Pular para o conteúdo principal

Mais 4 fatos científicos que precisamos desmitificar





Desde que começou a ser praticada, a Ciência nunca parou de avançar; e, com toda a tecnologia que fomos capazes de criar e estamos constantemente melhorando, a tendência é que ela avance cada vez mais e mais rápido. O que já se sabe sobre o nosso planeta, o Universo e nós mesmos, em todos os níveis imagináveis, é tão impressionante que chega a ser difícil acreditar que ainda haja mais o que saber. Bom, como constantemente vemos, sempre há mais. Ainda há muito que ignoramos, e o papel da Ciência é não deixar perguntas sem respostas.

A Ciência, como muitos gostam de resumi-la, não se restringe apenas a Física, Química e Biologia (como regra, as matérias mais detestadas da escola). Ciência é todo estudo baseado em observação e experimento da matéria física, ou seja, coisas que podemos ver, tocar e cuja existência podemos provar de alguma forma. A Ciência, por si só, deixa de lado questões filosóficas e metafísicas, mas jamais deve-se assumir que elas não possam se misturar e se beneficiar mutuamente.

Não obstante, talvez devido ao nosso pobre sistema educacional ou nossa simples falta de curiosidade, ainda existem coisas básicas a respeito do mundo que ignoramos. Com isso em mente, gostaria de listar mais algumas coisas que precisamos parar de entender errado sobre o fascinante mundo que nos cerca.




  • Nada na Ciência é definitivo.


Não existem fatos indiscutíveis. Tudo o que pensamos saber sobre a vida, o universo e tudo mais é um monte de teorias, e a única coisa que valida essas teorias é a falta de prova em contrário. Muitos de nós já percebemos como os livros didáticos que usamos na escola mudam com o passar dos anos. Até dou um exemplo: quando eu estava na escola, as algas azuis eram consideradas plantas. Já na faculdade, estudei que as algas azuis são, na verdade, bactérias. Coisas muito diferentes, não? Mas novas descobertas e melhores tecnologias são responsáveis pela confirmação ou correção das teorias formuladas há muito tempo, e pela formulação de tantas outras. Portanto, nada é realmente certo. E é essa a graça de estudar e experimentar, não é?



  • O homem não é uma versão evoluída do macaco.



E Darwin nunca disse que era. O que o famoso cientista defendeu em A Origem das Espécies (e que continua sendo a teoria mais aceita, até hoje, com as aplicáveis correções) é que o homem e os demais primatas descendem de um ancestral em comum; ou seja, uma única espécie primitiva, com o passar dos milhões de anos e as alterações ambientais, foi se reproduzindo e dando origem a espécies que foram se distanciando geneticamente das gerações anteriores. O que ajuda a difundir esse mito (bem como o de que o homem atual é uma melhoria do neandertal) é a famosa imagem da escala evolutiva do homem que todos já vimos. A imagem não deve ser interpretada como uma escala de inferioridade - superioridade entre os primatas (sendo o primeiro mais primitivo e o último mais evoluído), mas apenas demonstrar as diferenças anatômicas entre todos eles. Cada uma dessas imagens representa uma espécie diferente. Sabe-se que várias delas conviveram na mesma época (inclusive os neandertais e nós, sapiens), só que algumas linhagens se extinguiram e só nós e outros primatas superiores (macacos maiores, vulgarmente dizendo) ficamos. Para aceitar melhor essa realidade, precisamos nos acostumar a este conceito muito útil: o homem é apenas mais uma espécie animal que se adaptou evolutivamente para sobreviver melhor do que seus primos (assim como todas as espécies que habitam o nosso planeta, atualmente).


  • Nem toda bactéria é ruim.


Em estimativa, nosso corpo tem dez vezes mais bactérias do que células humanas. Elas estão em absolutamente tudo: por dentro e por fora. Mas, antes que você saia se lavando em álcool gel, lembre-se de que, embora existam inúmeras doenças causadas por bactérias, muitos desses microrganismos são responsáveis pela nossa boa saúde, também. A famosa flora intestinal, por exemplo, é uma enorme colônia de bactérias que ajuda na nossa digestão e excreção de lixo. E não só isso: ela ainda produz vitaminas para o nosso corpo e luta contra bactérias patogênicas (as que causam doenças). E tem a rizosfera, uma camada de bactérias do solo que auxilia nas plantações ao fixar nitrogênio nas raízes das plantas.


  • Nem toda radiação é perigosa.


Quando falamos em radiação, já pensamos em desastres em usinas e bombas atômicas, mas é só lembrar que radiação é, na verdade, só a emissão de energia através de ondas, e isso é muito amplo e tem muitos usos. Por exemplo, um dos muitos bons usos da radiação é para o tratamento de várias doenças, como a radioterapia para o câncer. A radiação também pode ser usada para detectar doenças: desde as injeções para identificar doenças cardíacas como o simples raio-x, que é usado para localizar fraturas e tumores. Além disso, a radiação é amplamente usada em nossos sistemas de comunicação, desde TV e rádio até internet e telefonia móvel. E há ainda muitos outros usos (inclusive nosso rotineiro micro-ondas), e a exposição prolongada a qualquer um desses equipamentos pode ser prejudicial, claro, mas, normalmente, ninguém fica exposto o suficiente para sofrer os danos. Tudo emite radiação, até a gente. ;)



Esses foram só mais alguns tópicos aleatórios. Outros tantos estão aqui nessa postagem e por toda a tag "ciência". Deem uma olhadinha!

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…