04/06/2016

"Assiste a 32 séries (you're a freaking god!)"

Lá venho eu recomendando as séries que comecei a ver desde a última postagem! E, sim, ainda estou assistindo a várias das recomendadas anteriormente (não desisto de ninguém).



Better Call Saul


Um dos personagens mais carismáticos de Breaking Bad ganhou, merecidamente, uma série só pra ele. Better Call Saul conta a "origem" do advogado de reputação discutível que sempre dá um jeitinho pra sua clientela suspeita. O mais interessante é que todos esperamos que essa seja uma série cômica, quando trata-se, na realidade, de um drama bastante intenso. Jimmy McGill, que é seu nome verdadeiro, é um excelente e dedicado advogado, mas não tem o respeito dos colegas ou sequer do irmão mais velho, advogado veterano que enfrenta uma complicada condição de saúde, por causa de seu passado um tanto quanto delinquente. Enquanto está cheio de boas intenções e ideias inovadoras para melhor atender aos mais necessitados, todos parecem mais preocupados em derrubá-lo do que aceitá-lo. Enquanto acompanhamos tudo o que dá errado na vida de Jimmy, conhecemos melhor, também, a história de Mike Ehrmantraut, personagem menor de Breaking Bad e um dos meus favoritos. Acho essa série indispensável pra quem adorou Breaking Bad, pois nos apresenta esses personagens, desenvolve as conexões entre eles e a série anterior, e dá de presente a participação especial de vários outros personagens, também.







Dead Like Me


Escolhi aleatoriamente na Netflix pra ver se curtia e, depois de assistir a alguns episódios, me peguei gostando de verdade dessa série de humor negro de Bryan Fuller. A jovem George Lass não ligava muito pro que fazia ou deixava de fazer: começou uma faculdade que não durou muito e não queria arrumar um emprego, não conversava com a família e nem tinha amigos. Completamente apática, se viu forçada a ter que trabalhar mas, já no primeiro dia no entediante emprego, o destino age e George morre - acertada pela tampa de um vaso sanitário de uma estação espacial que explodiu. Antes que pudesse entender o que estava acontecendo, a garota é abordada por pessoas aparentemente comuns mas peculiares que dizem que, em vez de "subir ou descer", ela vai ser uma ceifadora como elas. Só que George finalmente acorda pra vida (meio tarde demais) e descobre que se importa com as pessoas e sempre questiona a missão de ceifar as almas que deve, dando um pouco de trabalho para os seus colegas e superiores. A série, então, acompanha o dia a dia da jovem George e seus colegas cumprindo suas cotas e se adaptando a continuar "vivendo" entre os vivos, mas sem ser mais o que era. É morbidamente engraçada mas também tem momentos emocionantes. A série teve só duas temporadas e aí ganhou um filme, mas parece que está "em aberto" para a possibilidade de continuação.






Elementary



Eu tinha um tanto de preconceito sobre essa série, por ter começado mais ou menos quando começou Sherlock, da BBC, e pensei que era um caça-níqueis americano se aproveitando da nova popularidade do clássico detetive. Entretanto, assisti a alguns episódios com uma prima, por indicação dela, e descobri que é uma série muito, muito interessante e divertida. Ambientada em época atual e nos EUA, a série nos dá uma versão um tanto inusitada de Sherlock Holmes: em vez de ser o inglês pomposo e reservado que estamos acostumados a ver, aqui Sherlock é um inglês que foi aos EUA morar em uma propriedade do pai após ter saído de um temporada de reabilitação. Joan Watson, ex-cirurgiã por motivos complicados, é sua acompanhante de sobriedade, contratada pelo pai de Sherlock para que morasse com ele e ficasse de olho no filho. Como Sherlock trabalha como consultor para a polícia de Nova York, Watson acaba acompanhando os casos de perto e, por mostrar aptidão e interesse pelas investigações, acaba sendo "promovida" a ajudante dele. Vários dos casos e personagens dos livros aparecem na série, com adaptações modernas e interpretações diferentes, o que é sempre legal de ver. E a própria personalidade do protagonista é algo que me agrada e diverte bastante.





Fear The Walking Dead


Essa é uma que comecei a ver por ser ligada à The Walking Dead - funcionando como uma "origem" para o apocalipse zumbi que já estava instalado quando Rick Grimes acordou do coma, do outro lado do país. Só que, pelo menos até agora, não explicou muita coisa; só é interessante por mostrar como pegou todo mundo de surpresa e o quão rápido o ser humano se mostrou disposto a matar para sobreviver em um mundo que ainda nem tava tão perdido. De qualquer forma, não sou muito fã da série e nem sei porque ainda tô assistindo. Os personagens não são carismáticos, percebe-se que o orçamento é pobre, comparado à série de maior sucesso, e os episódios são meio decepcionantes, de forma geral. Talvez o delinquente Nick seja o personagem mais interessante, agora, e a segunda temporada teve algumas cenas bem legais. Vamos ver como fica.





Star Trek: Enterprise


É a última série de Star Trek, até agora (uma nova já foi anunciada para o ano que vem) e, como sempre, já amei desde o primeiro episódio. Essa aqui é ambientada mais ou menos 100 anos após a criação da Federação na Terra, ou seja, se passa quase um século antes da série original, com o capitão Kirk e Spock. Essa é a primeira missão da Enterprise, então absolutamente tudo é novidade para a tripulação e a Federação: muitas raças que já vimos nas outras séries estão sendo contactadas pela primeira vez, algumas tecnologias ainda nem existem (como o holodeck e o raio trator, observados nas naves de outras raças) ou são experimentais (o motor ainda é de dobra 5 - considerado o mais avançado até então -, o teletransporte era usado só para objetos, porque todos ainda tinham medo dele, e o replicador ainda nem era usado para fazer comida). Além disso, mostra bem o relacionamento entre humanos e vulcanos; os últimos se estabeleceram na Terra para observar, mas também controlar os primeiros, o que os torna meio que os antagonistas dessa série, por incrível que pareça. Era um relacionamento hostil e sem confiança de nenhuma das partes, motivo pelo qual a balde de gelo vulcano T'Pol foi mandada para fazer parte da missão: espionar e prestar relatório de cada movimento do simpático capitão Jonathan Archer nessa arriscada primeira missão pelo espaço. O elenco principal, como sempre, é a tripulação da ponte de comando, e todos os personagens são legais e têm seu próprio momento na série (a oficial de comunicações, Hoshi, é tradutora :)). Tô achando interessantíssimo acompanhar com eles todas as primeiras descobertas e invenções da Federação, e acho que todo fã deveria assistir, também.





The Gates


Escolhi essa por recomendação da Netflix, pois achei a sinopse interessante. Logo vi que era uma daquelas séries de elenco jovem e bonito e sou meio duvidosa da qualidade desse tipo de filme (vocês sabem como é), mas fui ver mesmo assim. A história é a de um policial que se muda com a família para o condomínio The Gates, um lugar gigantesco que funciona como uma cidade onde há tudo de que os abastados moradores precisam - todo tipo de comércio e instituições e uma delegacia própria, de onde o policial Nick Monohan será delegado. Só que o lugar, aparentemente perfeito, serve de abrigo para todo tipo de criatura sobrenatural, desde vampiros e lobisomens a bruxas e súcubos. Todos sabem quem são, nem todos se dão bem, e o novo delegado investiga as coisas estranhas que acontecem por ali sem fazer ideia do que está acontecendo de verdade. A série foi cancelada depois da primeira temporada por causa da baixa audiência, e não é uma coisa assim excelente mas vale ver, é diferente.




.


Tem mais algumas que comecei a ver mas, como assisti pouquinho, não me sinto à vontade pra falar sobre elas, ainda. Ficam pro próximo apanhadão :)

Vejam todas as outras séries na tag "séries" logo ali embaixo do post ou pelo menu suspenso, lá em cima!

3 comentários:

  1. Eu meio que desisti da maioria das minhas séries. Por falta de tempo vou atrasando os episódios, e depois vou perdendo a vontade de assistir novamente, rs... Só sigo firme com Game of Thrones, que consegui convencer o marido a assistir, e ele pegou gosto pela coisa, rs...

    Acho teu gosto por séries excelentes. Meu marido ama Better Call Saul, mas confesso ainda não ter assistido, estava entretida com Greys Anatomy na época do lançamento, rs...

    Me interessei por Elementary! Valeu pelas dicas!

    Bjsss

    ResponderExcluir
  2. Minha vida é um eterno assistir mais tarde. Pra ter uma ideia tem umas 90 séries na "geladeira" no meu banco de séries incluindo algumas na tua lista huewhausdhu
    Eu também não sei porque ainda assisto FTWD. A cada episódio fico mais sem paciência com quem tá começando hue

    ResponderExcluir
  3. Te indico Wynonna Earp também. :)

    ResponderExcluir

Bom senso, respeito e educação são esperados e sempre bem-vindos nos comentários. Obrigada pela visita!