Pular para o conteúdo principal

A palavra é: Immortelle

Em um momento de breve tédio, lembrei-me de uma brincadeira que já fiz por aqui em duas ocasiões [1, 2]. A regra era pegar um dicionário, abri-lo aleatoriamente em qualquer página, bater o olho em uma palavra e postar sobre o que tal palavra me lembra.

O dicionário que estava à mão aqui era o de Francês, e a primeira palavra que vi ao abri-lo aleatoriamente foi immortelle, adjetivo feminino que significa "imortal". Poxa, que sorte, isso me faz pensar em muitas coisas:


1. Immortelle, mesmo, me lembra de uma banda gótica austríaca da qual gostava bastante, L'Âme Immortelle

Conheci a banda ao assistir ao vídeo de Brennende Liebe, da banda OOMPH!, no qual a primeira banda teve participação. Já falei sobre a vocalista, Sonja Kraushofer, por aqui anteriormente. Estou completamente por fora do que esse povo anda lançando ultimamente, mas de vez em quando ainda ouço as minhas favoritas da época. Segue o vídeo que mencionei e mais um dos meus favoritos da banda.







2. Inevitavelmente, a palavra "imortal" me faz lembrar do sucesso de mesmo nome gravado por Sandy & Junior. Não vou colocar a música aqui, mas apenas deixar a melhor citação da brilhante versão (a original é uma canção chamada Immortality, gravada pela Céline Dion com participação dos Bee Gees):

O que é imortal não morre no final.

(A propósito, a Sandy estava um tanto obcecada pela imortalidade, nesse álbum...)



3. A sensacional Turritopsis dohrnii, ou água-viva imortal! Estava mesmo querendo falar sobre ela, qualquer hora dessas.



Essa espécie de água-viva é encontrada no Mar Mediterrâneo e no Japão, e é o único animal do planeta (ao menos, que se saiba até hoje) que, após atingir a completa maturidade sexual, é capaz de regressar ao estado larval pra depois começar tudo de novo. Elas fazem isso como defesa contra danos físicos, quando estão velhas ou doentes, ou sob estresse. Pelo que se sabe, elas podem fazer isso quantas vezes quiserem, por isso ganharam a fama de imortais. Mas, claro, elas ainda podem morrer se forem predadas ou sucumbirem a uma doença antes de conseguirem reverter a evolução de suas células.

Esses animais não atingem mais do que 4,5 milímetros de diâmetro, e possuem entre 80 e 90 tentáculos. Apesar de ainda estarem concentrados nos lugares mencionados, cientistas acreditam que, pegando carona nos cascos de navios, eles logo possam invadir outros oceanos, aumentar exponencialmente sua população e, silenciosamente, dominar todos os mares.


4. Por fim, me lembro de uma das minhas histórias favoritas das HQs de Sandman, de Neil Gaiman: "Homens de Boa Fortuna", que aparece no segundo volume, A Casa de Bonecas.




Em 1389, o soldado Hob Gadling estava em uma taberna conversando com amigos sobre a morte, alegando que se tratava de um desejo, e não de uma inevitabilidade. Segundo ele, as pessoas só morriam porque se conformavam com a ideia, e que ele já havia decidido que queria viver para sempre. Morte estava ouvindo a conversa e chamou seu irmão, Sonho, para opinar. Ambos, então, concordaram em conceder a imortalidade a Hob, com a condição de que a cada 100 anos eles se encontrassem naquela mesma taberna e ele contasse tudo o que lhe havia acontecido nesse tempo. A cada século, Hob viveu altos e baixos, conhecendo a riqueza e a miséria, a felicidade e a dor de todas as perdas. Depois de muitos séculos, a Morte lhe perguntou se ele consideraria por um fim ao pacto de imortalidade, mas Hob recusou, dizendo ainda não estar pronto.


Bom, essas foram as minhas principais associações com a palavra. Em que vocês pensam quando falamos em "imortal"?

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…