Pular para o conteúdo principal

TAG: Minha banda favorita



Todo mundo tá carequinha de saber que a minha banda favorita é o Oasis e também já sabe quais são todas as outras favoritas (tag música, divirtam-se), então vou aproveitar a oportunidade da TAG roubada pra falar da minha banda favorita mais recente.

O Biffy Clyro é uma banda escocesa que está na ativa desde 1995, formada por Simon Neil (vocal e guitarra) e os gêmeos Ben Johnston (bateria) e James Johnston (baixo), que eram amigos desde os 15 anos. O estilo deles é classificado como "rock alternativo" e "post-hardcore", o que é bem vago e não quer dizer nada, mas dá pra ter uma ideia (há quem os compare com o Foo Fighters, com que eu não necessariamente concordo). Estão tocando juntos até hoje, contando com fama suficiente na Europa pra ser a atração principal de vários festivais por lá. 

Ok, vamos lá:


1. Sua música favorita

A gente tem fases de "música favorita" de uma banda ou artista que curte muito, né. Acho que a minha favorita agora é Biblical (já postei ela antes, mas vou postar de novo porque ninguém vai me impedir).


Baby, if you could, would you go back to the start?
Take any fresh steps or watch it all fall apart again?

2. Uma música que você gostaria de ouvir ao vivo

Eu gostaria de ouvir qualquer uma ao vivo, mas acho improvável que eu vá, um dia. De qualquer forma, me fantasio jogando um bilhetinho no palco pedindo "TOCA HIYA!".


Look at this starless night
We can shine forever and
won't you please take my hand?

3. Uma música do primeiro álbum

57. Adoro como eles eram diferentes do que são hoje, musicalmente e, bom, o Ben ainda tinha cabelo.


And I'm trying not to feel this music is for you
And over, and over, and over.


4. Uma música do álbum mais recente.

Eles vão lançar álbum agora em julho, então vou colocar um dos singles novos, Animal Style.


Why d'you waste your time with me, I'm just an animal.

5. Sua letra favorita

Putz, adoro várias letras. Mas acho que a maior parte das minhas favoritas está em Puzzle, então vou votar na The Conversation Is...



What do I do if I'm wrong?
Do I blame it on everyone
Else like I always do?
See, I'm a coward because of you.

6. Seu álbum favorito

Acho que o Opposites. Provavelmente. Não sei.




7. O que você tem de merchandising da banda

Só alguns CDs: o Puzzle, o Only Revolutions e o Opposites.




8. Uma foto da banda

promo de Victory Over the Sun / foto de Anthony Mandler


9. Seu videoclipe favorito

Já que tocamos nela, o de Victory Over the Sun. É um vídeo intenso. E, bom, eu acharia difícil resistir ao Simon Neil me persuadindo a me juntar a que religião fosse com essa cara dele na cena final.



I can only make you see the moon
You can touch it, but that's up to you


10. Seu vídeo ao vivo favorito

Tudo o que tem nessa meia hora. Assisti todas as versões ao vivo de Biblical e tenho certeza que a melhor delas está aqui.




11. A primeira música que você ouviu.

Então. A primeira música do Biffy que eu ouvi foi Who's Got A Match?, mas era um cover tocado pelo Frank Turner. Depois disso acho que só fui ouvir pela rádio personalizada do Spotify, que me mandava The Captain o tempo todo. E aí quando finalmente peguei a banda pra ouvir de vez, a primeira que ouvi foi Living Is A Problem Because Everything Dies, que foi quando decidi que gostava da banda. Qual tá valendo?



Don't wanna waste no more time
Time's what we don't have
Everywhere I look someone dies
Wonder when it's my turn.

12. A música mais tocada na sua playlist

A que tem mais plays, segundo meu Last.fm, é Folding Stars. O que deve ser verdade, porque é uma música linda e não me canso de ouvi-la. Simon a fez para sua mãe, que faleceu durante o processo de composição desse álbum.



Eleanor, Eleanor
I would do anything for another minute with you
'cause it's not getting easier, it's not getting easier.


13. Uma música que foi trilha sonora de filme

Eu tive que pesquisar pra saber dessa e descobri que Many of Horror faz parte da trilha de "Transformers: O Lado Oculto da Lua" (nem sei qual deles é esse :B).



I'll take a bruise, I know you're worth it
When you hit me, hit me hard.


14. Uma música que te faz chorar

Além de Folding Stars, The Thaw. Não nego.



You could have taken it all but you should have asked
I would give you my tongue or my dying breath
Please believe in me like I believe in you
It's the only thing to see us through.


15. Uma música que te deixa feliz

Sounds Like Balloons me faz querer pular idiotamente. Fico imaginando show e tal, é emocionante, haha (o cara em pé [!!] no ombro de alguém ali no vídeo me representa).



The land at the end of our toes
Goes on and on and on and on
The sand at the core of our bones
It blows on and on and on and on.


16. Por que essa é sua banda favorita

Amo o Biffy Clyro porque eles têm um estilo meio esquisito de transições nas músicas que fazem elas grudarem na minha cabeça por dias (o que, nesse caso, é legal). Gosto das letras inteligentes do Simon e sempre acho algo com que me identificar. E adoro principalmente como eles são uma família e estão juntos esse tempo todo sem desentendimentos; como é sempre evidente que eles adoram fazer o que fazem e como respeitam o público nos shows; como os shows são sempre, sempre ótimos e cheios de energia; e como as entrevistas são sempre divertidas. Nunca vi pompa, arrogância ou má-vontade nesses caras, e eu respeito muito isso em artistas. Mon the Biff!

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…