26/04/2016

TAG: Como você era nos tempos de escola?



Peguei do Momentum Saga, de novo. O nome da brincadeira atualmente é "tag" mas continuo etiquetando como "meme" porque sou uma mula resistente a mudanças (na época de Fotolog era "maldição", gente, me deem um tempo pra me adaptar de novo).

Escola! A maravilhosa jornada obrigatória que cumpri entre 1993 e 2004. Quis responder a essa justamente por achar chato falar no assunto. Eu sempre achei que gostava de ir à escola mas, entendendo melhor a vida agora, quando me lembro desses longos anos tenho certeza de que eu só gostava de estudar, mesmo. Estar na escola raramente foi legal e trago poucas lembranças carinhosas da época - tanto que até hoje é comum eu sonhar que, por algum motivo, voltei a frequentar a escola agora depois de adulta e são sempre pesadelos. Engraçado eu não ter tido essa impressão quando estava realmente lá.


1. Quem era você na escola, como você era? E como era a sua escola?

Eu era a boa aluna que os professores usavam de exemplo para o resto da turma e, por isso, não era muito querida. Me chamavam de CDF mas eu não ficava com a cara enfiada nos livros mais do que nenhum colega, só sempre tive mais facilidade pra aprender tudo e pegava as matérias rapidinho. Exceto em Educação Física, que até o Ensino Médio (e no finalzinho dele) foi uma tortura e nunca aprendi a jogar nenhum esporte direito porque nunca me escolhiam pra nenhum time, então eu ia jogar xadrez com outros párias (era o que me dava as notas da disciplina). Sempre sentei na frente, porque precisava de óculos e também porque não gostava de ficar no meio de muita gente conversando. Quanto à escola, estudei em várias - só no Ensino Médio, uma diferente (em cidades diferentes, inclusive) por ano. Com exceção das primeiras 3 séries, que estudei na Escola Adventista (por algum motivo), passei o resto da vida escolar em escolas estaduais. Sempre gostei muito de todas, menos da última, que foi a única que realmente detestei por inúmeros motivos.


2. Qual era a sua tribo?

Eu não tinha uma. Demorei até a adolescência pra fazer parte de uma panelinha, e ainda assim era um grupo de poucas amigas e nós éramos muito variadas entre nós, em gostos e estilos. Sempre fui muito desligada com a minha aparência até recentemente, então eu realmente não tinha um estilo quando estava na escola (até porque a gente tinha que usar uniforme completo, então não dava pra ter muita liberdade, de qualquer jeito).


3. No recreio, onde era mais fácil te encontrar?

Geralmente sozinha, sentada em algum degrau perto da escada que dava pras salas de aula (eu fui monitora de turma por três anos e ficava responsável pela chave da sala, então precisava ser a primeira a chegar quando tocasse o sinal). Nos inícios de ano em escola nova eu também ficava sozinha por vários dias até me enturmar, mas depois era mais comum andar à toa com as amigas pelo pátio ou ficar sentada no chão, mesmo (em Curitiba era engraçado no inverno, nós procurávamos algum canto com sol pra ficarmos e era geralmente no meio da quadra onde os meninos jogavam basquete hahah).


4. Já namorou ou ficou com alguém da escola? Foi dentro ou fora da escola?

Nunca. Tinha as coisas que eu achava que eram paixonites mas que nunca deram em nada.


5. Já fez alguma coisa escondida ou contra as regras? Já cabulou aula?

Contra as regras, não, mas houve uma época em que a escola ficou 3 meses sem aulas por causa de uma greve, então a gente passou a ter aulas todos os sábados até o fim do ano pra repor. Eu ia, mas uma vez não tinha mais lugar dentro da sala (juntavam várias turmas em uma só) e eu ia ter que puxar uma carteira para o corredor, então achei melhor deixar passar aquela. Mas não podia ir embora, então fiquei uma hora escondida no banheiro até tocar o sinal. Adrenalina. Minha mãe descobriu e levei uma baita bronca federal, mas foi minha maior infração escolar, hahah.


6. Se lembra de alguma modinha que você seguiu?

Ah, eu usei as pulseirinhas coloridas de silicone, as gargantilhas de tattoo tribal que estão na moda de novo, fazia as bijus de miçanga, e queria ter aderido à moda das canetinhas de pintar cabelo mas elas eram bem caras. Colecionava as canetas gel e adesivos e papéis de carta e carimbos e essas modinhas todas. Apesar de socialmente esquisita, ainda era adolescente e gostava das mesmas coisas que todo mundo.


7. Qual foi o melhor e o pior dia?

Melhor dia: os melhores dias foram quase todos quando estudei em Campo Mourão. Um deles foi num evento da escola, durante uma semana de gincanas e atividades chamada Semana do Amor ou algo assim. O último dia era para fazer homenagens a quem amamos e, como calhou de ser logo antes de eu me mudar pra cá, os amigos da minha turma fizeram uma homenagem surpresa super fofa pra mim e eu nunca vou esquecer.

Pior dia: Teve vários dias ruins, a pergunta 10 vai resumir grande parte deles. Me lembro com detalhes de várias coisas chatas e elas não me chateiam mais, mas bem que eu preferia esquecer logo. :B


8. Se envolveu em algum tipo de briga ou movimento/protesto?

Em brigas, nunca. Protestos... ou não tinha muito disso na minha época ou eu realmente fiquei alheia ao que tava rolando nesse sentido.


9. Sua escola tinha alguma lenda, tipo a loira do banheiro? Você tinha algum medo na escola?

Sim! Uma das escolas tinha um anexo, a "continuação" dela ficava na quadra de trás, e o acesso dos alunos era por um túnel que passava por baixo da Via Rápida. Era um túnel longo e não necessariamente bem iluminado. Somente os alunos mais velhos estudavam nesse anexo, então fiquei os anos anteriores ouvindo sobre a história das moças que teriam invocado um espírito com o jogo do copo naquele túnel e que uma delas teria se enforcado lá, depois disso. Quando finalmente tive acesso a essa parte da escola, diziam que um dos desenhos no cimento do chão era bruxaria e tinha sido feito pelo tal espírito, e tinha mesmo uma corda pendurada na grade que protegia as lâmpadas, mas né... Me pergunto se os alunos atuais sabem dessa história, hahah.


10. Sofreu ou causou bullying em alguém?

Na minha época não tinha esse nome, mas eu fui fortemente zoada na escola a maior parte da minha vida letiva. Eu era quietinha e acabava me isolando por não conseguir me enturmar, então isso já era motivo suficiente pra pegarem no meu pé. Tive uma colega que foi um karma gigantesco por vários anos, e eu só sofri na mão dela porque chegava a acreditar realmente que ela era minha amiga, mesmo quando me humilhava como fazia, e morria de medo de ela e as outras que andavam com ela não quererem mais ser minhas amigas e eu ficar sozinha. Elas (e os outros por influência, porque elas eram a panelinha das populares) gostavam de me chatear especialmente por características físicas (desde o peso - eu nunca cheguei a ser gorda mas era mais gordinha que elas - até por ser branca demais, o cabelo sempre de qualquer jeito, meu nariz, uma pinta que eu tinha no rosto, as coisas que eu usava e como eu as usava...), mas também riam de mim por ser "infantil" e tudo o mais. Isso podia ser feito com comentários públicos, me deixando sozinha e ficando do outro lado do pátio apontando pra mim e rindo, escondendo as minhas coisas e/ou jogando elas de um lado pro outro, me dando boladas na cara na Educação Física, colocando desenhos na minha carteira ou passando folhas de caderno com pesquisas de opinião pela sala ("Você acha a Emma gorda?") e colando chiclete no meu cabelo. Mas, se alguém pedisse o caderno pra copiar, eu dava sem hesitação. Eu não me defendia e não tinha ninguém que me defendesse, também não achava tão ruim porque achava que era normal e todo mundo passava por aquilo, então talvez eu merecesse a humilhação. Essas coisas amenizaram no Ensino Médio mas meio que desandaram quando me mudei pra cá. A diferença cultural foi maior do que eu previ e meus novos colegas entenderam minha introversão como "arrogância sulista", o que rendeu uns meses sofridos de fim de escola. Mas enfim.


11. Como era sua performance em apresentações da escola? Curtia?

Detestava. E não ia bem porque morria de vergonha de ficar na frente de todo mundo ("Ô Emma, amarra essa blusa mais pra baixo!"), então eu decorava a minha parte e falava o mais rápido que podia. Eu preferia fazer os cartazes e as maquetes, se pudesse escolher não falar. Só fui melhorar nisso na faculdade.


12. Do que você mais lembra desse tempo? Quais as coisas que mais te trazem lembranças?

Me lembro de pesquisar pra fazer os trabalhos - tudo à mão, em papel almaço com recortes de revistas e xerox - e como eu gostava de fazer isso; fazia até quando não tinha nada pra fazer. Meus pais me ajudavam muito com isso (minha mãe com a pesquisa e meu pai com as maquetes) e sempre ficava muito bom; tinha especial orgulho dos meus trabalhos. Lembro de ir e voltar com o transporte escolar e costumava ser divertido. Lembro de só ter gostado de (ou suportado) Educação Física em Campo Mourão, onde as aulas eram variadas e minha turma e professor eram super queridos. 


13. Teve algum professor(a) ou funcionário(a) que te marcou?

Tenho um monte de lembranças aleatórias, boas e ruins, de vários professores; mas a mais marcante foi, sem dúvida, a de Português da 5ª e 8ª séries e 1° ano. Ela me deu uma advertência escrita uma vez por uma grande injustiça - eu tinha esquecido o livro de leitura em casa (tava embaixo do meu travesseiro, porque eu tinha lido ele antes de dormir) e, em vez de me deixar ir à biblioteca pegar outro, achou mais legal humilhar a boa aluna me obrigando a pagar castigo na frente da turma, também. Essa história deu um rolo, depois, mas foi a única vez que ela fez algo contra mim, especialmente. Ela era geralmente absurda, tinha um método altamente questionável de ensino (tipo não ensinar - "leiam da página tal até tal depois façam os exercícios" "professora, não entendi a pergunta 2" "lê de novo" "ainda não entendi" "lê de novo" - ao menos a gente aprendeu a ser autodidata :B), mas era patrimônio histórico da escola, já havia sido diretora, então faziam vista grossa pra esses absurdos. Por outro lado, quando ela descobriu que eu estava na fase Júlio Verne, me emprestou livros de sua coleção pessoal. Nunca entendi essa mulher.


14. Se você pudesse voltar no tempo, o que diria para você mesma naquela época?

"Deixa pra lá; você não precisa deles".


.


Não tenho fotos minhas na escola antes do Ensino Médio, então vou mostrar a pior de todas: a do meu antigo RG, que fiz aos 11 anos, na escola mesmo. Franja torta, a cara séria de sempre e uma camiseta do Castelo Rá-Tim-Bum por baixo do uniforme. Não admira o bullying todo (mas, ei, a camiseta era do Etevaldo, super sci-fi!).



4 comentários:

  1. Eu tbm já tive esses pesadelos voltando pra escola...
    Pelo menos passamos dessa fase com poucas sequelas... Acho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ao menos a gente não saiu atirando em todo mundo na escola, né? HAHA

      Excluir
  2. Poxa, temos muitas coisas em comum!

    A parte de ser zuada por ser quietinha, por exemplo. Como sofri com isso... Ainda sofro com um certo isolamento e curiosamente algumas pessoas me acham expansiva, super segura, irônica... Mal sabem as pedra que eu seguro aqui!

    Eu gostava de ir pra escola, até gostava de algumas aulas, especialmente redação e biologia, mas gostava mais mesmo de estar com as minhas amigas. Por ser filha única, sempre quis amizades duradouras, companhias agradáveis. É disso o que mais sinto falta, pois nós éramos unidas, dormíamos uma na casa da outra, e não tive mais esse companheirismo, essa amizade, depois disso. Depois que uma dessas amigas se matou, esse sentimento de isolamento se aprofundou... Dureza a vida, né?

    Gostei muito de ler suas respostas! BEJAS!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, que tristeza! :(
      Mas entendo também sobre o isolamento pós-escola, embora o meu tenha batido mais depois da faculdade. Lá, sim, eu tinha mais amizades e me divertia, mas depois que acabaram as aulas, acabou tudo isso também. Por isso digo que a gente tem que aprender, por mais egoísta e errado que pareça, a se virar sozinha. Depender de amigos pra viver pode parecer ótimo, mas é uma dor terrível quando não os temos mais.
      Obrigada pela visita e por ter me dado oportunidade de conversar sobre isso! Beijos!

      Excluir

Bom senso, respeito e educação são esperados e sempre bem-vindos nos comentários. Obrigada pela visita!