Pular para o conteúdo principal

Indo à igreja com a Sinéad


foto por Donal Moloney ©




I don't wanna love the way I loved beforeNão quero amar como amei antes
I don't wanna love that way no moreNão quero mais amar daquele jeito
What have I been writing love songs for?Pra que estive escrevendo canções de amor?
I don't want to write them anymoreNão quero mais escrevê-las
I don't wanna sing from where I sang beforeNão quero cantar de onde cantei antes
I don't wanna sing that way no moreNão quero mais cantar daquele jeito
What've I've been singing love songs for?Pra que estive cantando canções de amor?
I don't wanna sing them anymore,Não quero mais cantá-las
I don't wanna be that girl no moreNão quero mais ser aquela garota
I don't wanna cry no moreNão quero mais chorar
I don't wanna die no moreNão quero mais morrer
So cut me down from this here treeEntão me tire desta árvore
Cut the rope from off of meCorte essa corda de mim
Sit me on the floor,Me sente no chão
I'm the only one I should adoreEu sou a única que eu deveria adorar
Oh, take me to church,Oh, me leve à igreja
I've done so many bad things it hurtsFiz tantas coisas ruins, que dói
Yeah, take me to churchSim, me leve à igreja
But not the ones that hurtMas não àquelas que machucam
Cause that ain't the truthPorque essa não é a verdade
And that's not what it's worthE não é o que vale a pena
I'm gonna sing songs of loving and forgivingVou cantar canções sobre amar e perdoar
Songs of eating and of drinking,Canções sobre comer e beber
Songs of living, songs of calling in the nightCanções de viver, de telefonar à noite
Cause songs are like a bolt of lightPorque canções são como um raio de luz
And love's the only love you should inviteE o amor é o único amor que se deve convidar
Songs of long and spiteful failsCanções de fracassos longos e maldosos
Songs that don't let you sit stillCanções que não vão te deixar parado
Songs that mend your broken bonesCanções que consertam ossos partidos
And that don't leave you aloneE que não te deixam sozinho
So get me down from this here tree,Então me tire desta árvore
Take the rope from off of meCorte essa corda de mim
Sit me on the floor,Me sente no chão
I'm the only one I should adore!Eu sou a única que eu deveria adorar!
Oh, take me to church,Oh, me leve à igreja
I've done so many bad things it hurtsFiz tantas coisas ruins, que dói
Yeah take me to church,Sim, me leve à igreja
But not the ones that hurtMas não àquelas que machucam
Cause that ain't the truthPorque essa não é a verdade
And that's not what it's worthE não é o que vale a pena
Yeah, take me to churchÉ, me leve à igreja.


Até quem acha que não conhece a Sinéad O'Connor, a conhece. Sinéad gravou a versão mais famosa de Nothing Compares 2 U, que estourou no mundo todo e a tornou superfamosa nos anos 1990. [já postei aqui, inclusive]

Sinéad é ainda famosa, infelizmente, pela apresentação polêmica no programa de TV Saturday Night Live que acabou com a sua carreira por um bom tempo. Cantando War, de Bob Marley, Sinéad quis trocar a denúncia de racismo da letra original por uma denúncia ao abuso sexual de menores cometido por membros da Igreja Católica e, para tanto, durante a apresentação, ao vivo, rasgou uma fotografia do Papa. Como a ideia não tinha sido discutida com a produção do programa, o ato radical pegou a todos de surpresa (não houve aplausos, nem vaias) e a reação posterior do público trouxe todo tipo de problema ao programa e, principalmente, a ela. [Os responsáveis pelo programa conseguiram consertar o estrago logo na semana seguinte. Ela, não.]

Antes de um período longo de rejeição do público e eventual ostracismo, Sinéad tentou levar a público a discussão sobre abuso de mulheres e crianças, causas (entre muitas outras) de que se tornou figura ativa e vem discutindo até hoje, embora sempre cercada de polêmica. Ela, mesma, veio de um lar bastante desestruturado e sofria agressões e abusos de sua própria mãe, que faleceu num acidente de carro poucos anos antes da cantora fazer sucesso.

A cantora irlandesa, agora com 51 anos, ainda usa o visual icônico de cabeça raspada, pois sempre quis destruir a imagem tradicional de como uma mulher deveria se parecer. Sua sexualidade sempre foi discutida, embora não seja problema de ninguém. Sinéad também sofre de transtorno bipolar, o que também vem sendo causa de polêmica nos últimos anos, com seus rompantes nas redes sociais de ameaças de suicídio (coisa que ela realmente tentou, anos atrás).

Embora pareça controverso, Sinéad O'Connor é católica e admite que é a sua fé que a mantém firme através das dificuldades. Tanto que, a despeito de não ser reconhecida pela Igreja Católica (que não admite mulheres padres), ela conseguiu uma ordenação sacerdotal da Igreja Ortodoxa. Segundo ela, "Deus salva a todos [...] e não julga ninguém", mas "Cristo vem sendo assassinado por mentirosos no Vaticano" e discursa contra a Igreja e religião sempre que pode.

Pois bem.

Em 2014, Sinéad lançou I'm Not Bossy, I'm The Boss [recomendado aqui no blog], em que aparece completamente diferente na capa e isso, também, trouxe uma leva de controvérsias que não a atingem. Minha música favorita do álbum é esta, Take Me To Church, cuja letra e tradução minha coloquei acima. O vídeo oficial é o que segue:




Agora, apresentados à vida e história da cantora, vocês podem entender melhor a carga de significado que essa música leva (vocês certamente notaram a referência ao seu vídeo mais famoso, logo no começo deste, bem como às suas músicas mais famosas, na letra). Por gostar tanto da Sinéad e por entender isso, essa música sempre me emociona porque, além de ser uma demonstração de desprendimento do passado, superação de dificuldades e aceitação de si própria ("I'm the only one I should adore!" - sai, peruca!), me inspira a querer ser como ela. Confiante, independente, fiel a si mesma e ao que acredita, relevante e absolutamente maravilhosa. Quero que mais mulheres também queiram ser como a Sinéad.

Postagens mais visitadas deste blog

Algumas das bandeiras mais interessantes do mundo

As bandeiras dos países do mundo são mais do que uma demonstração de cores e padrões: cada detalhe - a escolha e predominância das cores, as faixas, os símbolos, as formas - carrega um significado histórico e/ou cultural que ensina muito sobre o país representado. Selecionei para essa postagem algumas das histórias mais interessantes.
(Não vou falar da nossa Auriverde porque todos nós já estamos carequinhas, certo?)



Reino Unido Union Flag ou Union Jack (azul, vermelho e branco)
Essa bandeira não é a da Inglaterra, como muitos pensam, mas representa os quatro países que formam o Reino Unido: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Esse desenho é usado desde 1801, quando a Grã-Bretanha se uniu à Irlanda do Norte, e é uma mistura das bandeiras desses países: a cruz vermelha de São Jorge (patrono da Inglaterra) sobre a cruz branca de São Patrício (padroeiro da Irlanda), por sua vez sobre a cruz de Santo André (padroeiro da Escócia). O País de Gales não está representado na …

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

Conhece o teste de personalidade Myers-Briggs?

O MBTI (Myers-Briggs Type Indicator) é um teste psicométrico altamente difundido pelo mundo, embora não seja completamente validado pela psicologia.
Baseadas nas teorias tipológicas propostas originalmente por Carl Jung, Katherine Briggs e sua filha Isabel Myers desenvolveram este indicador na época da Segunda Guerra com a intenção de que, com tal teste, as mulheres descobrissem que trabalhos poderiam desempenhar com mais eficiência e conforto de acordo com os aspectos das suas personalidades. 
O teste considera 16 tipos de personalidades, representados por siglas que são combinações de quatro dicotomias. São elas:


EXTROVERSÃO x INTROVERSÃO SENSORIAL x INTUIÇÃO RAZÃO (Thinking) x SENTIMENTO (Feeling) JULGAMENTO x PERCEPÇÃO

Os 16 tipos são, portanto (clique para ampliar):



Ao realizar o teste, que consiste de várias perguntas a respeito de suas preferências pessoais, o indivíduo é apresentado a um relatório com a sigla das quatro dicotomias que representam seu tipo de personalidade. Um tes…