12/02/2016

Questionário: Livros Opostos

Vi o questionário no Momentum Saga e peguei emprestado porque sim.
(as resenhas para os livros mencionados estão nos links incorporados)







O primeiro livro da sua coleção / O último comprado

O primeiro livro que ganhei na vida foi O Pato e o Sapo, em uma época que eu mal conseguia sentar, quem dirá manusear um livro. Destruí o coitado fortemente, mas, depois que aprendi a ler, o li bastante também.

O último que comprei foi I Think I Might Be Autistic para o Kindle. O peguei para estudar e, provavelmente, logo falarei sobre isso por aqui.

Um livro que pagou barato / Um que pagou caro

Respondi a essa em um questionário anterior, mas vamos lá de novo:

Encontrei Nossa Senhora de Paris (O Corcunda de Notre-Dame) em um sebo custando R$1,00, porque estava sem as capas. Eu já tinha lido uma versão adaptada do livro e amado, então comprei esse porque era a versão integral, editada nos anos 1950. Eu mesma improvisei uma capa com o que tinha em casa e pedi pra apararem as bordas gastas em uma gráfica.

Um dos mais caros (excetuando HQs, que são sempre mais caras) foi o The Marvel Encyclopedia (que tem a ver com HQs, ops!). O comprei pelo Book Depository, na época em que comprar em dólares compensava. Essa lindeza vale cada centavo investido, mesmo que seja a edição de 2010 e, de lá pra cá, a Marvel ter lançado mais personagens.


Um livro com protagonista homem / Um com protagonista mulher

Puxa, são muitas opções. Pra não ser óbvia, com protagonista homem vou escolher O Voo do Corvo, pois foi um livro que me conquistou através do Charlie Trumper. Por mais que me apegue a muitos personagens, este foi um dos poucos a quem realmente me conectei a ponto de me alegrar e me entristecer junto com ele.

Mulher, As Brumas de Avalon, que conta a lenda de um dos homens mais famosos do mundo pelo ponto de vista da mulher que sempre foi vista como a vilã da história.


Um livro que leu rápido / Um que demorou pra ler

Rápido: O primeiro que me pulou em mente foi Morte na Praia, de Agatha Christie. Levei pra ler numa semana parada de trabalho e o terminei em dois turnos. Houve outros que terminei em menos tempo, tipo O Dragão de Gelo, que li em dia; mas esse é bem fininho e todo ilustrado.

Demorei: O Mistério de Edwin Drood. Por mais que ame Dickens, tem que estar com muita disposição pra acompanhar a narrativa divagante do homem, então em vez de ler muitas páginas todas as noites, acabava lendo só até os intervalos.


Um livro com capa bonita / Um com capa feia

Tem muitas artes lindas como capas, mas acho que a mais bonita em que consigo pensar agora são as capas da série A Busca do Graal, de Bernard Cornwell, que ainda estou lendo e logo mais terá resenha por aqui. Vocês podem ver as capas aqui.

Uma capa que me incomodou esteticamente é a do excelente Sapiens. Como pode um best seller tão sensacional ter recebido uma capa tão esquisita, não me faz sentido. Não digo pela simplicidade conceitual, mas porque usa a famosa imagem da Evolução Humana colocada em marca-d'água e distorcida, como se estivesse em "itálico". Terrível!


Um livro nacional / Um internacional

Como nacional, lembrei aqui de Help! A Lenda de Beatlemaníaco, de Sérgio Pereira Couto; uma ficção superdivertida que mistura vários elementos do universo Beatles em uma história policial (não precisa ser um clássico, certo? Vamos divulgar outros autores!).

Internacional, Hollow Earth. É o primeiro de uma série para jovens que eu li há uns anos e nunca consegui ler a continuação por não ter publicação no Brasil e o dólar estar complicado. Tentei ganhar uma bolsa de estudos na Inglaterra com uma proposta de tradução dele, mas ainda não foi minha vez. :(


Um livro mais fino / Um mais grosso

Um fininho que eu amei e queria que fosse maior é O Homem Bicentenário. Quando a gente se apega ao protagonista, deseja que ele fique mais um pouco; mas talvez a história tenha o tamanho certo.

Um dos mais grossos que li (e reli) foi, claro, O Senhor Dos Anéis, com pouco mais de 1200 páginas. Isso, lógico, se considerarmos o volume único, que reúne os três livros da série. Se existissem volumes únicos de outras séries, esses livros seriam bem mais grossos que ele.


Um livro de ficção / Um de não-ficção

Pra seguir a mesma temática, em ficção mando A Volta Ao Mundo em 80 Dias, um dos meus favoritos de Julio Verne.

Em não-ficção, As Viagens de Marco Polo, que não deu a volta ao mundo, mas se aventurou bastante pela Ásia e relatou as coisas estranhas a ele de uma maneira impressionante.


Um livro meloso / Um de ação

Não sou de ler livros melosos, mas devo ter lidos alguns na escola, dos quais não me lembro. De cabeça, poderia citar Grandes Esperanças. É mais um livro de tragédias do que de romance, mas a obsessão do Pip pela chatíssima Estella deve se encaixar em 'meloso'.

Como ação, acho que os livros de Dan Brown são um bom exemplo. Talvez o mais corrido seja Anjos e Demônios, em que eles tinham 24h pra impedir uma catástrofe de proporção apocalíptica.


Um livro que te deixou feliz / Um que te deixou triste

Federation: The First 150 Years me deixou felicíssima só por existir. Ter por escrito a história da Federação dos Planetas Unidos, que é o alicerce de tudo em Star Trek, é mais do que sensacional; dá até esperança de que algo tão incrível vá realmente acontecer em um futuro próximo.

Bom, todo mundo sabe qual é o livro que me faz chorar. Mas um que me deixou realmente triste a ponto de pensar dias sobre ele foi o The Call of the Wild. Não é só emocionante - ele me foi verdadeiramente deprimente. Lindo, um clássico, leiam assim que puderem, mas não quero lê-lo de novo tão cedo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bom senso, respeito e educação são esperados e sempre bem-vindos nos comentários. Obrigada pela visita!