Pular para o conteúdo principal

Cover: "Eleanor Rigby"

All the lonely people
Where do they all come from?
All the lonely people
Where do they all belong?


Essa é uma das minhas canções favoritas, conforme já postei aqui, então vou falar mais sobre ela, hoje.



Eleanor Rigby foi composta Paul McCartney (creditada a Lennon-McCartney) e lançada no álbum Revolver, em 1966. A canção fala sobre uma mulher solitária que acompanha casamentos na igreja local, cujo padre também era uma pessoa solitária. 

McCartney estava com a música na cabeça há muito tempo, com a melodia e a história quase prontas, mas não conseguia pensar em um nome adequado para seus protagonistas. Uma olhada nas lápides do cemitério lhe trouxe "Eleanor" (há quem diga que a inspiração tenha vindo de Eleanor Bron, atriz que trabalhou com a banda em Help!, mas há controvérsias), uma fachada comercial lhe deu "Rigby", e o "padre McKenzie" veio da lista telefônica. Sem saber o que fazer com o final da história, um amigo sugeriu que ele unisse as duas pessoas solitárias; e assim Paul o fez, mas não como se esperava: com o padre McKenzie conduzindo o solitário funeral de Eleanor, sozinho ao lado de seu túmulo. 

Eleanor Rigby foi uma das músicas do grupo que desviou mais explicitamente da temática romântica, e chocou alguns ouvintes com seu teor depressivo. Mesmo assim, está entre as "500 melhores canções de todos os tempos" segundo a revista Rolling Stone.

A canção chegou ao topo das paradas britânicas, mas não alcançou o top 10 na América. Ainda assim, ao longo dos anos, recebeu centenas de versões em tudo que é estilo (mais de 300, segundo o SecondHandSongs), algumas das quais vou compartilhar a seguir:




Em 1968, Ray Charles lançou uma versão rhythm & blues como single e em álbum.



No ano seguinte, Aretha Franklin lançou em álbum uma versão soul toda animadinha.



Artistas brasileiros também se renderam a versões. Caetano Veloso, em 1975, em ritmo de bossa nova; e Cassia Eller, em 1990, em ritmo de reggae.



Em 2005, o Thrice lançou como b-side o que considero a minha versão favorita, a mais pesada.




Por último, mas não menos importante, Alice Cooper lança uma ótima versão, mais parecida com a original, para um álbum de tributo de vários artistas a Paul McCartney, em 2014.


Para conhecer outras versões, confiram o primeiro link abaixo.

.

Fontes: SecondHandSongs | Wikipedia | The Beatles: A história por trás de todas as canções (TURNER, Steve. Cosac Naify, 2009)

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

Algumas das bandeiras mais interessantes do mundo

As bandeiras dos países do mundo são mais do que uma demonstração de cores e padrões: cada detalhe - a escolha e predominância das cores, as faixas, os símbolos, as formas - carrega um significado histórico e/ou cultural que ensina muito sobre o país representado. Selecionei para essa postagem algumas das histórias mais interessantes.
(Não vou falar da nossa Auriverde porque todos nós já estamos carequinhas, certo?)



Reino Unido Union Flag ou Union Jack (azul, vermelho e branco)
Essa bandeira não é a da Inglaterra, como muitos pensam, mas representa os quatro países que formam o Reino Unido: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Esse desenho é usado desde 1801, quando a Grã-Bretanha se uniu à Irlanda do Norte, e é uma mistura das bandeiras desses países: a cruz vermelha de São Jorge (patrono da Inglaterra) sobre a cruz branca de São Patrício (padroeiro da Irlanda), por sua vez sobre a cruz de Santo André (padroeiro da Escócia). O País de Gales não está representado na …

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…