Pular para o conteúdo principal

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:


Monopoly / Banco Imobiliário

Tabuleiro de 1906 | Wikimedia

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumular o máximo de propriedades possível e aumentar os aluguéis a tal ponto que o vencedor terminaria o jogo extremamente rico e os demais jogadores encarariam a falência. Ao tentar vender os direitos do jogo para produção, os empresários acharam que era político demais e o rejeitaram. Ainda assim, as pessoas gostavam tanto de jogá-lo que faziam seus próprios tabuleiros customizados e o jogo foi evoluindo, com mudanças das regras, até chegar ao que hoje conhecemos como Monopoly. A essas alturas, a ideia do Monopoly era mais atrativa e acabou conseguindo a patente de produção em 1934. Lizzie Magie concordou vender os direitos autorais por 500 dólares, desde que lançassem também o tabuleiro original do jogo dela, The Landlord's Game. Concordaram, mas foi um fracasso de vendas. O Monopoly monopolizou (ba dum tss) o mercado.



Jogo da Vida

Tabuleiro original | Wikimedia


Em 1860, um jovem chamado Milton Bradley uniu sua vontade de inventar um jogo de tabuleiro com a cultura local da protestante Nova Inglaterra que ditava que jogos eram uma "distração pecaminosa". Para tanto, Bradley criou The Checkered Game of Life, que se tratava de uma demonstração moral das várias maneiras como a vida pode prosseguir. Nele, os jogadores ganhavam ou perdiam pontos ao avançar no tabuleiro com piões numerados chamados "teetotum" (dados eram proibidos na época e lugar, pois jogos eram ilícitos), cujas casas podiam ser positivas (Honestidade, Honra, Coragem) ou negativas (Pobreza, Crime, e até um infame Suicídio). Ganhava quem alcançasse 100 pontos, o que lhe concedia o final "Velhice Feliz". Como temia que seu jogo não fosse ser aceito no lugar conservador onde morava, Milton Bradley levou-o para Nova York, onde o jogo fez sucesso e vendeu 40 mil tabuleiros no primeiro ano. Depois de algum tempo de obscuridade, o jogo voltou a fazer sucesso em 1959, quando a Milton Bradley Company relançou o jogo com o nome Game of Life.



Clue / Detetive

Caixa de 1956 | Wikimedia

As histórias de detetives faziam muito sucesso na Grã-Bretanha no início do século 20. Tanto estavam no gosto do público que o casal Anthony e Elva Pratt criaram um jogo de tabuleiro ambientado em uma mansão rural típica das histórias de assassinato. Depois de revisarem alguns dos elementos originais do projeto (por exemplo, mudar o nome original do jogo, Murder, para Cluedo, e substituir a "sala de armas" por uma extensão da sala de jantar), o jogo começou a ser comercializado em 1945. Embora tenha feito muito sucesso em terras britânicas, foi bastante difícil vender o jogo na América, pois, na época, era proibido comercializar qualquer jogo relacionado a assassinatos. Mesmo assim, os empresários gostaram tanto dele que acabaram se convencendo a abrir uma exceção, lançando-o com o nome americano Clue, em 1949. 



Risk / War

As cartas de território de 1963 e as de 1980, com os mapas atualizados | Wikipedia

Sem se saber exatamente por quê, o mais famoso jogo de estratégia militar do mundo foi criado por um cineasta francês chamado Albert Lamorisse em 1957, com o nome La Conquête du Monde ("A conquista do mundo"). O jogo logo foi comprado pela Parker Brothers (atual Hasbro) e lançado na América como Risk: The Continental Game. O jogo foi reinventado várias vezes no decorrer dos anos, com alterações de mapas e objetivos. A primeira atualização, nos anos 1980, era ambientada em um castelo medieval e foi um grande fracasso de vendas. As demais tentativas, porém, foram bem sucedidas: uma edição especial dos 200 anos da era Napoleônica, uma edição futurista com territórios nos oceanos e na lua, as edições especiais de O Senhor dos Anéis, Transformers e Star Wars, e muitas outras, incluindo uma reedição do tabuleiro original, com as peças de madeira.


.


Para conhecer as origens de outros jogos populares, confira o artigo original (em inglês).


.

Já falei anteriormente sobre a origem do baralho e até ensinei um truque de cartas; já viram?

Postagens mais visitadas deste blog

Algumas das bandeiras mais interessantes do mundo

As bandeiras dos países do mundo são mais do que uma demonstração de cores e padrões: cada detalhe - a escolha e predominância das cores, as faixas, os símbolos, as formas - carrega um significado histórico e/ou cultural que ensina muito sobre o país representado. Selecionei para essa postagem algumas das histórias mais interessantes.
(Não vou falar da nossa Auriverde porque todos nós já estamos carequinhas, certo?)



Reino Unido Union Flag ou Union Jack (azul, vermelho e branco)
Essa bandeira não é a da Inglaterra, como muitos pensam, mas representa os quatro países que formam o Reino Unido: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Esse desenho é usado desde 1801, quando a Grã-Bretanha se uniu à Irlanda do Norte, e é uma mistura das bandeiras desses países: a cruz vermelha de São Jorge (patrono da Inglaterra) sobre a cruz branca de São Patrício (padroeiro da Irlanda), por sua vez sobre a cruz de Santo André (padroeiro da Escócia). O País de Gales não está representado na …

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

Conhece o teste de personalidade Myers-Briggs?

O MBTI (Myers-Briggs Type Indicator) é um teste psicométrico altamente difundido pelo mundo, embora não seja completamente validado pela psicologia.
Baseadas nas teorias tipológicas propostas originalmente por Carl Jung, Katherine Briggs e sua filha Isabel Myers desenvolveram este indicador na época da Segunda Guerra com a intenção de que, com tal teste, as mulheres descobrissem que trabalhos poderiam desempenhar com mais eficiência e conforto de acordo com os aspectos das suas personalidades. 
O teste considera 16 tipos de personalidades, representados por siglas que são combinações de quatro dicotomias. São elas:


EXTROVERSÃO x INTROVERSÃO SENSORIAL x INTUIÇÃO RAZÃO (Thinking) x SENTIMENTO (Feeling) JULGAMENTO x PERCEPÇÃO

Os 16 tipos são, portanto (clique para ampliar):



Ao realizar o teste, que consiste de várias perguntas a respeito de suas preferências pessoais, o indivíduo é apresentado a um relatório com a sigla das quatro dicotomias que representam seu tipo de personalidade. Um tes…