Pular para o conteúdo principal

Argos, o cara que tava de olho em tudo

Argos Panoptes, de Marco Arce
Zeus, o Grande Pulador de Cerca Todo-Poderoso do Olimpo, veio à Terra se engraçar com a ninfa escolhida da vez, Io. Hera, a Deusa Protetora das Famílias e o Terror das Ninfas Seduzidas Pelo Marido, veio atrás do esposo para acabar com o oba-oba.

Mas, antes que Hera pudesse fazer algo a respeito (provavelmente transformar a ninfa em um animal ou uma árvore, como era o seu costume), Zeus foi rápido e, para proteger sua amante, resolveu disfarçá-la da esposa... transformando-a numa vaca.

Óbvio que o truque não ia funcionar com a Deusa Transformadora de Ninfas, então Hera jogou um charme dissimulado pra cima do maridão e disse algo como:

"Amor, que vaca maravilhosa! Me dá ela de presente?" *olhar brilhante de deusa enfurecida assassina sanguinolenta que não dá opção*, e Zeus teve de concordar.

Assim, Hera levou sua mais nova ninfa-vaca embora e a colocou sob guarda pra que o marido não viesse resgatá-la. Para guardá-la, Hera escolheu Argos Panoptes.


*interlúdio para a apresentação do grande Argos Panoptes*


Argos Panoptes era um gigante de origem controversa. Não se sabe muito bem quem eram seus pais, mas sabe-se que seu sobrenome significava "aquele que tudo vê" por um ótimo motivo: Argos tinha cem olhos espalhados por todo o corpo. Dizem que ele nunca fechava todos os olhos ao mesmo tempo; assim, quando dormia, metade deles estava sempre acordada. Além disso, Argos era superforte e já era famoso e respeitado por todos por ter ajudado em diversas ocasiões:  matou um touro que estava devastando uma cidade, matou um sátiro que roubava e violentava as pessoas, matou uma serpente que oferecia perigo a uma estrada, e matou os assassinos de seu suposto pai. Por tudo isso, Argos foi a escolha óbvia de Hera como guardião.


*fim do interlúdio*


Argos guardou a prisioneira fielmente por muito tempo, soltando-a para pastar e depois amarrando-a a uma oliveira no resto do tempo. Mas Zeus queria muito sua ninfa de volta, então pensou numa maneira de resgatá-la da esposa. Daí, então, foi ter uma conversinha com Hermes, o Deus de Um Monte de Coisas e Também dos Ladrões. Hermes não tinha como dizer não para Zeus, seu pai, então foi até o cativeiro de Io e pensou em como derrotar o seu grande e atento guardião.

Aqui, a história ganha duas versões. Uma delas diz que Hermes chegou sorrateiramente e matou Argos com uma pedrada, o que eu acho bem improvável, já que era impossível "chegar sorrateiramente" perto de Argos. A outra diz que Hermes chegou amigavelmente e sentou para conversar com o gigante, aí tocou uma doce melodia com sua flauta que colocou o grandão pra dormir, e aí, com menos olhos atentos, Hermes o decapitou com sua espada.

Descontentíssima, Hera soltou a ninfa-vaca Io e a obrigou a vagar pelos pastos da Ásia e Europa. Ela eventualmente chegou ao Egito, e lá Zeus a reencontrou, devolveu sua forma humana, e então tiveram um filho.

Enquanto isso, Hera homenageou o fiel Argus transferindo seus cem olhos para a cauda de sua ave favorita e também seu símbolo, o pavão.


Wilhelm Heinrich Roscher, 1890


Fonte: Theoi

.

Há algo que vocês precisam saber sobre os meus posts de mitologia: são coisas do meu dia-a-dia que me fazem lembrar de certas histórias. Hoje mesmo eu estava pensando em como seria bom ter mais olhos pra que eu pudesse ler várias coisas ao mesmo tempo, aí me lembrei de Argos. Agora quero que todo mundo lembre, também.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…