Pular para o conteúdo principal

Cover: "The Lady is a Tramp"

Ando bem relapsa com as postagens de música (e pensar que esse blog já foi quase só sobre isso...), então vamos conhecer/relembrar esse jazz bem divertido e algumas de suas versões mais famosas ou interessantes.





She gets too hungry for dinner at 8
She loves the theater but she never comes late
She never bother with people that she hate
That's why this lady is a tramp!


The Lady is a Tramp é uma canção composta em 1937 por Lorenz Hart e Richard Rodgers para um musical chamado Babes in Arms, e cantada pela estrela mirim Mitzi Green. A letra é uma brincadeira com as rígidas regras de etiqueta da alta sociedade de Nova York, na época, sob o ponto de vista de uma moça vivaz que prefere curtir a vida de sua própria maneira despreocupada.

Esse jazz foi gravado por vários artistas do gênero e alguns outros que se aventuraram com suas próprias versões. Aqui vão algumas:






A versão mais conhecida foi gravada por Frank Sinatra em 1957, após ele próprio ter atuado em um filme em que seu personagem cantava essa canção para a personagem de Rita Hayworth (Pal Joey, "Meus Dois Carinhos", aqui no Brasil), e acabou se tornando uma de suas músicas mais conhecidas. Um ano antes, a diva Ella Fitzgerald já havia gravado, também, sua versão. Nesse vídeo, vimos um dueto divertido dos dois.



Em 1967, as maravilhosas Diana Ross & The Supremes gravaram uma versão, também, que costumavam apresentar em medley com Let's Get Away From It All.



Apesar de não ser uma versão conhecida, coloco essa de Nichelle Nichols como curiosidade. Na época em que a gravou, também em 1967, Nichols já era famosa por interpretar a tenente Uhura em Star Trek, apesar de já ser conhecida como talentosa cantora e dançarina antes disso. 



O maior astro do horror rock, Alice Cooper, apresentou uma versão caricata da música no filme Good to See You Again, de 1973, que documenta sua maior turnê, a Billion Dollar Babies Tour, mas que só foi oficialmente lançado em 2005. Essa cena é a que abre as filmagens dos shows.



Tonny Bennett já havia gravado uma versão antes, mas a relançou em uma inusitada  e sensacional parceria com Lady Gaga para seu álbum Duets II, em 2011. Bennett ficou muito impressionado com a performance da convidada e a elogiou grandemente como artista criativa e como cantora de jazz. Tanto a música quanto o vídeo fizeram muito sucesso, e a crítica expressou a esperança de que Lady Gaga lançasse algum material de jazz para mostrar que tem muito mais talento do que deixava aparentar em sua carreira pop, até então. Tanto foi que os dois acabaram lançando, depois, o álbum Cheek to Cheek, com outras músicas do gênero que acabaram gravando juntos.




Uma lista completa de todos os artistas que gravaram essa música está no primeiro link abaixo. Qual a sua versão favorita?

.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…