Pular para o conteúdo principal

FAQ




Todas essas são perguntas que eu já escutei, no mínimo, 10 vezes na vida. Vou responder tudo aqui de uma vez, pra ver se ajuda. Vai que vocês ficam com preguiça de ler tudo o que postei sob a tag "pessoal", né?

(Tudo bem, eu também ficaria.)




1. Por que você não pega um sol?

Minha pele é sensível, tudo me queima e dá alergia. Preciso de protetor 50 pra ir até ali ao supermercado, então, evito o sol o máximo que posso. E, depois de anos de frustração com isso, agora finalmente gosto de ser branquelinha assim.


2. Mas por que você tatuou isso?

Porque eu quis...? Sério, foi porque eu quis. Não tem motivo melhor que esse.


3. Por que você não quer casar e/ou ter filhos? É trauma?

Nunca tive e acho que nunca terei a menor vontade de casar ou ter filhos. É algo que sequer me passou pela cabeça como obrigação e não me vejo de forma nenhuma pressionada a fazer isso. Nunca tive instinto maternal ou qualquer jeito com crianças, e não me sinto frustrada ou esperançosa com notícias de casamentos ou gravidez de conhecidos. Nem me encanto muito com bebês. Só não quero, me deixem.


4. Você não é de falar muito, né?

Não, realmente. E tendo a falar ainda menos quando me apontam o óbvio. Uma vida toda sendo interrompida e ignorada por extrovertidos me ensinou a filtrar melhor minhas tentativas, então eu falo quando preciso, se achar que tenho algo de útil com que contribuir. Mas nem sempre vale a pena.


5. Por que você fala tão rápido?

Não sei, por quê? Será que é o meu sotaque? Será que é porque eu tenho pressa em terminar logo a tortura de ter que falar? Será que é porque são os outros que escutam devagar? Como vocês esperam que eu responda isso...?


6. Credo, que tanto de livro pegando poeira e ocupando espaço! Por que você não se desfaz dos que já leu?

Eu posso querer ler de novo. Eu posso querer emprestar pra alguém. Eu posso gostar de olhar pra eles. Eles não incomodam, sério.


7. Fala alguma coisa em alemão/francês!

Ich weiß nie, was ich sagen soll, wenn Leute mich das fragen.
Je ne sais jamais quoi dire quand les gens me demandent ça.

E isso provavelmente nem tá certo, mas... quem perguntou provavelmente também não vai notar. Não, sério, é engraçado, eu posso literalmente xingar a pessoa e ela não vai fazer ideia. Que estupidez.


8. Por que você não fala comigo?

Não é por mal, gente, é que eu sou ruim nisso, mesmo. Adoro conversar, mas é raro eu ir puxar conversa. Não sei fazer isso, acho que tô sendo intrometida ou entediante ou inconveniente; então, na dúvida, prefiro que me chamem. 


9. Traduz isso pra mim aqui rapidão? Não precisa caprichar muito, é só pra eu ler, mesmo.

Não me importo de maneira nenhuma de ajudar e fazer favor aos meus amigos. MAS, se não somos amigos, é importante que você saiba que traduzir é o meu trabalho, e eu também tenho contas pra pagar. Se você quer um serviço "rapidão" e de qualquer jeito "só pra ler, mesmo", o Google Tradutor quebra um baita galho.


10. Ah, você é bióloga? Então qual é o nome dessa árvore/desse inseto/daquele pássaro?

Amigos, eu sou bióloga, não o Google. Às vezes eu sei, às vezes não, como qualquer outro profissional de qualquer outra área. Mas garanto que posso pesquisar e descobrir pra vocês.


11. Me fala aí um livro/filme/artista bom.

Oba, adoro recomendações! Que gênero de livro você gosta de ler? Que tipo de filme você prefere assistir? Qual seu estilo musical favorito? É um que eu ache bom ou que você poderia achar bom, ou que a crítica acha bom? E o que você quer dizer com "bom", é tipo em qualidade literária/cinematográfica/musical ou de acordo com gosto pessoal? Dá pra elaborar melhor a pergunta?


12. Mas como assim você ficou com alguém, você não era assexual?

Orientação é atração, não comportamento. Vamos lá, mais uma vez pra aprender: ORIENTAÇÃO É ATRAÇÃO, NÃO COMPORTAMENTO. E, se você acha que sexo é o único motivo pelo qual as pessoas devem ficar juntas, acho que o problema não é bem a minha orientação...


13. 'Cê posta bastante no Instagram, né...?

Sim. E não gosto da rede porque a maior parte do que vejo por lá me deprime. Encho aquela porcaria de selfies porque estou trabalhando na aceitação da autoimagem há um tempinho e finalmente estou gostando do que vejo quando me fotografo. Se as pessoas gostam, melhor ainda. Se não gostam, definitivamente não preciso delas por lá cuidando da minha vida.


14. Você é muito anti-social, não pode nem reclamar de ter poucos amigos.

Eu tenho poucos amigos porque costumo corrigir as pessoas sobre essas definições básicas da vida, por exemplo. Eu sou introvertida, não anti-social. Anti-social é aquela pessoa que odeia reuniões sociais por aversão às pessoas; o introvertido tem aversão a reuniões sociais porque ficam desconfortáveis e se cansam - mental e fisicamente - pelo contato prolongado com outras pessoas, por mais que gostem delas.



(seção em expansão, aguarde atualizações)





Copyright da imagem: Icon made by Freepik from www.flaticon.com is licensed under CC BY 3.0

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia dos Namorados e a visão de romance por uma assexual arromântica

Vejo que isso vem mudando lentamente, mas, como regra geral, todo mundo é naturalmente criado e tratado como heterossexual (e, consequentemente, heterorromântico). Eu, claro, cresci com essa absoluta certeza e não questionei isso até meados dos meus 20 anos. Até então, achei que eu só era mais "devagar" pra certas coisas, mesmo. Mas vamos ter que voltar um pouco e compartilhar informação demais.
Como expliquei na página de educação e visibilidade, o fato das orientações sexual e romântica serem coisas separadas e muitas vezes não serem correspondentes é o que mais confunde quem demora a "sair do armário". Eu mesma ainda me vejo questionando ambas, embora esteja convencida de que estou, ao menos, em algum espectro de ambas (confira a página mencionada). Não posso falar por todos os assexuais arromânticos porque, obviamente, cada pessoa é diferente da outra e as coisas são diferentes pra todo mundo. Então vou falar por mim.
Embora só tenha percebido isso recentement…

... e ainda mais livros interativos!

2014 está sendo um ano muuuito esquisito... Não sei se tá todo mundo com essa impressão, ou se eu só estou prestando atenção nas coisas esquisitas, mesmo.
De qualquer forma, comentei em alguma postagem anterior sobre a necessidade da terapia que não vou fazer, e como esses livros interativos que tanto estão na moda andam me ajudando a aguentar toda a esquisitice desse ano.
Depois de Destrua Este Diário, que não vou terminar, e Termine Este Livro, que já terminei, peguei outros dois lançamentos: Listografia, de Lisa Nola, e 1 Página de Cada Vez, de Adam J. Kurtz.


O Listografia eu havia visto pelo Pinterest e achei a proposta atrativa pra mim: listar a vida de acordo com os mais variados tópicos. Os temas vão desde coisas simples, como os lugares em que você já morou, o nome de todos os animais de estimação que você já teve, seus programas de TV favoritos, as cidades que você conhece, até assuntos mais reflexivos, como as coisas sobre você que quase ninguém sabe, seus maiores atos de b…

As curiosas origens de 4 famosos jogos de tabuleiro

Adaptado do artigo original do Mental Floss.



Jogos de tabuleiro são uma forma de entretenimento criada pelos egípcios há 5 mil anos e nunca saíram de moda, mesmo que atualmente tenham sido adaptados em vídeo games ou jogos para o celular. Aqui vão as origens de alguns dos sucessos mundiais favoritos:

Monopoly / Banco Imobiliário

Embora seja considerado um jogo que glorifica o capitalismo (tendo sido banido de países como a China e a antiga União Soviética), este clássico foi inventado para representar justamente a ideia oposta. A americana Elizabeth Magie era ativista contra o pagamento de impostos imobiliários, no fim do século 19. Segundo ela e outros simpatizantes, deveria haver apenas um imposto de propriedade, diminuindo assim a diferença de riqueza entre os senhorios e os inquilinos. Para demonstrar de uma maneira fácil como as coisas aconteciam na época, Lizzie patenteou, em 1904, um jogo chamado The Landlord's Game ("O jogo do senhorio"), cujo objetivo era acumula…