Pular para o conteúdo principal

Sugestões de Leitura de 2015: Setembro - Outubro

Eu DEFINITIVAMENTE não vou alcançar a média que me impus no começo do ano. Não é necessariamente ruim já que, da mesma forma, li pra caramba; mas, agora, a meta do ano que vem ficou ainda maior, hahah!

Listo a seguir tudo o que li nos dois últimos meses. Para conferir as leituras dos meses e anos anteriores, clique na tag "leitura" no fim da postagem ou no menu suspenso lá em cima!



▼▼▼▼▼

Ficção:

Excalibur
Bernard Cornwell - Record - 2014 (1997) - 529p.

Terceiro e último volume de As Crônicas de Artur, de que falei no último relatório. Na condição de último volume, já era esperado que fosse ter um monte de tragédias ao fim dessa narrativa de Derfel para a querida rainha Igraine, e teve, mesmo. Começamos a gostar de personagens que odiávamos e passamos a detestar personagens de quem gostávamos, damos nossos dolorosos adeus a vários queridos e nossos sinceros "vão pela sombra" a diversos desafetos. Essa versão mais histórica e menos lendária de Artur é repleta de inevitáveis batalhas, traições e injustiças, mas igualmente rica em lealdade, amor e heroísmo. A história do Rei Artur sempre me fascinou e já conheci diversas versões dela, mas acho que esta foi a que transmitiu uma paixão tal que também quero acreditar, como o autor, que ele realmente existiu. Se eu fosse britânica, sentiria um orgulho imenso em ter tido heróis nacionais como Artur e o próprio Derfel (que foi omitido das lendas conforme os anos passaram) e seus guerreiros e amigos.




O Trono Vazio
Bernard Cornwell - Record - 2015 (2014) - 334p.

Depois de ter me acostumado com a narrativa apaixonada de Derfel n'As Crônicas de Artur, até fiquei com saudade de ler o desbocado do Uhtred, hahah! Também fiquei com medo de ter esquecido coisas importantes da história, já que tem quase um ano desde que li o volume anterior. Felizmente, Cornwell tem o costume de colocar breves retrospectivas nos diálogos entre os personagens, então me "reambientei" rapidinho. Este é o oitavo volume de Crônicas Saxônicas (que agora tem série - The Last Kingdom -. Assistam!) e acho que Cornwell ainda não tá pensando em terminar. Agora velho e sofrendo as dores do último ferimento em batalha, Uhtred ainda dá seu apoio a Æthelflæd pelo trono da Mércia, que pertencia a seu esposo e inimigo, Æthelred. Mas muitas pessoas têm suas próprias ideias sobre quem deve suceder o senhor do último reino sem rei, então a batalha nunca termina. Além disso, vamos dar um breve passeio por Gales, conhecer seu rei e seus guerreiros, e mais alguém que fará grande diferença no destino da futura Anglaterra. Agora temos mais participação de Stiorra e Uhtred, filhos de Uhtred (filho de Uhtred, filho de Uhtred...) e, com o nosso narrador e protagonista atualmente mais ranzinza do que de costume, a narrativa continua muito divertida. E violenta, claro. (queria muito poder comentar algo sobre a manobra inteligentíssima que Uhtred fez na reunião mais importante do Witan na Mércia, mas vou ter de me abster...)




Vampiros do Espaço
Colin Wilson - Círculo do Livro - 1980 (1976) - 235p.

Desenterrei este da estante da sala procurando por algo que fosse ou terror ou ficção científica, e então o vi e achei que fosse uma boa solução pro meu dilema. Em alguma data bastante no futuro, uma expedição enviada ao espaço para estudar a passagem do cometa Haley fez uma inesperada descoberta: uma nave colossal, aparentemente abandonada há centenas de anos, estava presa na cauda do cometa. Intrigada com o mistério de uma nave antiga demais para ser do planeta Terra ou mesmo do nosso Sistema Solar, a tripulação resolveu abordá-la. O que viram lá dentro foi ainda mais estranho: a nave parecia uma espécie de templo e, em estase, encontraram quatro seres espantosamente humanos. Excitados com a teoria de que esses seres avançados poderiam ser a origem da espécie humana, os tripulantes receberam ordens de trazer os tais seres para a Terra para que fossem estudados. Bom, foi uma ideia bem infeliz. Logo descobriu-se que não era a primeira vez que esses seres estiveram por aqui, e, da pior maneira, também descobriu-se que eles não são fáceis de mandar embora. O enredo é bem equilibrado entre ficção científica e terror, mas, como grande parte das histórias de vampiros (por mais que estes não sejam sugadores de sangue), um tanto sensual demais pra me deixar confortável com a leitura. Em contrapartida, gostei bastante do que foi inventado sobre essas criaturas e sua relação com o nosso planeta e outros. E, como sempre, acho divertidíssimo ler esses livros antigos ambientados no futuro, porque, ao mesmo tempo em que a criatividade dos autores coloca coisas maravilhosas no dia a dia da humanidade, há coisas que eles acham que ainda existirão no futuro, como, no caso deste, telegramas. (Existe um filme baseado no livro, chamado Força Sinistra. Ainda não o assisti, mas ouvi dizer que é bem trash - apesar de ter o Patrick Stewart, então deve valer assistir...)




e-book:

A Noite Devorou o Mundo
Pit Agarmen - Rocco - 2014 (2012) - 208p.

O escritor Antoine Verney estava entediado em uma festa no apartamento de uma amiga da alta sociedade. Ele próprio não pertencia à mesma classe social daqueles mais de 70 convidados e não conseguia se enturmar com ninguém; por isso, se fechou na biblioteca da amiga para beber sozinho. Acabou apagando e, quando acordou no dia seguinte, encontrou o luxuoso apartamento banhado em sangue e vazio - exceto por um cadáver sem cabeça. Ouvindo o caos lá fora, foi até a sacada e viu o impensável: uma horda de zumbis atacando pessoas na rua. Sensato, decidiu ficar fechado no apartamento até que compreendesse melhor a situação e o que poderia fazer a respeito. Da sacada do apartamento em Paris, Antoine acompanha a decadência da humanidade enquanto se conforma com a ideia de ser o único sobrevivente. Contado em forma de diário, esse é um livro de um personagem só lutando pela própria sobrevivência em uma situação inesperada - mais ou menos nos moldes de Perdido em Marte; mas, ao contrário do habilidoso astronauta, o escritor é um homem bem comum e procura manter uma rotina de atividades para ter uma falsa impressão de normalidade. Entretanto, Antoine não permanece completamente são por muito tempo, e é o seu comportamento meio maluco que torna esse livro mais engraçado do que assustador. Ao mesmo tempo, Antoine faz reflexões sobre a situação em que está a própria vida, com a qual me identifiquei várias vezes. Foi um livro que me prendeu pela curiosidade do desfecho, que acabou não sendo exatamente o que eu esperava. Uma leitura divertida e ótima para reflexão.




Não-ficção:

Sapiens: Uma breve história da humanidade
Yuval Noah Harari - L&PM - 2015 (2012) - 464p.

Uma leitura fantástica! Não só porque sou fascinada por Evolução e Comportamento, pois tenho certeza que todos com um mínimo de interesse pela própria história ficariam impressionados com toda a informação que tem aqui. Não sei nem se vou conseguir resumir aqui tudo o que esse livro abrange. A ideia principal é explicar por que nós, Homo sapiens, fomos a única de todas as espécies humanas a sobreviver no planeta, como nosso comportamento único sobrepujou todas as outras espécies, e de que forma a nossa prevalência afetou o mundo. O autor, que é historiador, não nos coloca como uma raça especial, como muitos gostamos de acreditar, mas aponta, com as evidências históricas, o quanto a soberania sapiens é ruim, tanto para o planeta quanto para nós mesmos, e o quanto nos aproveitamos mal da evolução ao criarmos conceitos abstratos em que basear nossas sociedades. Harari começa nos mostrando como éramos animais insignificantes, que precisavam esperar os animais maiores terminarem de comer para comer os restos que eles deixassem, e vai acompanhando a humanidade passar pela Revolução Agrícola, que é quando começa a criação de conceitos puramente humanos, como direitos humanos, Estado, dinheiro, religião e, infelizmente, preconceito. Passando pelo longo da história da humanidade, Harari vai nos explicando como surgiram as ideias absurdas do preconceito racial, sexual e de gênero, com uma discussão excelente sobre o assunto. E mais: por que o dinheiro se fez necessário e como o fizemos se tornar indispensável, como os grandes impérios se formaram e funcionaram, por que o surgimento das religiões foi mais benéfico do que se imagina; até chegarmos às Revoluções Científica e Industrial e no que elas implicaram para o desenvolvimento e, especialmente, a destruição da humanidade. Enfim, aqui tem aula de biologia, história, psicologia, economia, política, física. Este é um livro que eu recomendaria fortemente como leitura obrigatória (inclusive: obrigada pela indicação, Edison; e pelo presente, Gibran!).



HQ:


Aurora, de Felipe Folgosi. Esse foi um projeto que ajudei a apoiar no Catarse no ano passado e finalmente ficou pronto! Aurora conta a história do pescador Rafael que, em alto-mar com seus companheiros, presencia um fenômeno astronômico que acaba o afetando fisicamente e dando-lhe certas habilidades, como consequência. Infelizmente, para ele e sua família, tais habilidades colocam sua vida em risco - além de sua saúde estar seriamente comprometida, há gente poderosa e inescrupulosa querendo "conhecê-lo melhor" e entender como usar essas habilidades em benefício próprio e em consequente detrimento de outras pessoas. É uma história bem bacana e a gente fica querendo que ela fosse um pouco maior, e certamente renderia um filme bem legal. O final é emocionante! Muitos devem reconhecer o nome do autor como o do ator e apresentador de TV, e é ele, mesmo; seguindo um caminho novo e, até agora, fazendo isso bem.

Postagens mais visitadas deste blog

Algumas das bandeiras mais interessantes do mundo

As bandeiras dos países do mundo são mais do que uma demonstração de cores e padrões: cada detalhe - a escolha e predominância das cores, as faixas, os símbolos, as formas - carrega um significado histórico e/ou cultural que ensina muito sobre o país representado. Selecionei para essa postagem algumas das histórias mais interessantes.
(Não vou falar da nossa Auriverde porque todos nós já estamos carequinhas, certo?)



Reino Unido Union Flag ou Union Jack (azul, vermelho e branco)
Essa bandeira não é a da Inglaterra, como muitos pensam, mas representa os quatro países que formam o Reino Unido: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Esse desenho é usado desde 1801, quando a Grã-Bretanha se uniu à Irlanda do Norte, e é uma mistura das bandeiras desses países: a cruz vermelha de São Jorge (patrono da Inglaterra) sobre a cruz branca de São Patrício (padroeiro da Irlanda), por sua vez sobre a cruz de Santo André (padroeiro da Escócia). O País de Gales não está representado na …

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

Conhece o teste de personalidade Myers-Briggs?

O MBTI (Myers-Briggs Type Indicator) é um teste psicométrico altamente difundido pelo mundo, embora não seja completamente validado pela psicologia.
Baseadas nas teorias tipológicas propostas originalmente por Carl Jung, Katherine Briggs e sua filha Isabel Myers desenvolveram este indicador na época da Segunda Guerra com a intenção de que, com tal teste, as mulheres descobrissem que trabalhos poderiam desempenhar com mais eficiência e conforto de acordo com os aspectos das suas personalidades. 
O teste considera 16 tipos de personalidades, representados por siglas que são combinações de quatro dicotomias. São elas:


EXTROVERSÃO x INTROVERSÃO SENSORIAL x INTUIÇÃO RAZÃO (Thinking) x SENTIMENTO (Feeling) JULGAMENTO x PERCEPÇÃO

Os 16 tipos são, portanto (clique para ampliar):



Ao realizar o teste, que consiste de várias perguntas a respeito de suas preferências pessoais, o indivíduo é apresentado a um relatório com a sigla das quatro dicotomias que representam seu tipo de personalidade. Um tes…