tenho aquela coceirinha de comprar os pincéis e tintas especiais e me jogar na arte. 

O que me impede é a triste realidade de saber que vou investir financeiramente em algo que não vai me dar retorno. Queria muito, muito ter dinheiro sobrando pra aprender tudo o que quero só por aprender, mesmo...



Esgrima

Isso deve ter parecido esquisito. Nunca fui a louca dos esportes (mal aprendi a jogar os esportes básicos da Educação Física e nunca tive muito interesse por eles), apesar de gostar de esportes como o xadrez. E nunca tive vontade de aprender artes marciais, apesar de gostar de assistir, porque, embora seja tentador aprender a bater nas pessoas, não sei lidar muito bem com a parte de apanhar. 

Mas a esgrima, poxa, a esgrima me dá lombriguinhas. Parece um treco esnobe, mas acho tão bonito! Amo de paixão ver boas cenas de lutas de espadas em filmes medievais (e, claro, sabres-de-luz em Star Wars!) e gostaria muito de saber fazer isso. Eu, como sempre, me interesso em aprender coisas que não vão me servir de nada na praticidade do dia a dia, mas eu não seria muito mais legal se soubesse usar uma espada?!



Tocar trombone

Acho que sempre tive vontade de aprender a tocar um instrumento musical, mas, até agora, não demonstrei muita habilidade ou talento pra nada ("nada" sendo o violão, que tentei aprender a tocar sozinha e não tive a mesma sorte que costumo ter com línguas, e o teclado, de que até consegui arrancar alguma coisa mas sem muita coordenação motora pra isso). 

Tenho impressão de que me sairia melhor com instrumentos de sopro (ou de percussão, mas esses ocupam muito espaço e isso é problemático) e, desde que comecei a me encantar por ska e jazz, sinto uma vontade inexplicável de aprender a tocar trombone. Não o sensual saxofone ou o prático trompete, mas o destrambelhado trombone de vara. Acho um instrumento divertido e deve ser muito legal de tocar; mas como diabos eu faria pra praticar trombone, e o que faria com ele depois, é um mistério. Acho que vou ficar só na vontade, mesmo.


Só que é injusto até a decoração de Natal de 2009 saber tocar e eu, não.




Mais biologia

Quatro anos de faculdade é pouquíssimo pra se ter uma mínima noção básica de tudo o que existe para se saber sobre a Vida. Não se trata apenas de estudar células (citologia), animais (zoologia) e plantas (botânica), mas também as estruturas físicas (anatomia) e celulares (histologia) deles, funcionamento (fisiologia), formação (embriologia), origem (evolução) e relação (ecologia); além de toda a matemática, (bio)física e muita, muita (bio)química que isso tudo envolve. 

Por isso, sempre que posso, leio e estudo mais sobre as áreas que mais gosto, mesmo que não atue como bióloga. E ainda tô juntando motivação pra me aprofundar nas áreas que gosto menos, porque não consigo lidar com a sensação de não entendê-las direito; e acho que lá no fundo (beeem no fundo) eu devo gostar de botânica, mas ainda não sei disso. HAHAHA


.



Essas são as cinco coisas que quero aprender, por enquanto. E vocês, o que têm vontade de aprender?

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…