Pular para o conteúdo principal

Desafio de Leitura 2016: Quarto relatório

FINALMENTE terminei de ler A Torre Negra! Agora posso falar sobre a série toda aqui. Eliminei alguns itens do desafio só com ela, então adiantei mais um pouco (não que eu ache que vá conseguir terminá-lo...). O desafio completo está ali no menu à direita, bem à vista. Pra quem está vendo pelo celular, clique aqui para conferir. Todos os relatórios do desafio estão na tag "desafio de leitura", logo abaixo do post (celular: aqui).


▼▼▼▼▼

Ficção:






O Pistoleiro
Stephen King - Objetiva - 2004 (1982) - 221p.
A Escolha dos Três
Stephen King - Suma de Letras - 2007 (1987) - 415p.
As Terras Devastadas
Stephen King - Suma de Letras - 2005 (1991) - 526p.
Mago e Vidro
Stephen King - Objetiva - 2013 (1996) - 1013p.
Lobos de Calla
Stephen King - Objetiva - 2013 (2003) - 923p.
Canção de Susannah
Stephen King - Objetiva - 2013 (2004) - 535p.
A Torre Negra
Stephen King - Objetiva - 2013 (2004) - 1146p.


Stephen King tinha apenas 19 anos quando escreveu o primeiro volume de A Torre Negra. Estava fascinado por fantasia após ter lido O Senhor dos Anéis e quis experimentar com isso. No entanto, o projeto ficou engavetado até que ele o retomasse, muitos anos depois, com mais experiência, de forma que O Pistoleiro foi quase completamente reescrito antes que ele se dedicasse aos próximos livros da série. Do primeiro ao último volume, King levou 30 anos para completar a história da busca de Roland Deschain pela Torre Negra, misturando fantasia com ficção científica e, claro, o toque de terror característico do autor. A leitura de O Pistoleiro causa estranhamento, pois não se parece com o que estamos acostumados a ler do autor e é uma narrativa um tanto confusa. A história (quase) toda se passa em algum futuro distópico no Mundo Médio, que é uma versão alternativa do nosso mundo, que passou por uma terrível catástrofe há milhares de anos e "seguiu em frente" - de fato, permanecemos teimosamente acreditando que a história se passa em algum tempo antigo (por causa de carroças de cavalos e costumes e hábitos antiquados) até aparecer algum computador ultra-avançado ou robôs -, e começa com o último pistoleiro de uma antiga linhagem importante, Roland Deschain, perseguindo o "homem de preto" pelo deserto. Este homem é seu inimigo e caminha em direção à Torre Negra, incansável e misterioso destino de Roland - o pistoleiro acredita que a Torre guarda a solução para resolver a tragédia que acometeu o mundo, e os sete grandes volumes dessa série são basicamente sobre os - MUITOS - percalços deste caminho. Apesar de eu ter considerado o volume total dessa série maior do que poderia ter sido (há muito da narração que não é realmente relevante para a história) e a leitura um tanto quanto confusa e cansativa (não é o tipo de leitura de entretenimento que a gente pode ler meio distraído; tem que prestar bastante atenção pra não se perder), admito que tudo o que foi colocado lá é importante ao menos para que entendamos melhor os personagens. Os protagonistas, aliás, são muito interessantes, pois fogem dos clichês - especialmente Susannah, tão diferente de qualquer protagonista que eu já tenha lido (sem falar de Oi!); e até o próprio Stephen King é personagem dessa história de mundos cruzados. Tanto contato com eles nos faz conhecê-los bem e nos afeiçoar a eles de forma que seus destinos nos preocupam sinceramente. Não há mais o que falar sobre a história sem soltar um monte de spoilers, mas também destaco que King coloca muitas, muitas referências de suas outras obras nessa aqui. Se você é fã do autor, seria legal juntar alguma coragem e conhecer A Torre Negra. Essa foi, com certeza, a obra a qual ele mais se dedicou e, segundo ele, sua favorita.


✓ item do desafio: Um livro escrito por alguém com menos de 30 anos
✓ item do desafio: Um livro com personagens não humanos
✓ item do desafio: Um livro que sua mãe adora
✓ item do desafio: Um livro com magia
✓ item do desafio: Um livro cujo nome tenha uma cor


Noturnos
John Connolly - Bertrand Brasil - 2016 (2004) - 294p.

Existe uma regra não-oficial sobre livros de contos que dita que sempre haverá alguns deles que não gostaremos tanto quanto dos outros - é até comum gostarmos de duas ou três histórias e as demais não nos agradarem tanto assim. Mas esse aqui fugiu completamente dessa regra, pois gostei muitíssimo de cada um dos 16 contos que o compõem. O autor irlandês distribuiu a temática sobrenatural pelas histórias de uma maneira bastante abrangente: tem história de fantasmas, de demônios, criaturas, folclores, coisas que nem sabemos bem o que é; histórias sobre adultos e sobre crianças, homens e mulheres, em épocas antigas ou atuais, na Europa ou nos Estados Unidos, narrados em primeira pessoa ou não. É muito diverso e isso mantém o interesse do leitor, pois os contos não são parecidos uns com os outros. O primeiro deles, A Balada do Caubói Canceroso, é o mais longo e trata de um homem misterioso que é capaz de matar pessoas com um simples toque - o faz porque é hospedeiro de algo desconhecido e letal, mas também porque gosta do efeito horrível que causa ao fazê-lo. Não consigo escolher quais foram os meus favoritos, mas destaco O Macaco do Tinteiro, muito sinistro e com um final surpreendente, O Abismo de Wakeford, pela ambientação diferente, e o último, O Ciclo, por ter sido escrito de uma maneira muito inteligente. Gostei bastante do estilo de narrativa do autor e quero muito ler seus outros livros.

✓ item do desafio: Um livro cujo título seja apenas uma palavra




Por Que Esta Noite é Diferente das Outras?
Lemony Snicket - Seguinte - 2016 (2015) - 280p.

Último volume da série Só as Perguntas Erradas, do autor fictício Lemony Snicket, protagonista dessa bizarra aventura no vilarejo de Manchado-pelo-mar, palco de mistérios aparentemente desconexos que ele, como membro da também misteriosa organização CSC, deve ajudar a solucionar. Snicket está a bordo de um trem que vai levá-lo embora do vilarejo, e é no A Flor do Vale que ele se deparará com o último mistério do lugar - envolvendo um assassinato, uma falsa acusação, testemunhas muito suspeitas, o último apoio de seus aliados e uma revelação sobre o vilão, Tiro Furado. O desfecho dessa aventura esclarece muitas das confusões que apareceram desde o primeiro livro (sim, estamos falando da Fera Ressonante), mas ainda deixa alguns segredos por conta da nossa imaginação. E é um tanto inesperado, especialmente porque entendemos que Snicket não é um herói mirim, por mais que tenha as melhores intenções, e que essa história toda não foi mais engraçada do que triste. Não pela primeira vez, ressalto que o autor tem uma narrativa maravilhosa que nos diverte enquanto está, lá no fundo, nos dando várias lições de moral sobre a vida e o que fazemos com ela. Para quem já leu as Desventuras em Série, há breves referências de presente. Sinto que ainda há muito para ser aproveitado de Lemony Snicket, e espero que o autor continue escrevendo mais aventuras com ele.

 à parte do desafio



▼▼▼▼▼


Não-ficção:



How Languages Are Learned
Patsy M. Lightbown & Nina Spada - Oxford University Press - 2003 - 192p.

Comprei este há um tempo sem muito compromisso de uma colega tradutora que estava se desfazendo de seus livros e resolvi ler agora porque gosto de alternar leitura de ficção com algo didático. Achei que ia acabar "empurrando" um pouco (por mais que goste de Linguística, o livro é em inglês e achei que ia ser um pouco complicado de acompanhar) mas me prendi logo nas primeiras páginas. Com base em várias pesquisas, as autoras primeiro falam sobre a aquisição da nossa língua materna - no caso específico, inglês, mas os princípios comportamentais são os mesmos para qualquer língua -, discutindo todas as teorias debatidas a esse respeito (aprendemos a nos comunicar por imitação ou é um talento inato?) e mostrando, com interessantes estudos de caso, como elas se complementam. Depois, como conseguimos aprender melhor uma segunda língua, esclarecendo o que é mito (como a "idade certa", "aptidão" ou o "método infalível") e o que realmente influencia (motivação, objetivo, prática, a própria língua materna). O livro é repleto de bons argumentos que eu gostaria de ter quando ainda ensinava em escola, e foi sem dúvida uma leitura muito enriquecedora.

 à parte do desafio


▼▼▼▼▼

HQs:



Mais Cuecas Por Cima das Calças, de Rafael Koff (independente). Segundo volume do divertido livrinho que o autor lançou em 2013 e que também apoiei pelo Catarse. É uma coletânea de mais tirinhas satíricas dos nossos super-heróis famosos favoritos, debochando de seus poderes e suas fraquezas. Como o projeto conseguiu arrecadar mais do que o necessário, o livrinho veio com um pôster superlegal de brinde, com todos os heróis desenhados pelo autor.



A Vida Oculta de Fernando Pessoa, de André F. Morgado e Alexandre Leoni (SESI-SP). "A morte é a curva da estrada. Morrer é só não ser visto." Este também foi um projeto do Catarse, mas perdi a campanha e não deu tempo de apoiar. Felizmente, o projeto vingou e consegui comprar a HQ pela Amazon, depois. É de conhecimento geral que o grande poeta português era seguidor do ocultismo e membro de algumas ordens secretas. Nessa HQ, os autores se aproveitaram desse lado interessante de Pessoa e o associaram a fatos reais de sua vida, criando a fantasia de que o poeta fazia parte de uma sociedade secreta responsável por salvar Portugal de um grande mal (yeah, Fernandão versus zumbis!). Porém, sua missão envolve escolhas difíceis que dão origem a seus famosos heterônimos. Além das ilustrações bacanas, a história é narrada em português europeu, para manter a ambientação, e toda pontuada por trechos da obra de Pessoa. Transformar o grande homem que Fernando Pessoa foi em um herói tornou essa HQ uma das minhas favoritas absolutas!





Ms. Marvel: Nada Normal e Questões Mil, de Wilson & Alphona (Marvel/Panini). Eu já tinha lido o Nada Normal há uns meses e gostado bastante, mas acabei não colocando aqui no blog. Como li a continuação agora, achei que já era o suficiente pra escrever sobre essa nova Ms. Marvel. Kamala Khan é uma adolescente muçulmana nerd que mora com a família em Jersey City e que ganha poderes súbitos. Como é fãzaça da Capitã Marvel, Kamala acredita ser sido escolhida para ser a sua sucessora, então tira proveito dos poderes recém-adquiridos para fazer o bem pela cidade. Entretanto, tanto seus poderes quanto os vilões que apareceram ao mesmo tempo são bem mais do que ela imagina, o que não impede a corajosa garota de burlar as estritas regras familiares para sair escondida por aí e dar uns merecidos socos. Embora se denomine Miss Marvel, Kamala é, na verdade, uma Inumana, um dos muitos humanos que possuem DNA alienígena e que, ao serem atingidos pela nuvem terrígena, adquiriram poderes. A HQ é muito divertida e vem sendo considerada uma das melhores e mais importantes séries da atualidade, principalmente pela representatividade da protagonista.



▼▼▼▼▼

Almanaque:




Star Trek: O legado da série (Coleção Mundo Nerd #1, Editora Europa). Não costumo colocar revistas nos relatórios, mas não podia deixar de destacar esta, que é o primeiro volume de uma coleção sobre 6 franquias importantes para a cultura pop. Esse almanaque é um apanhado sobre todas as séries e filmes de Star Trek, com curiosidades sobre os bastidores da série clássica, os atores principais do elenco, alguns roteiristas e o criador de tudo, Gene Roddenberry. Também aborda todos os percalços que atrapalharam o caminho para o desenvolvimento dessa maravilha futurista na TV, e traz recomendações dos melhores livros e quadrinhos derivados das séries. É um bom resumão pra quem ainda está conhecendo tudo e sabe que tem muita coisa pra colocar em dia, e uma boa fonte de pesquisa rápida para os fãs. 





✓ itens do desafio eliminados: 06

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…