Pular para o conteúdo principal

Como escolher o que ler quando há muitas opções




Parece um tema besta de postagem, mas é que escolher a próxima leitura é algo que me ocupa tanto tempo e me exige tanto esforço que achei bom escrever sobre isso, caso alguém sofra o mesmo.

Já falei várias vezes sobre o projeto de ler tudo o que tem aqui em casa. Já disse algumas vezes que a gente tem cerca de 1500 livros. E também já comentei muitas vezes que, só aqui no meu quarto, ainda tenho vários que nunca saíram do plástico. E, finalmente, já devo ter comentado que tô me saindo bem mal nesse projeto porque tô sempre ganhando (mais do que comprando) livros. (NOTA: não parem de me dar)


Quer saber pra que eu tenho tanto livro? Leia aqui a postagem especial que fiz para O PASTEL NERD e entenda!


Excetuando casos em que temos de ler algo pré-determinado por motivo de estudo ou trabalho, escolher uma leitura de lazer pode ser um processo bastante trabalhoso. Normalmente, ao terminarmos uma leitura, já temos uma ideia do que queremos ler em seguida. Por exemplo, se estamos lendo uma série, a escolha óbvia é começar o próximo volume, se já estiver disponível. Às vezes, estamos imersos em algum gênero específico e queremos ler outras coisas parecidas. Ou, então, estamos descobrindo um autor e buscamos ler outras obras dele para formar opinião ou continuar curtindo. Pode ser que estejamos lendo uma não-ficção e aí queiramos dar continuidade ao assunto lendo o que foi recomendado nas referências bibliográficas, ou qualquer outra coisa que já tenhamos sobre o assunto. E também pode acontecer de sabermos que será lançado um filme baseado em algum livro e tenhamos curiosidade de lê-lo antes de assistir. Ou vice-versa. Esse é o processo normal das coisas.

Mas, aí temos pessoas que têm muitas opções. São pessoas que têm uma quantidade absurda de livros em casa, ou que frequentam bibliotecas, ou que adquirem e-books à vontade. Essas pessoas são indivíduos que já leram muita coisa na vida e querem ler ainda mais e, talvez por isso, nem sempre tenham em mente o que gostariam de ler depois de terminar o que estão lendo agora. É aqui que eu explico como faço pra lidar com esse dilema:



  • Meta do Skoob

Quem é cadastrado no Skoob sabe que o site pode ser uma ótima ferramenta de organização de leitura. A gente marca tudo o que já leu, dá nota, faz resenha, recomenda, troca, vende, marca os desejados, compra. Uma função legal, lá, é criar uma meta anual de leitura: é só marcar os livros que você pretende ler durante o ano e, conforme for terminando cada um, a barra de progresso vai aumentando e você pode controlar o que já leu e o quanto ainda falta. Como motivação pra que você não desista da meta, até ganhamos uma "medalha" a cada 250 páginas lidas. Essa é uma maneira de já determinar uma lista prévia do que ler e se ater a ela.




Entretanto, esse não me é um método muito eficaz, porque eu sempre acabava colocando na meta os livros que estavam há um tempão na espera, e, não raro, muitos acabavam ficando pra meta do ano seguinte simplesmente porque não estava no clima de lê-los ainda. Então, como veem ali na imagem, acabo colocando os poucos que tenho certeza que vou ler antes (por um ou outro motivo), e vou "furando a fila" com outras prioridades ou vontades que vão aparecendo no decorrer do ano. É a única maneira de ter certeza que vou cumprir a meta do Skoob!


  • Ordem da estante

Nos momentos de extrema dúvida, recorro à ordem. Na sala e no escritório, nossos livros são separados nas prateleiras por gênero e agrupados por autor. Se eu já sei que gênero ou autor quero ler, é só ir à prateleira certa e ir pegando os livros pela ordem que estão lá. Assim, sei que não corro risco de pular nenhum e, eventualmente, cumpro a meta de ler todos aqueles.

Agora, no meu quarto, por ter menos livros, a organização é diferente. Eu os separo na estante por ordem alfabética de sobrenome do autor (não sei que raio de organização é essa, mas achei mais fácil localizar os livros assim). Por isso, seguir a "ordem da estante" aqui nem sempre faz sentido, mas já tentei fazer assim... E não funcionou muito bem, por dois motivos: 1) continuo furando a fila, e 2) não cabem mais livros na minha estante, então agora está tudo levemente desorganizado (porque agora encaixo os novos onde cabem ou os empilho na cabeceira cama).


  • Sorteio

Esse é um método recente que descobri pelo Pinterest e achei uma boa ideia. Escrevi o nome de (quase - haja preguiça!) todos os livros que quero ler em pedaços de papel, dobrei e os coloquei dentro de um vidro. Aí, quando acabo um livro, se não souber o que quero ler depois, tiro um papelzinho de lá e pronto, decidido! Fiz isso pra escolher o que estou lendo no momento e, como ele tem uma continuação, estou com o problema resolvido por um tempo. Não sei até quando vou respeitar esse método sem dobrar o papelzinho sorteado de novo e pegar outro, mas acho que tem boas chances de funcionar.


  •  O método C.S. Lewis

Li certa vez uma citação do autor em que ele dizia que uma boa maneira de se ler de tudo é intercalar a leitura de um livro novo com a de um livro antigo. Achei essa uma ideia sensacional porque, como estou constantemente adquirindo livros novos, os antigos que ainda não li vão ficando cada vez mais pra trás na fila de espera. Fazendo assim, damos chance igual a tudo - dá pra dar uma chance àquele clássico esquecido, ou dá pra retomar algo que abandonamos há anos por não ser o momento certo de tentar, quase ao mesmo tempo em que nos inteiramos do que todos estão falando ou das novidades do gênero/autor. 

Outra coisa que faço para garantir que eu leia de tudo é ler dois livros ao mesmo tempo. Geralmente, um é de ficção e o outro é de não-ficção: o primeiro é o que costumo ler pra relaxar antes de dormir, e o outro é o que leio durante o dia, sempre que tenho uns minutinhos à toa. Desse jeito, dou uma boa avançada na meta e aproveito melhor tudo o que minha biblioteca tem a oferecer!


.


Espero que algum dos métodos aqui apresentados inspire o leitor ávido e indeciso. Se você tiver algum método que queira compartilhar, por favor, nos conte! Boas leituras!

Postagens mais visitadas deste blog

Algumas das bandeiras mais interessantes do mundo

As bandeiras dos países do mundo são mais do que uma demonstração de cores e padrões: cada detalhe - a escolha e predominância das cores, as faixas, os símbolos, as formas - carrega um significado histórico e/ou cultural que ensina muito sobre o país representado. Selecionei para essa postagem algumas das histórias mais interessantes.
(Não vou falar da nossa Auriverde porque todos nós já estamos carequinhas, certo?)



Reino Unido Union Flag ou Union Jack (azul, vermelho e branco)
Essa bandeira não é a da Inglaterra, como muitos pensam, mas representa os quatro países que formam o Reino Unido: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Esse desenho é usado desde 1801, quando a Grã-Bretanha se uniu à Irlanda do Norte, e é uma mistura das bandeiras desses países: a cruz vermelha de São Jorge (patrono da Inglaterra) sobre a cruz branca de São Patrício (padroeiro da Irlanda), por sua vez sobre a cruz de Santo André (padroeiro da Escócia). O País de Gales não está representado na …

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

Conhece o teste de personalidade Myers-Briggs?

O MBTI (Myers-Briggs Type Indicator) é um teste psicométrico altamente difundido pelo mundo, embora não seja completamente validado pela psicologia.
Baseadas nas teorias tipológicas propostas originalmente por Carl Jung, Katherine Briggs e sua filha Isabel Myers desenvolveram este indicador na época da Segunda Guerra com a intenção de que, com tal teste, as mulheres descobrissem que trabalhos poderiam desempenhar com mais eficiência e conforto de acordo com os aspectos das suas personalidades. 
O teste considera 16 tipos de personalidades, representados por siglas que são combinações de quatro dicotomias. São elas:


EXTROVERSÃO x INTROVERSÃO SENSORIAL x INTUIÇÃO RAZÃO (Thinking) x SENTIMENTO (Feeling) JULGAMENTO x PERCEPÇÃO

Os 16 tipos são, portanto (clique para ampliar):



Ao realizar o teste, que consiste de várias perguntas a respeito de suas preferências pessoais, o indivíduo é apresentado a um relatório com a sigla das quatro dicotomias que representam seu tipo de personalidade. Um tes…