10/10/2016

4 coisas que você nunca quis saber sobre o seu corpo




  • A maior parte dos pelos do nosso corpo é habitada por ácaros chamados Demodex folliculorum. Eles ficam especialmente no nosso rosto, nos folículos dos cílios, sobrancelhas, nariz e ouvidos, mas também podem ser encontrados em outras partes do corpo. Esses ácaros estão espalhados por tudo para se alimentar das nossas células mortas, mas não nos fazem nenhum mal, por isso não são considerados parasitas (embora possa haver um excesso, o que provoca algumas doenças da pele).



  • Temos mais bactérias vivendo no nosso corpo do que células humanas (a estatística aceita atualmente é de 3:1). Essa população bacteriana é chamada de microbiota e vem sendo mapeada geneticamente por cientistas que procuram entender toda a extensão desse convívio entre bactérias e células humanas. O que se tem certeza até agora é que a maior parte delas não só se beneficia do nosso corpo como também ajuda o nosso organismo a funcionar direitinho, nos impedindo de viver sem elas. 


  • Todos possuímos uma enzima chamada telomerase, que é responsável, grosseiramente falando, pela imortalidade das células. Essa enzima é ativa durante o nosso desenvolvimento embrionário, mas para automaticamente de funcionar assim que nosso corpo está completo. Depois que nascemos, ela só está ativa em células que morrem muito rápido e que, portanto, precisam se multiplicar muito, como as do esperma e da pele. Hipoteticamente, se tivéssemos essa enzima ativa o tempo todo, seríamos imortais (no que diz respeito a "morrer de velhice", já que o nosso corpo não se degradaria). Indústrias farmacêuticas estão testando ativar a enzima para o tratamento contra o envelhecimento, mas não houve resultado satisfatório até agora por um detalhe fatal: as únicas células que aceitam a telomerase ativa são as cancerígenas. Sendo assim, todas as cobaias acabam morrendo de câncer.



  • Nosso corpo não reconhece nossos olhos como parte dele. Nossos olhos são órgãos que estão muito expostos a fatores externos que podem machucá-los ou infeccioná-los através de microrganismos diversos. Por isso, eles têm um sistema imunológico só para eles, conferindo o que a ciência chama de imunidade privilegiada. O problema da imunidade privilegiada é que o sistema imunológico do resto do corpo interpreta esse sistema separado como uma ameaça ao resto do corpo e tenta atacá-lo. Os dois sistemas só não ficam perdendo tempo brigando um com o outro porque nossos olhos têm uma barreira física (formada por algumas células específicas) que os protege de nós mesmos - caso contrário, nossas células brancas devorariam nossos olhos sem pensar duas vezes.


.

Fontes: List25 | Wikipedia