Pular para o conteúdo principal

TAG: Top 10 Literário


Uma TAG que montei a partir de propostas deste blog, cujo tema é livros.


10 coisas que instantaneamente me fazem NÃO querer ler um livro:

  1. "Primeiro volume da série..."
  2. Casais apaixonados na capa.
  3. Autores YouTubers.
  4. Romances eróticos.
  5. Sinopses vagas.
  6. Erros de digitação/ortografia logo na capa (já sei que a revisão foi porca e que vou me incomodar).
  7. "O segredo para..."
  8. Qualquer coisa sobre pessoas ou assuntos que não me interessem.
  9. Sensacionalismo.
  10. Reedições desnecessárias pelo triplo do preço.


10 capas favoritas:

A preguiça de procurar por outras venceu, então vou pegar as que já estão no arquivo do blog.














10 coisas que gostaria de ver mais em livros:

  1. Personagens assexuais, mesmo que não protagonistas.
  2. Personagens assexuais que não sejam a piada da história.
  3. Diversidade de protagonistas, cujas características "diferentes" não sejam ou influenciem o enredo central (sabem, tipo como se fossem pessoas normais, mesmo?) (isso foi um comentário sarcástico, em caso de dúvida).
  4. Não necessidade de romance nos enredos.
  5. Participação de animais que não acabem morrendo na história.
  6. Preocupação das editoras com a preparação do texto em igual proporção com a que têm quanto ao visual gráfico.
  7. Nome do tradutor em destaque.
  8. Universos fictícios mais completos e bem desenvolvidos, com história, geografia, cultura e linguagem próprias.
  9. Utopias. Distopias são legais, mas utopias podem ser igualmente interessantes.
  10. Juvenis (ou YA) mais inteligentes e menos condescendentes.


10 livros da minha lista de desejos:

    1. Na Língua dos Bichos, de Temple Grandin. Difícil de conseguir. Achei um pdf em inglês e vou ter que me virar com ele.
    2. Dear Future Historians, livro com as letras do Enter Shikari com os comentários do Rou Reynolds sobre cada uma. Tô babando nele desde que foi lançado, mas nada de vender por aqui.
    3. Peixe Grande, de Daniel Wallace. Estou maluca atrás dele desde que vi o filme de mesmo nome, mas também está dificílimo de encontrar. Também consegui um pdf em inglês, por enquanto.
    4. O restante das HQs de Saga, a partir do terceiro volume. Estou apaixonada pela história, mas os volumes ainda são muito caros e não curto ler pelo computador.
    5. Um dicionário de italiano, porque é o único mais "comum" que ainda não tenho e pretendo aprender, também; e um de grego, para começar a me adaptar.
    6. O Guia Completo dos Dinossauros do Brasil, que folheei na casa dos meus tios e me encantou.
    7. Algum dicionário etimológico da Língua Portuguesa. Comprei um de português arcaico há um tempo por olho grande, porque me é inútil, apesar de interessante. Mas seria muito bom ter um atual.
    8. Ferengi Rules of Acquisition (Star Trek: Deep Space Nine), compilado pelos roteiristas da série, sobre a "bíblia" dessa desprezível raça alienígena que é tão divertida.
    9. Livros sobre revisão de texto, porque ainda há muito o que estudar.
    10. Qualquer outra coisa que esteja na minha lista da Amazon, hahah.


10 melhores livros que li no último ano:


  1. A Sexta Extinção, de Elizabeth Kolbert (resenha no próximo relatório)
  2. Um Teto Todo Seu, de Virginia Woolf
  3. Todos de O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares, de Ramson Riggs
  4. Sete Minutos Depois da Meia-noite, de Patrick Ness
  5. Sobre a Escrita, de Stephen King
  6. Percy Jackson e os Deuses Gregos, de Rick Riordan
  7. Todos de O Único e Eterno Rei, de T.H. White
  8. As Piores Invenções da História, de Eric Chaline
  9. A Tradução Literária, de Paulo Henriques Britto
  10. Noturnos, de John Connolly


10 protagonistas favoritos:

Eu tenho alguns problemas para gostar plenamente de protagonistas, por mais que eu goste dos livros em que estão. Eles tendem a ser absurdos pra mim, ou ter alguma característica que me impedem de simpatizar com eles. Antagonistas são geralmente mais interessantes e eu acabo me identificando mais com personagens secundários. Mas os protagonistas que eu realmente gosto são:

  1. Jean Valjean, de Os Miseráveis
  2. Shadow Moon, de Deuses Americanos
  3. Kvothe, de O Nome do Vento
  4. Sadie Kane, de As Crônicas dos Kane
  5. Uhtred de Bebbanburg, de As Crônicas Saxônicas
  6. Charlie Trumper, de O Voo do Corvo
  7. Clarice Starling, de O Silêncio dos Inocentes
  8. Bernardo Soares, de Livro do Desassossego
  9. Guy Montag, de Fahrenheit 451
  10. O "viajante do tempo", de A Máquina do Tempo


10 adaptações favoritas para o cinema/TV:

  1. Harry Potter e a Pedra Filosofal
  2. O Silêncio dos Inocentes
  3. Sete Minutos Depois da Meia-Noite
  4. Grandes Esperanças
  5. A Menina que Roubava Livros
  6. Expresso do Amanhã/O Perfuraneve (que ficou melhor que a HQ, na minha opinião, haha)
  7. O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa
  8. O Macbeth mais recente
  9. Assassinato no Expresso Oriente (espero que o novo seja tão legal quanto)
  10. O Frankenstein de Mary Shelley


10 motivos por que eu amo ler:

  1. Me dá realidades alternativas para viver.
  2. Me distrai.
  3. Me alivia.
  4. Me diverte.
  5. Me surpreende positivamente.
  6. Me mostra lugares que não verei pessoalmente.
  7. Me ensina de tudo.
  8. Me desperta afinidades.
  9. Me apresenta novas ideias, realidades e opiniões.
  10. Me faz eu não me sentir solitária quando estou sozinha.



* Foto real de uma das nossas estantes :)

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…