Pular para o conteúdo principal

TAG: O que faz eu me sentir...

Descobri agora que tinha essa lista salva em um arquivo .txt desde 2010, e diz minha nota de rodapé que ela veio do MyspaceSurveyFun.com, que não existe mais (gente, MySpace!). Mas podem roubar daqui, se quiserem. Só procurem não levar 6 anos pra responder.






1. Amado? Ser lembrada, considerada, incluída. É uma baita resposta carente, mas eu sou esquecida com tanta frequência que cada demonstração dessa é uma delícia.

2. Infeliz? Ser ignorada ou esquecida por pessoas de quem gosto, ou quando elas não prestam atenção no que eu compartilho com elas (tudo que eu mostro pra outras pessoas é importante pra mim). E ver o tipo de coisa que faz sucesso no Instagram.

3. Confuso? Pensar demais. Conecto fatos desconexos e invento padrões inexistentes até que fique confusa o suficiente pra questionar a própria vida. Coisa que faço o tempo todo.

4. Hipnotizado? Assistir filmes no cinema. Eu geralmente fico absorta o suficiente pra não querer conversar durante o filme.

5. Idiota? Vácuo. Dar chances. Repetir coisas que falei que não ia fazer mais.

6. Em paz? Poder levantar da cama a hora que eu quiser, sem barulho e sem preocupações sobre as obrigações do dia. E acender as luzinhas azuis do meu quarto.

7. Atordoado? Notícias de mortes inesperadas, mas acho que todo mundo :B

8. Sonolento? Ir ao supermercado. É só pisar lá que começo a bocejar loucamente.

9. Motivado? Perceber que consigo fazer aquilo e que estou tendo um bom rendimento. Feedback positivo de quem entende sobre o assunto. 

10. Doente? Ver maus-tratos contra animais e crianças.

11. Perplexo? Pouca coisa me surpreende porque aprendi a estar sempre preparada para o pior, então talvez eu fique perplexa quando as coisas dão incrivelmente certo e nada ruim acontece.

13. Esperto? Tentar aprender algo sozinha e conseguir. Dada a necessária dedicação, não tem erro.

14. Envergonhado? Ser exposta, de qualquer maneira, sem estar preparada. Especialmente quando riem de mim.

15. Preguiçoso? Preparar algo pra comer.

16. Determinado? Fazer uma lista de vantagens e desvantagens ajuda a esclarecer minha determinação, se a parte das vantagens for maior.

17. Enciumado? Não receber a atenção que eu acho que mereço em favor de outra pessoa que tenha todas as maravilhosas qualidades que eu SEI que também tenho, mas que não são apreciadas porque, sei lá, porque não sou legal o suficiente.

18. Grato? Ter meu esforço reconhecido, tendo dado certo ou não. Quando as pessoas são educadas e não apontam o óbvio sobre minha personalidade ou físico. (ADORO QUANDO NÃO FALAM DO MEU SOTAQUE OU DA MINHA PELE)

19. Criativo? Meus sonhos são ótimas fontes de inspiração. E o Pinterest!

20. Solitário? Ser incompreendida (ou mal compreendida) por completo descaso das pessoas.

21. Nostálgico? Ver fotos com outras pessoas, a família e os bichos, gente e situações que não existem mais na minha vida e fazem falta.

22. Paciente? Eu sou muito paciente com outras pessoas, de maneira geral, e dar aulas certamente melhorou essa qualidade um pouco mais. Mas não tenho paciência comigo mesma e me cobro muito por eficiência, me frustrando demais quando demoro pra conseguir algo. Pra relaxar isso, exercito a paciência com tarefas monótonas, como desatar nós, montar quebra-cabeças, ou organizar livros e CDs.

23. Reclamão? Quando tudo começa a dar errado e eu desisto de tentar. Eu já fui muito pessimista e venho há anos tentando adotar uma postura mais otimista ou ao menos indiferente, mas às vezes dou uma escorregada na ansiedade e tudo é uma merda, hahaha.

24. Usado? Quando gente que mal fala comigo chega com o "Manuzinha do Favorzinho" pra cima de mim. E aí, depois de conseguir o que quer, sumir de novo.

25. Inseguro? Acordar, basicamente. Mas qualquer situação fora da minha rotina me deixa bastante nervosa.

26. Satisfeito? Cansaço de trabalhar. Dormir exausta de produtividade. Sensação de coisa bem feita e missão cumprida.

27. Esperançoso? Não ouso mais.

28. Assustado? Acho que ando muito apática pra me assustar com qualquer coisa, de verdade.

29. Pessimista? A vida. Ver que as coisas só dão certo pra quem tem os requisitos necessários. Pensar no meu futuro.

30. Otimista? O rendimento do grupo de estudo de Francês. Os exames médicos do meu pai. O crescimento profissional da minha irmã.

31. Desconfortável?  Ter a atenção voltada pra mim, ou estar em algum lugar diferente pela primeira vez.

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…