Pular para o conteúdo principal

"Assite a 36 séries (you're a freaking god!)"

Tô me arrastando com algumas, comecei várias outras, me prendo a todas, preciso de ajuda. Não me indiquem mais nada.




Black Mirror



Já passa há alguns anos, mas só agora a galera começou a falar sobre ela, então comecei a ver por indicação de várias pessoas. É uma série antológica (ou seja, não há sequência: cada episódio é uma história independente) de ficção científica ambientada em um futuro próximo e nada absurdo em que a humanidade está lidando mal e porcamente (juro que não quis fazer trocadilho com o primeiro episódio) com toda a tecnologia que criou com a melhor das intenções. São histórias perturbadoras sobre comportamento humano, e já vemos gente agindo assim atualmente. Tem um monte de gente dizendo que tá perturbada o suficiente com a série a ponto de sair de redes sociais e abandonar celulares, o que só mostra como o ser humano precisa entender que é a gente que domina a máquina, e não o contrário...





Outcast



Do mesmo criador de The Walking Dead, e também baseada em uma HQ dele, esta aqui mexe com outra linha de terror para a televisão: possessão demoníaca. Kyle Barnes é perseguido desde criança por uma entidade que possui membros da sua família. Com o passar dos anos, percebe que toda a cidadezinha de Rome está sendo afetada pelo fenômeno e que os demônios têm um grande plano e o perseguem por um motivo especial. O primeiro episódio foi bem assustador, e o final da primeira temporada foi bem tenso, mas não me empolguei tanto assim, de maneira geral. Vamos ver como vai continuar.





Stranger Things



Não havia me interessado por ela quando saiu na Netflix, mas aí todo mundo começou a ver e elogiar e encher o saco então fui dar uma chance e gostei. Começa com o desaparecimento de um menino, então se trata de todo mundo tentando encontrá-lo: a polícia do jeito convencional, a mãe surtada tentando de tudo que pode, e os amigos fazendo descobertas bizarras pelo caminho - descobertas que não podem ou têm como divulgar. A descoberta mais bizarra que fizeram foi Onze (Eleven, no original, que acho mais charmoso). Há todo um mistério sobre a garota, que é o ponto alto da série. Como se passa nos anos 1980 e é todo produzido como se realmente fosse um filme da década, despertou o saudosismo de um monte de gente. Pra quem gosta de um estilo Spielberg, vai gostar dessa, com certeza.





The Exorcist



Baseada na famosa obra original de William Peter Blatty, a série acompanha o drama de uma família que está sendo afetada pela possessão de uma filha. O demônio deixa claro que não é a menina que ele quer, mas faz bastante estrago com ela - e ela com todo mundo. Além disso, os dois padres responsáveis pelo exorcismo dela têm suas próprias histórias e fraquezas, o que dificulta um pouco a situação toda. Ao mesmo tempo, o Papa está vindo para uma visita à cidade, então há várias forças envolvidas para tornar esse evento algo terrível. Entretanto, a série não está indo muito bem - talvez nem seja renovada para a segunda temporada. Não sei se porque as pessoas estavam com uma expectativa diferente a respeito dela, não sei se porque veio basicamente ao mesmo tempo de Outcast e são muito, muito similares. Vamos ver.





The Fresh Prince of Bel-Air / Um Maluco no Pedaço


Putz, eu assisti isso inteiro quando passava na TV, mas vi na Netflix e fui assistir tudo de novo porque preciso descansar a cabeça com comédia, de vez em quando. Adoro o Will Smith e é engraçado vê-lo tão jovem e tão desajeitado no começo de sua carreira. Will, a pedido de sua mãe, se muda da vizinhança perigosa na Filadélfia para ir morar com os tios em sua mansão em Bel-Air. A série toda é sobre a adaptação dele com a nova realidade (e, especialmente, da família com a presença dele), mas traz muitas discussões raciais pertinentes no contexto americano, que nunca melhorou muito em termos de preconceito. Ainda assim, por ser de uma época em que não se lutava muito contra isso, noto agora algumas temáticas que incomodam nos roteiros - digo, não dá pra equilibrar muito o tom moralista das discussões raciais enquanto há tanto machismo acontecendo o tempo todo de maneira tão natural. Não seria o tipo de coisa que produziriam hoje em dia e com certeza não passaria batido se fosse, mas ainda dá pra se divertir - especialmente com a Hilary, minha favorita.




Zoo



Uma que eu tinha bastante curiosidade mas acabei deixando pra assistir somente quando chegou na Netflix. No mundo todo, sem nenhum sinal prévio, os animais estão agindo de forma inesperada, com diferentes espécies se unindo em ataques contra os humanos. A princípio, acredita-se que haja alguma doença contaminando esses animais, mas logo constata-se ser uma mutação evolutiva: os animais estão se adaptando à presença humana para reclamar seu lugar de volta na terra. Nisso, um grupo eclético de profissionais se une para entender tudo isso e descobrir uma cura. Tenho o livro em que a série foi baseada, mas ainda não o li, então não sei se estão mantendo o roteiro original ou se inventaram outra coisa pra adaptação. Gosto de ver os animais diferentes a cada episódio, adoro que eles não sejam (como regra geral) maltratados ou mortos pelos humanos, apesar de tudo, e também gosto do fato do elenco principal viajar pelo mundo todo e assim a gente conhecer um pouco de todos os lugares. Porém, algumas coisas são um pouco relaxadas; por exemplo, a parte que se passa no Brasil foi meio mal pesquisada e a interpretação dos brasileiros foi bem ridícula. Alguns relacionamentos entre os personagens principais também me parecem meio forçados e não convencem muito bem; mas acho a história geral inteligente e original, então continuo assistindo e ansiosa pelos episódios seguintes.





► TERMINADA:


The 4400


Ao longo de 60 anos, 4400 pessoas desapareceram por todo mundo. Um dia, todas elas reaparecem, ao mesmo tempo, à beira de um lago em Seattle, sem memória de nada do que tenha acontecido nesse meio tempo, como se tivessem sumido no dia anterior. Além do mistério envolvendo seu desaparecimento e ressurgimento, há algo mais: cada um deles voltou com alguma habilidade diferente, como um tipo de poder, mas o propósito disso também é desconhecido. Para entender tudo isso, é criada uma agência especial no FBI encarregada das investigações, mas seus membros estão pessoalmente envolvidos de alguma forma com o caso dos 4400, então muitas regras são quebradas e muitas coisas interessantes acontecem. Era uma série que eu adorava e lamento ter sido cancelada antes de pensarem num final realmente conclusivo.





Para outras indicações, pesquisem a tag "séries" aqui abaixo do post ou no menu suspenso lá em cima.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…