16/08/2017

Em defesa do que a gente faz em casa



- Fiquei sabendo que você está fazendo *tal coisa*, que legal! Onde você faz?
- Em casa, mesmo!
- Ah, tá, achei que você tava fazendo de verdade...


Existe toda uma crença popular de que o que a gente faz fora de casa (fora da própria cidade, então...) tem mais valor do que onde é mais conveniente para si. Quando duvidamos da credibilidade de cursos a distância ou trabalhos feitos em home office, acabamos ofendendo quem recorre a esses recursos ao inferir que essas pessoas são preguiçosas ou não têm "capacidade" de frequentar uma universidade ou trabalhar em uma grande empresa. O que geralmente ignoramos sobre essas pessoas é toda a gama de bons motivos que elas têm para tal escolha.

Como alguém que quase sempre aprende e faz tudo sozinha ou a distância, venho aqui defender o hábito e tentar convencê-los a mudar de ideia sobre atividades que fazemos no conforto do lar.


📚 Estudar

Sempre que comentam comigo que desejam estudar mas não têm tempo, sugiro os cursos a distância e acabo ouvindo que preferem não fazê-los porque querem algo "mais desafiador". Há esse mito de que cursos a distância são mais fáceis e que basta pagar para receber o certificado, mas permitam-me desmitificar:

Um dos principais motivos para uma pessoa escolher estudar em casa/a distância é a indisponibilidade do curso em sua cidade ou região; outro motivo é a flexibilidade de horário de estudo. Eu fiz minha pós-graduação a distância por não haver cursos de Tradução no estado. Como eu dava aulas o dia inteiro, na época, meu horário de estudo era depois das nove da noite, entrando pela madrugada, que era o tempo que eu tinha disponível, e foi graças a essa opção que eu pude tirar a minha especialização. 

O fato de você ter que fazer seu próprio horário já é o maior desafio. Você pode assistir às aulas quando quiser, mas tem prazos para entregar as atividades. Para isso, você precisa ter uma disciplina para dar conta de todas as aulas e a realização dos trabalhos; então, se não estipular uma rotina de estudos, acabará se atrapalhando e desistindo. Ir à faculdade ou à escola no mesmo horário todos os dias é fácil e, uma vez lá, você faz o que tem de fazer. Em casa, você deve mentalizar que o horário de estudo é somente para isso, e não deixar que outras tarefas ou distrações interfiram nessa rotina. Complicado, né?

A maior diferença prática entre estudar presencialmente e estudar a distância é que, a grosso modo, na última modalidade, você acaba se virando sozinho grande parte do tempo. Para isso dar certo, novamente, precisamos de disciplina e vontade de aprender. Professores e tutores estão sempre disponíveis, mas você não vai falar com eles pessoalmente, e raramente na hora em que precisa deles. Outra diferença é que, a distância, não há o senso de comunidade que estudos presenciais oferecem; ou seja, fora dos fóruns de interação, há raras trocas de experiências e oportunidades de trabalho. Por isso, eu sempre digo que estudar a distância é muito mais desafiador do que frequentar um curso presencialmente, pois aprendemos a nos virar sozinhos e bem, do contrário desistimos ou fracassamos.


👉 Sobre ser autodidata:


Eu sempre gostei muito de estudar porque aprender coisas novas é um dos maiores prazeres da minha vida. Como nem sempre tive condições (financeiras ou de oportunidade) de estudar tudo o que gostaria, aprendo muito sozinha. Comecei com o inglês, desde a infância, e sigo até hoje aperfeiçoando coisas que já sei ou matando minha curiosidade sobre outras coisas.
É claro que, para ser autodidata, você precisa de muita disciplina e força de vontade para aprender direito, porque não vai ter ninguém te dizendo o que ou como fazer. Existem vários estilos de estudo que você pode adotar caso tenha essa vontade; pesquise por alguns no Google e veja qual lhe parece mais atraente. Lembre-se de que o seu professor é você, então deve haver dedicação.
Pra maioria das coisas, adquiro livros didáticos e estudo por eles, especialmente línguas estrangeiras. Outro recurso que uso com muita frequência é o Coursera, onde há diversas opções de cursos de várias áreas, de universidades do mundo inteiro. Por lá, fiz cursos excelentes, como o de astrobiologia da USP, paleobiologia dos dinossauros pela Universidade de Alberta, comportamento e bem-estar animal pela Universidade de Edimburgo, e agora um de botânica pela Universidade de Tel-Aviv, e tudo isso de graça e aqui no meu quarto. A maioria dos cursos por lá ainda não tem tradução pro português, de forma que os fiz em inglês, mas existem muitos sites brasileiros com cursos gratuitos, também. Não há limites para quem quer realmente aprender. :)



💻 Trabalhar

A prática do home office agora é bastante comum em cidades grandes, onde compensa para trabalhadores e empregadores que se realize tarefas em casa, pela internet, para poupar o tempo e dinheiro perdidos em transporte até o local de trabalho. Já se sabe, também, que trabalhar em um ambiente familiar traz vantagens de produtividade, desde que a rotina e a disciplina estejam bem fixadas, pois sabemos quantas distrações há em casa.

Entretanto, profissionais freelance que prestam serviços pela internet parecem ser alvo constante de críticas a respeito de sua "disposição" para trabalhar. Segundo alguns, "trabalho de verdade" é aquele pro qual você tem que acordar cedo, sofrer com cobrança e pressão por 8 horas diárias e chegar exausto em casa para dormir o sono dos justos. Segundo outros, trabalhar em casa é o mesmo que ter um monte de tempo livre e ganhar muito fazendo pouco. Lá vou eu explicar como realmente é:

Não temos mais ou menos tempo livre; o que temos é flexibilidade de tempo. Como fazemos nosso horário, podemos muito bem ir ao cinema numa segunda-feira à tarde, se der vontade. A consequência disso é trabalhar fora do horário comercial, o que nunca é ideal mas é muito comum. Prestadores de serviços pela internet, embora devessem, não podem trabalhar apenas em horário comercial, porque o serviço a ser prestado é, geralmente, muito e urgente (isso vem também de uma má compreensão dos clientes, que tendem a pensar que temos 24h de disponibilidade exclusiva). Ou seja, quando a maioria das pessoas pode aproveitar as noites e os fins de semana livres, nós passamos esse tempo trabalhando, excluídos das atividades recreativas de familiares e amigos que têm rotinas regulares. Para freelancers, não há madrugada, fim de semana ou feriado. Acordamos mais tarde porque trabalhamos até tarde, e tiramos férias em meses estranhos porque é quando a demanda de serviço diminui, embora seja sempre arriscado dispensar serviços esporádicos, sob o risco de perder o cliente. "Ganhar muito" é bastante relativo, porque recebemos por serviço prestado. Alguns são bons, outros nem tanto. Dependendo do tipo de serviço que oferecemos, há meses em que mal temos serviço para prestar, e há outros em que a jornada diária de trabalho passa de 12 horas, o que nos deixa com uma renda bem imprevisível. Por isso, é sempre bom entender o trabalho dos outros antes de julgarmos que tipo de vida levam.

Outro aspecto a se considerar a respeito das pessoas que trabalham em casa é sua dificuldade em trabalhar com outros. Pessoas neuroatípicas (como autistas), por exemplo, não trabalham tão bem em ambientes com muitos estímulos externos, razão pela qual cantos isolados ou a própria casa são opções melhores para o seu conforto e consequente produtividade.



🏋 Se exercitar

Dada a devida dedicação, exercícios feitos em casa fazem tanto efeito quanto exercícios feitos na academia. Mesmo sem os mesmos equipamentos, existem outras maneiras de se conseguir os efeitos desejados; para isso, basta pesquisa e dedicação.

Quando comecei minha rotina de exercícios, a maior parte dela era a caminhada na rua (5,5 km todos os dias). Depois que fui assaltada, fiquei com medo de sair pra fazer isso e precisei substituir essa hora de exercício por algo que pudesse fazer em casa. Assim, comecei a fazer pilates e yoga, seguindo tutoriais pelo YouTube e outras fontes. Com o tempo, fui aperfeiçoando os métodos, tempo e intensidade dos exercícios, estudando mais sobre isso, testando de tudo um pouco, e agora tenho uma rotina bem estabelecida e a prática tem me feito muito bem. Quando comento que faço esses exercícios todos em casa, algumas pessoas chegam a rir e dizem que "em casa não vale", como se meus exercícios fossem feitos comendo ou dormindo. Bom, meu corpo discorda. Eu talvez pegasse mais pesado e conseguisse resultados mais rápidos em uma academia mas, pro que eu quero e preciso, estou indo bem.

É importante salientar, de qualquer forma, que fazer exercícios físicos sem orientação pode ser perigoso para seu corpo e saúde; portanto, não tente levantar pesos ou fazer posições avançadas de yoga sozinho sem as devidas precauções. Estude os passos a serem dados, vá devagar e intensifique o treinamento conforme for se acostumando a exercícios mais leves. Não force seu corpo sem acompanhamento.


.


Ainda há coisas que fazemos em casa pela economia financeira, como cuidados com a aparência, por exemplo, que às vezes não dão resultados tão bons quanto quando feitos por profissionais, mas quebram o galho. O que quer que a pessoa decida fazer em casa, tem os seus bons motivos para tal. Para quem não costuma fazer nada sozinho e agora está vendo as coisas de outro modo, pondere sobre as vantagens e pense melhor sobre essa opção.

15/08/2017

O Desafio Musical de 100 Dias - Parte X

91: Uma música para um jantar romântico.



Como não sei o que é isso, imagino que essa seja boa. É sempre romântico que as pessoas se ajudem na cozinha.


92: Uma música boa para um término de relacionamento.



Boa pra quando é você que termina. Quando terminam com você, nenhuma é boa... Até as músicas de desejo de assassinato começarem a fazer sentido.


93: Uma música de ska.



Juro que não enfiei esse item aí!


94: Uma música de um artista/banda que você acha ser superestimado.

Vou ficar bem quietinha, porque sempre aparece alguém aqui pra brigar...


95: Uma música que você acha que seria difícil de aprender a tocar.



Sei lá, pode ser que seja fácil. Pra mim, todas são difíceis.


96: Uma música que seria engraçada se tocada em banheiros públicos.



Que tipo de lugar toca música em banheiro público?


97: Se fizessem um filme sobre a minha vida, essa música tocaria nos créditos finais.




98: Dedico essa música a um amigo.



:)


99: Toda criança deveria ouvir isso pra saber o que é boa música.

Eu sinceramente não sei o que faria se tivesse a oportunidade. É tão pessoal. E não saberia lidar caso não gostassem, hahah.


100: Eu completei o desafio de 100 dias, então vou postar essa música só porque posso.



Sei lá, fiquei com saudade de Lordi hahah

14/08/2017

O Desafio Musical de 100 Dias - Parte IX

81: Um sucesso dos anos 1980 de um artista que se acha.




82: O Hino Nacional deveria ser substituído por essa música.



Cês acharam que ia ser Que País É Esse?, hein. Escolhi por ser ska, só. Juro.


83: Uma música de um álbum cuja capa seja muito boa.



Eu sou muito apaixonada por essa capa.


84: Uma música que te lembre de um(a) ex-namorado(a).



Eu não tenho ex-namorado. Mas essa me lembra o ex-o-que-quer-que-tenha-sido.


85: Uma música que te faria levantar da cadeira.




86: Uma música do seu artista homossexual favorito.



Já que 60% do grupo é gay.


87: Uma música engraçada para uma noiva entrar no casamento.



"Well, I'd rather cut you than the wedding cake." Engraçado para um casamento gótico, talvez.


88: Uma música de uma banda/artista que você deteste.

São muitos e eu não vou macular meu lindo bloguinho :(


89: Uma música que te faria ganhar um concurso de calouros.



Eu sempre me fantasio cantando isso nesses troços. Eu só teria que aprender a cantar, primeiro.


90: A próxima música/álbum que você quer comprar.



Eu não tô com desejo de nenhum álbum específico, por agora, mas bem que queria ter o Sempiternal :(

13/08/2017

Manu explica sobre assexualidade, de novo, devagarinho pra todo mundo entender (COM SARCASMO!) (METÁFORAS!) (E CIÊNCIA!)




Eu entendo que seja confuso. Acreditem, é mais confuso ainda pra quem é e precisa entender como e por que é assim. No processo de autoeducação, a gente tenta educar também os outros porque ouve muita, muita besteira e essas besteiras acabam ofendendo e atrapalhando um processo complicado de autoaceitação. Então, pra evitar que as pessoas das demais orientações continuem mal-interpretando os milhões de assexuais do mundo, venho aqui novamente explicar qual é a nossa.


👉 RECAPITULANDO:

  • Assexualidade é a orientação sexual em que o indivíduo não sente atração sexual por outros, de qualquer gênero. 
  • É ausência de atração, não de libido. 
  • Não é o mesmo que celibato, que é uma escolha de abstinência de atividade sexual.
  • A demissexualidade (quando a atração sexual ocorre somente quando há forte vínculo emocional), muito comentada atualmente, é um espectro da assexualidade.
  • Nem todo assexual tem repulsa e se priva de atividade sexual, embora muitos sim.
  • Assexuais não são reconhecidos pela comunidade LGBT, embora a sigla completa inclua a letra A, que significa "aliados" (que a gente costumava chamar de "simpatizantes"). Porque, claro, aliados sofrem muito mais preconceito do que assexuais (*detector de sarcasmo*)



Dito isso, vamos lá:


🤡 "É tipo promessa, você vai esperar o casamento?"

NÃO. Assexualidade NÃO é celibato. Celibato é a escolha de abstinência sexual. Assexuais podem fazer sexo, se quiserem. Eu vou repetir isso muitas vezes.




🤡 "Mas como assim tem assexual que gosta de sexo se eles são pessoas que não gostam de sexo???"

Tem saído muita matéria sobre assexualidade agora e somos todos muito gratos, mas infelizmente tá rolando uma definição errada da nossa orientação que tá confundindo a galera. Ser assexual não é ser contra sexo, ter nojo de sexo, nem mesmo ser indiferente a sexo (embora existam assexuais assim). É só não sentir atração sexual. Atração sexual não é o mesmo que desejo sexual. Atração sexual é você querer ter relação com alguém específico; desejo sexual é ter vontade de ter uma relação sexual, ponto. Alguns assexuais não têm desejo, outros têm. 


🕙 HORA DA METÁFORA:

Atração sexual é você ter fome de alguma coisa específica, por exemplo, aquele doce maravilhoso que está na vitrine da padaria. Você olha pra ele e baba, imagina o gosto, quer ele na sua barriga.

O assexual não vê nada de mais no tal doce. Ele até pode gostar de doces, pode até estar com fome, mas a não ser que ele queira experimentar, a visão do doce por si não vai despertar nenhuma emoção especial. 



🤡 "Calma, você só não encontrou a pessoa certa, ainda!"

ERRADO. "Pessoa certa" determina a sua escolha, não a sua atração. Você não escolhe por quem sente atração, só escolhe o que faz em relação a isso.



🤡 "Ah, todo mundo passa por isso. Talvez você ainda seja imaturo, talvez você tenha passado por um trauma, talvez você tenha medo de se envolver com pessoas, talvez você tenha um problema hormonal, talvez..."

ERRADO, ERRADO, ERRADO, ERRADO, ERRADO. Passar por uma fase de desinteresse por sexo não é o mesmo que ter essa orientação. Algumas pessoas passam por fases de querer experimentar relacionamentos com gêneros diferentes e isso não muda a sua orientação, porque se trata de um comportamento por escolha. ORIENTAÇÃO NÃO É COMPORTAMENTO. Imaturidade, trauma, medo de envolvimento e problemas hormonais afetam o comportamento sexual, não a orientação. E se qualquer uma dessas coisas frustra o indivíduo, é ele quem deve procurar ajuda, não os outros quem devem impô-la. Falar em cura assexual é como falar em cura gay; é preconceituoso e incorreto.



🤡 "Ah, eu respeito que você seja assim, mas um dia você vai mudar de ideia!"

NÃO, porque, como eu disse, não é uma ideia. Se você tem certeza que é heterossexual, não vai virar homossexual porque "mudou de ideia", ou vice-versa. Pessoas que conhecemos que "mudaram de ideia" provavelmente não sabiam sua própria orientação até que tivessem certeza. E, se você deseja que eu mude de ideia, não me respeita. :)



🤡 "Mas isso não existe, o sentido da vida é reproduzir para perpetuar a espécie!!! BIOLOGIA!!! CIÊNCIA!!!"

Ãh, novidade, galera: O sentido da vida não é reproduzir pra perpetuar a espécie. O sentido da vida, biologicamente falando, é evoluir para que a espécie sobreviva ao meio. A evolução não é inteligente, nem pensa a longo prazo; ela só filtra os indivíduos que são melhor adaptados para sobreviver ao meio em que estão no momento. Os estudos evolutivos sobre orientações sexuais como homossexualidade e assexualidade, que filtram a evolução da espécie humana, estão demonstrando que tais orientações também ocorrem em certos animais, comprovando que tais características são genéticas e podem ter uma vantagem evolutiva para a vida; embora ainda não se saiba qual. De qualquer forma, o que vai determinar a reprodução da nossa espécie é o comportamento sexual, não a orientação, e tanto homossexuais quanto assexuais podem, são biologicamente capazes, de ter relações heterossexuais para fins de reprodução



🤡 "Mas então, se existem assexuais que fazem sexo, eles são como todo mundo, afinal de contas. Pra que o nome diferente?"

Porque o assexual que faz sexo o faz por escolha, não por atração natural. O motivo da escolha pode ser qualquer um (vontade, curiosidade, pressão social, desejo de filhos, gosto pela sensação), só não vai ser por achar alguém sexualmente atraente.



🕙 HORA DA METÁFORA:


Celibato é você estar de dieta, olhar pra um brigadeiro e talvez sentir vontade de comê-lo, mas não come porque prometeu que não o faria.

Assexualidade é você ter um brigadeiro à sua disposição mas não comê-lo porque não gosta de chocolate ou não tem interesse por doces.



🤡 "Tem certeza que você não é bi?"

Eu já cheguei a achar que era, e quase todo mundo da comunidade já deu depoimentos achando que eram, também. Isso acontece porque assexuais (especialmente os arromânticos) não dão importância à distinção de gêneros, mas não da maneira que os bissexuais veem isso. Enquanto estes sentem-se igualmente atraídos por homens e mulheres, assexuais são igualmente indiferentes a ambos. A confusão é que, se o assexual sem orientação romântica, por algum motivo, decidir que quer ter um relacionamento, mesmo que sexual, não se importará com o gênero da pessoa, desde que haja alguma atração entre elas. Não é tão confuso quanto parece, é só duas pessoas que se gostam se relacionando da maneira que escolheram.



🤡 "Tá, mas aí como é que eu vou saber se o assexual que eu conheço quer ficar comigo ou não???"

A maneira mais segura de saber é, pasmem, perguntando. Sério. Alguns assexuais têm completa repulsa por contato físico e não querem saber de pegação, outros gostam e são ok com isso. De qualquer forma, você só vai saber conhecendo a pessoa. Dizendo por mim, eu não gosto de ficar por pegação, e acho que isso se aplica à maioria de nós. Como não rola atração física, não tem muito sentido ficar com quem a gente não conhece direito, porque tem que necessariamente rolar algum outro tipo de interesse pra que a gente tenha vontade de fazer isso. Mais ou menos 70 milhões da população mundial são assexuais. Se você acha que um assexual é muito difícil de conquistar pra uma ficada, ainda tem bilhões de outras opções mais dispostas. Mas, mesmo entre esses bilhões, conversar, conhecer e formar outros vínculos certamente é de interesse de muitos. ;)





Não é difícil, na verdade. E você não precisa entender, só tem que respeitar. A vida sexual de ninguém deve ser tratada como prioridade, nem em relacionamentos, muito menos em conversas de bar. Se você tem curiosidade e gostaria de saber mais, pergunte, pesquise, seja respeitoso. Ignorância leva a preconceito, e de preconceito o mundo não precisa mais. 


Para saber mais sobre assexualidade e ter acesso a links importantes e dados estatísticos, veja minha página exclusiva sobre o assunto.

11/08/2017

O Desafio Musical de 100 Dias - Parte VIII

71: Uma música de um artista com o seu nome/sobrenome.



Precisei do Spotify pra essa.


72: Uma música de um ator/atriz de novela que virou cantor(a).



Eu não sei por que me lembrei do Maurício Mattar. Alguém ainda pensa no Maurício Mattar?


73: Uma música que te lembra de um evento passado da sua vida.



A que escolhi pra entrar, na formatura da faculdade.


74: Uma música de um estilo que você não conhece muito.



Não conheço muito sobre vários estilos, mas MPB talvez seja motivo de vergonha eu ignorar...


75: Um bom dueto.



Pensei em vários outros mas vou de favorito.


76: Uma música estranha.



Anos 90, te amo.


77: Uma música de um artista que nasceu ou vive perto de você.



Goiás tem um monte de bandas famosas. Ouvi dizer.


78: Uma música que foi #1 nas paradas quando você tinha 10 anos.




79: Uma música de um artista que se veste de maneira estranha.



Porque já postei o óbvio muitas vezes.


80: Uma música do ABBA.



Que eu nem gosto :(

09/08/2017

O Desafio Musical de 100 Dias - Parte VII

61: Acho que essa é a música mais famosa de uma banda que eu gosto.



Se bem que acho que Like A Stone é mais.


62: De todas as músicas de Natal, eu gosto mais desta.



Não vou mentir, adoro essa versão podreira.


63: Você precisa ouvir essa música, é demais!



O cara fez uma música com todos os comentários negativos que ele recebe no próprio canal, não tem do que não gostar, hahahahahah


64: Uma música que você acha que ninguém que você conhece já ouviu.



A descobri ainda esses dias e gostei tanto que ouvi várias vezes seguidas. Ela começa calminha e fofa e depois fica naquela emoção que eu gosto.


65: Uma música que você quer que toquem no seu funeral.



Já deixei a Giuli avisada que tem que passar o vídeo, também. Quero ser acompanhada para o além pelo cabelo glorioso do Barry.


66: Uma música da Disney.



Favoritinha sempre


67: Este é o primeiro verso de uma música que eu gosto muito. Adivinhou qual é? (poste só a letra)

Now here I go, hope I don't break down.

É Infected, do Bad Religion. Ninguém ia chutar, mesmo.



68: Uma música do Queen.



Eu não sou muito de ouvir Queen, mas gosto mais dessa.


69: Uma música com um vídeo sexy.



SPACE PORN! É o que eu acho sexy '-'


70: Uma música que você cantaria bêbado.



Já que estamos falando de coisas que nunca vão acontecer...

07/08/2017

O Desafio Musical de 100 Dias - Parte VI

51: Uma boa música de verão.




52: Pior sucesso de Natal.



Eu te amo, tio Macca, mas essa música é muito chata. (tenho certeza que existem muitas piores soltas pelo mundo, mas não conheço o suficiente delas pra votar. E colocar a Simone seria óbvio.)


53: Uma boa música pra levantar o astral.




54: Uma música de uma banda/artista que você adoraria ver ao vivo (mesmo que não exista mais).



Ele já veio duas ou três vezes pro Brasil desde que saiu do Oasis e acho que nunca vou conseguir ir vê-lo :(


55: Uma música da última banda/artista que você viu ao vivo. (quando? onde?)



Teve umas coisas sertanejas depois disso, mas vou considerar o que gosto, mesmo. Março de 2016, em São Paulo.


56: Uma música de um dos melhores guitarristas listados pela Rolling Stone.



Vamos repetir? Vamos, porque Eric


57: A melhor música das últimas 10 que seus amigos compartilharam.



Galera agora só compartilha memes e textão no Facebook, fico sozinha lá compartilhando música que ninguém ouve. Mas ainda tenho amigos que me mandam músicas maneiras, tipo essa.


58: Se eu TIVESSE que cantar no karaokê, seria essa música.



Apesar de que to tentando aqui agora e seria definitivamente má ideia.


59: Só de zoeira, gostaria que alguém escolhesse ESSA música pra cantar no karaokê.



Juro que eu ajudava.


60: Uma música com coreografia.



Tem melhores. Quis ser podre.

05/08/2017

O Desafio Musical de 100 Dias - Parte V

41: Uma música que você se lembra de ouvir quando estava na escola.



Só tocava um milhão de vezes por dia no rádio. Fiz uma postagem com várias outras.


42: Uma música que as pessoas não imaginam que você gosta.



Não é muito surpreendente. Não sou muito de hip-hop per se, mas gosto muito de Fettes Brot. Se alguém ainda se surpreende comigo, a culpa é da sua ingenuidade.


43: Uma música que estava em primeiro lugar nas paradas de qualquer aniversário seu.



No meu aniversário de 1 ano foi Never Gonna Give You Up, que já postei, e as outras eu não conheço ou gosto, então vou ter que repetir artista (2011).


44: Se você fosse lançar um álbum, essa música estaria nele.



Sou obcecada por essa música. Vou lançar um álbum com todas as minhas tentativas falhas de cantá-la. RÓQUENROU


45: Uma música dos Beatles.


Golden Slumbers/Carry That Weight/The End

Melhor sequência do mundo E não tem mais nada dos Beatles no YouTube; difícil, hein.


46: Uma boa música da década de 2000.



Foi a primeira do Hives que eu conheci (era trilha sonora de O Beijo do Vampiro - olha a Manu vendo novela!) e eu detestava esse caos, na época, hahahahah


47: A pior música de uma das suas bandas favoritas.



Talvez não a pior, mas foi a primeira tentativa do Liam, né...


48: Uma música de um comercial. (qual era o comercial?)



Podia colocar um jingle, mas vou colocar essa lindezinha porque fiquei bem feliz de ouvi-la numa propaganda do Itaú, mesmo que numa versão cantada por crianças...


49: Uma música que deveria ganhar um cover. (de quem?)



Eu tô há mais de uma hora pensando nessa e não veio nada, então peguei essa aleatoriamente e acho que ficaria maneira se tocada pelo Bring Me The Horizon, porque eu curto as coisas nada a ver.


50: Uma música que você acha que todo mundo esqueceu.



Não pode esquecer!

04/08/2017

O Desafio Musical de 100 Dias - Parte IV

31: Se você fosse dar uma festa no seu aniversário, essa música teria que tocar.



"Festa de aniversário", hahah


32: Uma música nas paradas do momento que você gosta mais.



Como não faço ideia do que tá bombando nas paradas do Brasil, fui olhar na Billboard e descobri que não conheço absolutamente nada dessa lista, até chegar nessa, que é a #83.


33: Uma música muito curta.



O Minor Threat foi a banda de punk hardcore que lançou o movimento straight edge, que revolucionou a cena mandando uma mensagem bastante positiva à juventude, que eu respeito muito.


34: Uma música interpretada por um ator ou atriz.



Eu descobri isso sem querer há uns anos e fiquei gratamente surpresa.


35: Uma música de uma banda clássica de rock.




36: O vencedor do Eurovision no ano em que você nasceu.



Anos 80, claro que foi uma balada coxinha.


37: A pior música que você tem na sua coleção.



Única vez na vida que gastei dinheiro com a LPU e foi logo no ano que lançaram essa DESGRAÇA DESSE ÁLBUM ZOADO.


38: Uma música que te deixa motivado.



Eu não queria repetir bandas durante esse desafio, mas é que when the weight of all the world is pushing down, JUST PUSH RIGHT BACK!


39: A primeira música aleatória que tocar agora.



Foi o que a rádio da last.fm me mandou, e agora todos chora.


40: Uma música da década de 1950.



Porque o lindo do Eddie é o meu favorito da época.

03/08/2017

O Desafio Musical de 100 Dias - Parte III

Parte I | Parte II


O verdadeiro desafio aqui é postar música que eu nunca coloquei aqui antes, isso sim...


🎵


21: Uma música com o nome de alguém.




22: Uma música com mais de 7 minutos.



Uma das minhas favoritas do bardo. Mas, como todas, complicada de achar em boa qualidade online ¬¬


23: Uma música sem letra.



Uma das minhas favoritas da playlist de concentração que ouço pra trabalhar, mas esse vídeo é triste demais :(


24: Uma boa música da década de 1970.



Muitas, mas o ska two-tone é uma das minhas coisas favoritas da década e a tensão visível do Terry nesse vídeo me faz rir demais.


25: Uma música que você pediria para tocar em uma festa.



Não que eu vá a festas. Não que eu fosse pedir uma música. Não que eu fosse dançar, se tocasse.


26: Uma boa música dos anos 1960.



Complicado escolher, eu, que adoro muita coisa dessa época... Mas ver os Bee Gees antes da fase discoteca é sempre legal.


27: Uma música com um numeral no nome.



Essa música, esse vídeo, Sinéad 🎔


28: Uma música muito antiga. (de que ano?)



De 1924. Na verdade, a conheci por uma versão cantada do grupo The Overtones, que é uma das minhas músicas favoritas.


29: Uma música do Michael Jackson.



Pode ser dele com os Jacksons? Eu adoro essa.


30: Uma das músicas mais antigas que você gosta.



Da década de 1930; essa aqui foi uma das primeiras músicas populares contra o racismo. Essa letra é muito triste e Billie deusa nunca falha em emocionar.

Nada antes do "mas" realmente conta

Eu sempre comentava no seu Fotolog quando suas fotos eram engraçadas, agora você tá sempre triste. Eu gosto de você... Mas você era mais legal antes de ficar assim.

Eu acho que todo mundo deveria assistir 13 Reasons Why e aprender empatia por quem sofre de depressão e entender por que as pessoas pensam em suicídio... Mas que bando de gente que só quer chamar atenção com essas correntes de Facebook. Quem liga pra quem você é ou do que você gosta?

Fiquei muito triste quando meu artista favorito se matou. Por favor, se você está pensando em suicídio ou conhece alguém que está sofrendo, converse. Cuidem uns dos outros... Mas não fale comigo, porque tô fugindo de gente que só reclama.

Entendi sobre a sua assexualidade e respeito que você seja assim... Mas não vejo a hora de você "liberar geral".

Obrigado por ser a única pessoa a aguentar meu período de depressão pós-término... Mas pare de falar sempre na mesma coisa, você é muito drama queen.

Você não pode conversar com os meus ex-namorados porque é minha amiga e isso não é certo... Mas toma aqui essa apresentação de Power Point explicando por que eu não te considero minha melhor amiga.

Claro que vou te contar, eu nunca faria isso com você... Mas fiz.

Você foi importante pra mim, também. Antes de acima de tudo, somos amigos... Mas não te sigo mais em nenhuma rede social, não faço ideia do que está acontecendo na sua vida e basicamente nunca mais vamos nos falar.

Eu te amo e me preocupo com você... Mas você não me corresponde, então tudo de ruim que acontece na sua vida é culpa sua por ser uma péssima amiga.

Não faço ideia do que está acontecendo com você e gostaria de ajudar... Mas nunca leio o seu blog, nem presto atenção no que você posta ou compartilha no Facebook.

Não assisti ao seu vídeo todo... Mas tenho todas essas opiniões sobre o que quer que você tenha dito nele.

Assisti ao seu vídeo e fiquei preocupado... Mas vamos deixar tudo como sempre esteve.


Eu ouvi tudo isso aí. Algumas dessas têm muitos anos. 

Mas tudo bem. Provavelmente sou eu que tenho... 

Como foi que me disseram? 

Ah, sim: 

"Uma visão utópica sobre amizade"...



01/08/2017

O Desafio Musical de 100 Dias - Parte II

Parte I


🎶


11: Uma música de um artista por quem você seja atraído.



Atraída não, porque não funciono assim, mas o Simon é um lindo, né.


12: Uma música de um artista que já seja falecido.



De tantos, o mais recente :(


13: Seu cover favorito. (quem canta a original?)



O sucesso irritante de Carly Rae Jepsen. Coloquei esse de zoeira porque sempre posto por aqui meus covers favoritos. A verdade é que adoro que isso exista, porque detesto essa música mas amo essa banda, então esse vídeo sempre me deixa feliz, hahahahah


14: Uma música com um bom vídeo.



Amo os vídeos deles, todos são emocionantes.


15: Uma música que você detesta.

Não vou colocar o vídeo. É Evidências. Me processem.


16: Uma música que você ama mas um amigo detesta.







17: Uma música de uma trilha sonora. (qual é o filme?)



Adiantem pra 4:30.


18: Uma música lançada no ano em que você nasceu.



COMO PODERIA EU NÃO ESCOLHER ESSA?


19: Uma música de que você acha que outras pessoas gostariam.



Sei lá, na verdade. Conheci essa há uns dias e gostei, fica aí de recomendação.


20: Uma boa música da década de 1980.



Os anos 80 foram a melhor/pior década pra música, mas Clash é Clash