29/03/2016

Tabacaria

Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte disso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.

[...]

Que sei eu do que serei, eu que não sei o que sou?
Ser o que penso? Mas penso ser tanta coisa!
E há tantos que pensam ser a mesma coisa que não pode haver tantos!
Gênio? Neste momento
Cem mil cérebros se concebem em sonho gênios como eu,
E a história não marcará, quem sabe?, nem um,
Nem haverá senão estrume de tantas conquistas futuras.
Não, não creio em mim.
Em todos os manicômios há doidos malucos com tantas certezas!
Eu, que não tenho nenhuma certeza, sou mais certo ou menos certo?

[...]

Serei sempre o que não nasceu para isso;
Serei sempre só o que tinha qualidades;
Serei sempre o que esperou que lhe abrissem a porta ao pé de uma parede sem porta,

[...]

Vivi, estudei, amei, e até cri,
E hoje não há mendigo que eu não inveje só por não ser eu.

[...]

Fiz de mim o que não soube,
E o que podia fazer de mim não o fiz.
O dominó que vesti era errado.
Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.
Quando quis tirar a máscara,
Estava pegada à cara.
Quando a tirei e me vi ao espelho,
Já tinha envelhecido.
Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado.
Deitei fora a máscara e dormi no vestiário
Como um cão tolerado pela gerência
Por ser inofensivo
E vou escrever esta história para provar que sou sublime.

[...]



Fernando Pessoa
1926



Entendedores provavelmente entenderão. A poesia só fala com a gente quando o coração pede por ela; ele a reconhece e a acolhe como a um igual. Se o seu coração não a reconheceu como um igual, talvez você esteja melhor assim. Quanto a mim, ainda estou procurando maneiras de provar que sou sublime...

3 comentários:

  1. Obrigado por trazer Fernando Pessoa para o meu dia.

    ResponderExcluir
  2. Você é sublime cara-gêmea, você é. E a poesia falou não apenas comigo, como sobre mim, praticamente, rs...

    Beijo, beijo!

    ResponderExcluir
  3. Muito bom! Entre tantas poesias esparsas que li do Fernando Pessoa eu nunca cheguei a ler, de fato, um livro dele. Eis que recentemente decidi corrigir esta falha e comecei a ler "O Livo do Desassossego" =)

    Rafhael Vaz

    ResponderExcluir

Bom senso, respeito e educação são esperados e sempre bem-vindos nos comentários. Obrigada pela visita!