Pular para o conteúdo principal

As últimas 10 músicas favoritas

Já foram seis meses desde a última, tá na hora de novo.



♫♫♫♫♫



Biblical
Biffy Clyro





It could have been a wonderful year
Instead we might not make it to the end
Everybody cares, but nobody knows

Fazia um tempão que o Spotify estava me recomendando essa banda com base nas outras que costumo ouvir, aí resolvi finalmente ceder e admito que tem sido quase só o que ando ouvindo agora.


Shadow Moses
Bring Me The Horizon





Can you tell from the look in our eyes?
(we're going nowhere)
We live our lives like we're ready to die
(we're going nowhere)
You can run but you'll never escape
(over and over again)
Will we ever see the end?
(we're going nowhere)

Escolhi essa mas são várias. O BMTH se tornou uma das minhas bandas favoritas e saber que vou vê-los ao vivo logo mais tá me deixando ansiosa (por mais que o Oli não esteja lá aquelas coisas ao vivo, atualmente, se o show for algo como aquele DVD sensacional gravado recentemente em Wembley, já tá legal).


Wake Up Call
Maroon 5



If you needed love
Well, then ask for love
Could have given love
Now I'm taking love
And it's not my fault
'cause you both deserve
What is coming now
So don't say a word


É difícil um dia que eu não acorde com uma música do Maroon 5 na cabeça. E é quase sempre essa.


He Can Only Hold Her
Amy Winehouse





And he tries to pacify her
'cause what's inside her never dies

Essa era uma que eu costumava pular, aí parei de pular e agora é a que eu gosto mais. Às vezes a gente tem dessas.


Anthology
Thrice





And while the North wind has taken its toll,
You have helped me to find my way back and to anchor my soul safe in the sound

O Thrice é uma coisa que eu vivo dizendo que tenho que ouvir mais e aí deixo pra lá e aí quando ouço digo que tenho que ouvir mais e aí deixo pra lá (ad aeternum). Mas essa é bem linda. E eu tenho que ouvir mais.


Lyin' Ass Bitch
Fishbone





You're nothing but a little lyin' ass bitch
She always says she loves you
But you know she don't care
You're nothing but a little lyin' ass bitch
She always says she needs you
But you know she really don't care

Conheci essa pelo cover do Reel Big Fish e sempre achei ela divertidona, mas até há pouco não conhecia a original. É tão divertida quanto.


This Is How It Goes
Billy Talent





So I hold my breath 'til my heart explodes
Cause this is how it is and this is how it goes
You can steal my body but you can't steal my soul
Cause this is how it is and this is how it goes

Não lembro se foi o Spotify ou a Last.fm que me mandou essa música como recomendação, mas gostei dela de cara. Era bom caminhar ouvindo essa. Era bom caminhar ouvindo qualquer coisa :(


Get Out
Circa Survive





I can't wait to understand the reason
I have yet to translate
Any meaning beside
It's not worth it to try
Get out

Fui começar a ouvir a banda por indicação de um amigo e acabei curtindo muito essa aí. Escolhi a versão acústica dela porque a achei bem bonitinha.


Future/Past
John Mark McMillan




And you,
You are my first
You are my last
You are my future and my past

É cristã, mesmo. Bonita, né? Spotify que me mandou.


It Had to Be You
The Overtones




For nobody else gave me a thrill
With all your faults, I love you still
It had to be you, wonderful you
It had to be you

Versão de uma música super antiga gravada por um monte de gente, ela fica na minha cabeça por ser bem simples. 

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…